quinta-feira, 4 de novembro de 2021

LULALCKMIN

Leio na coluna da Mônica Bergamo que dirigentes do PT e do PSB estão em altas negociações. A ideia é formar uma chapa para 2022 com Lula como candidato a presidente e Geraldo Alckmin como vice. A união de dois grandes rivais da política brasileira deste século soa inacreditável, mas também faz sentido. Seria a combinação imbatível de duas forças poderosas, para varrer o bozoarismo do Planalto. Esse pacto só ficou possível porque Alckmin está de saída do PSDB, magoadíssismo com João Doria. Mas há muitas arestas a aparar. O PSD também está de olho no picolé de xuxu, para que ele se candidate novamente ao governo de São Paulo - no momento, Alckmin lidera as pesquisas. No lugar dele, eu imporia uma condição: Lula não se candidataria à reeleição em 2026 e apoiaria Alckmin como seu sucessor. Tomara que dê certo.

15 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Apesar do preço a ser pago para se livrar de Bolsonaro. Quem não sente embrulhar o estômago quando se ouve sobre as alternativas políticas.

    ResponderExcluir
  2. Faz todo sentido! Replica a chapa Lula e o Saudoso José de Alencar dos anos 2000, conquista e acalma o mercado e garante o mínimo de política progressista e social que tanto estamos carentes! Honestamente só consigo enxergar esse caminho para conseguirmos nos livrar do atual governo e em 2026 voltarmos a ter disputas saudáveis com candidatos que pensam e tenham realmente um bom plano de governo e consolide a democracia com oposição coerente respeitando os processos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkk......tá parecendo o Haddad
      recebendo apoio do Maluf em 2012.CREDO!!!!!

      Excluir
    2. Disputas saudáveis? Gente, vocês vivem num mundo paralelo ou é lavagem cerebral nos trouxas?

      Excluir
    3. Gente isso é uma merda mas é especulação calma...ninguém nem sabia que o Ciro iria jogar a toalha. Política é igual nuvens cada instante está de um jeito.Os 44 do PT votaram contra a PEC dos Precatórios os amigos íntimos do Ciro votaram a favor, isso diz muito. Mesmo assim sei lá. G-

      Excluir
  3. Percebo que você não leva fé nem no Eduardo Leite como terceira via, isso mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não levo. Adoraria votar no primeiro candidato gay assumido, mas ele é um pouco de direita demais para o meu gosto. E o fato de ser gay assumido pode ser um obstáculo intransponível.

      Excluir
    2. Ih,11:20-Ele nem sabe a porcaria que foi o
      desgoverno do Geraldo Alstom.É o Sérgio
      Cabral que não foi preso.kkkkkkkkk

      Excluir
    3. Tony, Eduardo Leite é um gay de extrema direita. Basta ver as atitudes, o governo dele e quem o banca.

      Excluir
  4. Uma vez tucano, sempre tucano.

    ResponderExcluir
  5. Vivi para ver Lula e Alckmin na mesma chapa…o preço da nossa honestidade! Onde fica o fundo do poço?

    ResponderExcluir
  6. Bostileiro sempre indo pelo excesso kkkkkkk
    Lembro de ler no seu blog você chamando a Marina Silva de várias coisas e imputando adjetivos péssimos a ela, e ela sempre foi moderada

    vocês amam um ditadorzinho, vai lá lacrar 13

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marina é uma estadista-diferente destes 2
      que a colunista da Folha quer juntar-parece
      notinha inventada ou matéria paga.kkkkkk

      Excluir
    2. Não, não é inventada, muito menos matéria paga. Mônica Bergamo não se presta a essas práticas. Você dobre a língua antes de falar de uma das maiores jornalista do país, seu merdinha.

      Ah, e hoje surgiram mais detalhes sobre essa coalizão. A ideia partiu do Márcio França, que quer o Alckmin fora do páreo de São Paulo para aumentar as chances dele se eleger governador.

      Excluir