sábado, 6 de novembro de 2021

VIAGEM A 1977

Eu sou velho o bastante para ter sido um grande fã do ABBA quando a banda estava no auge. Mas naquela época eu não gostava muito. Achava bobinho, música para menininha. Fui gostar mais quando o quarteto sueco voltou à moda na década de 1990, 10 anos depois de sua dissolução. Que, agora, sabemos que foi temporária: depois de uma pausa de 40 anos, o ABBA finalmente está de volta, com um álbum de inéditas e uma temporada de shows em Londres no ano que vem. Esses concertos, na verdade, são virtuais: são avatares jovens de Agnetha, Benny, Bjøorn e Anni-Frid que o público irá ver em cena, enquanto que os verdadeiros, hoje septuagenários, continuam em suas casas na Suécia. O disco "Voyage" também é uma tentativa de voltar ao passado. Não soa como um trabalho novo, mas sim como algo que foi gravado em 1977 e depois engavetado. Não tem trap, não tem feat. de rapper, não tem nada que soe minimamente contemporâneo. A única faixa de que eu realmente gostei foi "Don't Hold Me Down". As demais soam quase todas como musiquinhas de Natal, cantadas por um coro de crianças louras vestindo pulôveres coloridos enquanto a neve cai docemente. Talvez fosse isso o que os fãs hardcore quisessem. Eu prefiro viver o presente.

9 comentários:

  1. E pra ter acesso a pré-venda de
    Ingressos da turnê de holograma, tem que comprar o CD, ou vinil ou k7…
    O disco pode soar velho. As forçação pra vender é bem contemporânea.

    ResponderExcluir
  2. O Mio Babbino Caro

    ABBA Se basta como abertura dos Shows na Blue Space.

    ResponderExcluir
  3. Olha, Tony, eu gostei muito. Não apenas das músicas, realmente suaves, da emoção que surge de forma mais sutil e disfarçada, se comparada a das músicas originais, das letras simples e eficientes. Mas também e principalmente pelo que significa essa volta, ressureição do julgávamos enterrado. Sim, é nostalgia, é o sentimento de que nem tudo está perdido (embora possa estar). De forma semelhante, a morte de Marília Mendonça emociona, não porque suas músicas fossem muito boas, mas pelo que significa no panorama geral da vida.

    ResponderExcluir
  4. Admiro e tenho maior respeito por esta Banda
    Mais nessa época eu ouvia mais Janis Joplin e The Doors.

    ResponderExcluir
  5. Pq vc tá ignorando a morte da Marília com seus leitores pessoais? Ae tem! Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que tem é que eu não era um grande fã dela. Reconheço o talento, mas não tenho uma única música dela nas minhas playlists. E não tenho mais nada a acrescentar ao que já escrevi no F5.

      Excluir
    2. Silêncio tbm é uma forma de respeito.
      G-

      Excluir
  6. Eu achei meio que uma desconsideração com os fãs. Sei lá. O avatar que posse ser aplicado em vários lugares enquanto eu estou confortável em casa. O fã vai ao show, tem o movimento de comprar ingresso, sai de casa até o lugar do show e etc. Toda a movimentação física e mental para ir até o show e os cantores em casa com um avatar trabalhando por eles, sabe? Um show que pode ocorrer em varias cidades e ao mesmo tempo. Sei lá. Achei desrespeitoso.

    ResponderExcluir