terça-feira, 23 de novembro de 2021

MINHA VIDA, MEUS MORTOS, MEUS CAMINHOS TORTOS

Já contei aqui no blog várias vezes, mas vou repetir de novo. Eu tinha 13 anos de idade quando Ney Matogrosso explodiu na cultura brasileira, como vocalista dos Secos & Molhados. Mal consigo descrever o impacto que aquela figura estranha, não-binária antes do termo existir, causou no adolescente que eu era. Nas cinco décadas seguintes, eu me aproximei e me afastei do Ney seguidas vezes. Houve épocas em que eu comprava todos os discos, outras em que esquecia de sua existência. Mas em 2009 a Folha me escalou para cobrir o show "Beijo Bandido", e eu me rendi novamente. Ney voltou com tudo para a minha vida. Por tudo isto, foi com enorme prazer que eu li "Ney Matogrosso - a Biografia", do jornalista Julio Maria. A narrativa começa antes mesmo do nascimento do cantor, explicando sua família e o cenário quase de faroeste em que ele se criou. Há muita ênfase nos Secos & Molhados, que no final duraram apenas três anos, e capítulos inteiros dedicados a cada álbum/show (os dois sempre vinham juntos) até 1990. Aí a história fica tristíssima. Ney perde, em pouco tempo, o namorado Marco, o ex-namorado Cazuza e o amigo Rafael Rabello, violonista que o acompanhou muitas vezes. Os últimos 30 anos ganham apenas as últimas páginas do volume, sem maiores detalhes da vida pessoal - até porque talvez eles não existam. Ney meio que sossegou o facho, apesar do nude que ele mesmo vazou há poucos meses. Também deve ser imortal. Aos 80 anos, tem o corpo de um homem de 55, e sua mãe ainda está viva! Dona Beíta faz 100 no ano que vem. Seu corpo fechado fez com que ele jamais fosse contaminado pelo HIV, apesar de uma vida de saliências. No ano passado, Ney testou positivo para o novo coronavírus, mas como é feito de aço inoxidável, não apresentou nenhum sintoma da Covid. Vai nos enterrar a todos.

21 comentários:

  1. Tony, tenho a sua idade e também tive o mesmo impacto com o Ney, que sigo até hoje. Vida longa e próspera para nós 3. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Corpo de um homem de 55 em forma, frise-se.

    ResponderExcluir
  3. O Mio Babbino Caro
    ...também, com direito a autógrafo na carteirinha do colégio após o show no Aquarius. Vai ver que com seus poderes tornou inoxidável também a todos daquele momento.

    ResponderExcluir
  4. cara...estou lendo fou de vincent adorando praticamente um gay porn de amor mas triste tambem porque sabemos que o escritor morreu de aids e escreveu aquele livro o homem que não me salvou, existe uma pesquisa que indica que os que estao imunes a aids (sim existe pessoas naturalmente imunes) são descendentes daqueles que pegaram a peste negra e se curaram desenvolvendo super anticorpos e estes também sao imunes ao corona, foda né com ctz é o caso do Ney

    ResponderExcluir
  5. Ney é um patrimônio da nossa MPB❤️ meu Deus como eu AMOOOOOO esse homem!!! Em minha humilde visão ele não tem a valorização que realmente deveria ter... Ele é talvez o maior interprete da nossa MPB, aliás da música brasileira e noto que não dão a devida ênfase e importância para um artista da envergadura de Ney... O colocam muitas vezes como um artista Nichado, mas é impossível ignorar tudo que esse homem fez, faz e representa.

    ResponderExcluir
  6. Ney transcende a condição humana. Parece uma criatura que traz toda a força da natureza, como um bicho mítico, uma entidade. É sempre forte, único e inovador. E que criatura linda!!!

    ResponderExcluir
  7. Foda, o Brasil já foi tão melhor...

    Infelizmente essa sertanejação do Brasil está FODA...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sertanejo universitário, que é uma bosta. O único sertanejo bom é o de raiz, que não tem nada a ver com o sertanejo romântico (de corno) dos anos 80/90.

      Excluir
    2. Verdade. Infelizmente acho que não houve um movimento mainstream de sertanejo de raiz...aí caiu no esquecimento das massas :(

      Excluir
    3. Não é à toa que se usa o termo massa fecal.
      PS: sarcasmo é falta de argumento.

      Excluir
    4. O sujeito fica dando de Big Shot com foto de perfil de Hollywood. Deve ter feito muita coisa importante lá...
      Pois eu fiz e não fico me exibindo. Conheço muita gente lá e trabalho entre Hollywood/Rio/São Paulo há mais de 30 anos. Conheço todas as Big Stars de lá. Sou do meio e sou, realmente, um Big Shot, sem querer me gabar.
      Escrevo anonimamente para evitar assédio, porque sou muito conhecido.
      Portanto, meu caro, seja menos pedante.

      Excluir
  8. Adoro artistas que se jogam no palco. Viram uma entidade única. Piração mesmo. Ney é drag antes do termo existir.

    ResponderExcluir
  9. Eu não era nascido quando o Ney estourou com os Secos e Molhados, mas imagino que deve ter sido um choque na época,o país vivia ditadura militar e o Ney sendo uma figura andrógina,todo maquiado e já demonstrando seu maravilhoso talento,amo em especial "Sangue Latino" , na mesma época mais ou menos surgiu o Dzi Croquettes e começava a se formar um cenário LGBT na cultura ,nada parecido com o que vemos hoje , mas aos poucos íamos ocupando espaço, até aparecer a maldita aids e levar vários de nós, maravilhoso o Ney ter sobrevivido, ele é de fato imune ao HIV? Ou é uma forma de dizer, por ele ser muito forte, ter uma saúde de ferro, comecei a acompanha-lo do final dos anos 90 para os 2000 e não lembro de ler nenhuma notícia dele ser internado ou ter ficado doente.

    ResponderExcluir
  10. Muito obrigado pela dica Tony querido,amanhã irei a Livraria Cultura do Conjunto Nacional na Avenida Paulista comprar a biografia do Ney, amo aquela loja, três andares de livros e no terceiro ainda tem o Teatro Eva Herz.

    ResponderExcluir
  11. Você deve ter lido a outra biografia dele, Vira Lata de Raça, né? Qual das duas gostou mais?

    ResponderExcluir
  12. Tony:
    Inacreditável q Ney completou 80 anos!
    Merecidamente o Festival Mix Brasil fez uma linda homenagem a
    ele, exibindo vários filmes sobre e com ele!
    Parabéns por seu post
    bjs
    Maurício

    ResponderExcluir
  13. Ney Matogrosso é foda!
    Tony, é verdade que o Kiss copiou os Secos & Molhados na maquiagem/ e, já que você acompanha desde os começo, nos anos 70 já rolava esse boato?

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu duvido que seja verdade. Os discos deles saíram na mesma época (o dos Secos, um pouco antes). Aquele tipo de maquiagem estava na moda, muita gente fazia. Era a época dos andróginos na música.

      Excluir
    2. Apesar que no Kiss não tinha nenhum LGBT só gostavam do estilo andrógino mesmo,o Gene Simmons tá até hoje com a Shannon Tweed, bem que ele podia ser viado tbm com aquela linguona rssss, o Paul Stanley comeu mta buceta tbm

      Excluir