sexta-feira, 19 de novembro de 2021

OVERDOSE DE DIREÇÃO DE ARTE

Muitos críticos estão dizendo que Wes Anderson passou do ponto com "A Crônica Francesa". Que o novo longa do diretor sucumbe ao peso dos maneirismos e da direção de arte levada ao extremo. De fato, é tanta informação visual na tela que lá pela metade eu já estava enjoado. Mas este excesso só incomoda para valer quando o roteiro escorrega. Como todo filme episódico, alguns episódios são melhores que os outros. Aqui são só três, e o segundo realmente deixa a desejar - isto, apesar da presença de meu adorado Timothée Chalamet. O trio de histórias é baseado em casos reais vividos por escritores da revista "New Yorker", mas com aquela dose de exagero que só Wes Anderson é capaz de dar. O elenco tem tantas estrelas que basta piscar o olho para perder alguém (foi só nos créditos que eu percebi que Cécile de France faz a mãe do Timothée). Quase toda a ação se passa na fictícia cidade francesa de Ennui-sur-Blasé, um nome tão pretensioso que nem chega a ser engraçado, mas é uma Paris mal disfarçada. Há muitos momentos divertidíssimos, mas o que pretendem emocionar não conseguem justamente por causa da overdose imagética. "A Crônica Francesa" é o equivalente cinematográfico a um banquete só de macarons. Hélas.

8 comentários:

  1. Acho Wes Anderson e Sofia Coppolla superestimados, a imagem se sobrepõe a narrativa e/ou emoção.

    Sofia conseguiu a proeza de transformar Maria Antonieta em uma princesa da Disney. Mas as imagens sempre são bonitas em quaisquer filmes deles ao menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não gosto dos dois. Wes Anderson é muito ruim. Sofia Coppola só faz merda, ela destruiu The Beguiled.

      Excluir
  2. O filme da Maria Antonieta é muito bom,
    segundo os criticos,em geral.

    ResponderExcluir
  3. Toninho, assiste Gloria no Netflix, série portuguesa, pq dependendo do q vc achar, tiro da minha lista.

    ResponderExcluir
  4. Gente, não vejo nada demais nesse Timóteo! Quem sabe quando ele amadurecer mais, talvez.

    ResponderExcluir
  5. Tony, duas perguntas que não têm nada a ver com o filme do Wes Anderson:
    O que você pensa da Alicia Vikander como atriz?
    Como a icônica Nastassia Kinski virou o que virou? O que houve com a carreira dela?
    Obrigada. Aguardando outro curso seu no Borasaber.

    ResponderExcluir
  6. Não gosto de nada relacionado a Wes Anderson. Artificial e superficial demais. Não gosto dos filmes, não gosto dos atores. Nem do Bill Murray eu gosto mais.

    ResponderExcluir
  7. Esse Timothée Chalamet só faz filme ruim. Não curto.

    ResponderExcluir