quarta-feira, 27 de outubro de 2021

VALEU TUDO

Quando alguém tem um autor de novela favorito, esse autor é sempre o Gilberto Braga. Nenhum outro escreveu tramas tão deliciosas, com personagens marcantes porém críveis. Eu sou tão velho que segui a primeira novela dele, "Corrida do Ouro", em 1974, e adorei. Depois veio o boom internacional da "Escrava Isaura" e um trio de produções que mudou para sempre a cara da nossa teledramaturgia: "Dancin' Days", "Água Viva" e "Vale Tudo", possivelmente a melhor novela brasileira de todos os tempos. Gilberto não gostava de ser apontado como especialista em grã-finos, mas ninguém conhecia o high society carioca tão bem quanto ele, que frequentava a alta roda graças a seu marido, o decorador Edgar Moura Brasil. Os dois chegaram a ser o único casal gay incluído no "Sociedade Brasileira", um catálogo de endereços da fina flor do Rio de Janeiro. Ontem ele se foi, sem ter tido tempo de emplacar um novo folhetim que apagasse o gosto amargo de "Babilônia", retalhada pela Globo em 2015 e rejeitada pelo público mais careta. Gilberto Braga criou ícones como Maria de Fátima e Odete Roitman, e ousou no horário mais nobre da televisão brasileira. Nem sempre deu certo, mas valeu cada tentativa.

45 comentários:

  1. Inesquecível. Eu, criança, não conseguia parar de ver Escrava Isaura, era um vício, uma "adição" incurável. E Água Viva? Essa não falam tanto, mas era ótima, assim como as outras. De fato, foi uma parte inapagável da nossa cultura, e agora da nossa memória. Isso é que é ser grande.

    ResponderExcluir
  2. Minha novela favorita dele é Celebridade.

    Depois vem Paraíso tropical, muito boa e em exibição no viva, mas que só engrena lá pro capítulo 90 um pouco antes da Taixxxxx morrer.

    O texto de vale tudo é irretocável, pena que a fotografia da novela é uma bosta, tudo muito escuro. Merecia um remake bem feito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você quer comparar anos 80 com século 21,
      engraçadinho???????????

      Excluir
  3. Dos autores da velha guarda as novelas de giba foram as que envelheceram melhor.
    Outro que escrevia muito bem era o Manoel Carlos, que fazia a gente se comover com white problems rich... Rs

    ResponderExcluir
  4. As novelas são uma enrolação infinita, uma dramatugia de quinta, com esse Gilberto Braga sendo um dos menos pior. Assistir "O Clone" e Caminho das Índias " hoje em dia, dá pra ver a vergonha alheia que nos oferecem. É dose Assistir "Vale Tudo" hoje em dia também. Menos mal que ninguém dá a mínima para "especialistas em high society carioca" e as TVs só patinam quando tentam falar com o povo . No máximo aqueles cenários do Projac que mais parecem a vila do Chaves.

    ResponderExcluir
  5. A minha novela favorita dele, escrita em parceria com Ricardo Linhares, é Força de um Desejo de 1999, nem sempre lembrada e injustiçada pela a audiência. Revi em 2020 durante a quarentena.
    O texto tem seus defeitos sim, algumas abordagens envelheceram mal, mas ainda sim é um novelão. Malu Mader e Natália Timberg estavam magníficas! Destaque também para as atuações de Paulo Betti, Denise Delvecchio e Isabel Filardis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Minha novela preferidaaaaaa!!!!! <3

      Excluir
    3. 07:34-Creeeeeeeeeeeeedoooooooooooo!!!!!!!!!!

      Excluir
  6. Os Big Brothers da vida são as novas novelas. Tão ruins quanto. Assistindo às séries das plataformas de streaming, dá pra ver como esses autores de novela são ruins, mesmo esse que morreu agora. Acho que "Roque Santeiro" foi a única novela realmente original. As caracterizações étnicas são risíveis, as tramas rasas, e como esse Sivio de Abreu faz, coloca um assassinato na trama e enrola três meses para revelar o autor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem " Roque Santeiro" que era uma caricatura de "Cem anos de solidão" na onda do realismo fantástico.
      G-

      Excluir
    2. Acho que Saramandaia ia nessa linha de realismo fantástico. Roque Santeiro nem tanto.

      Excluir
  7. Novela do Gilberto que mais me marcou foi Água Viva, que eu vi criança no Rio. Não sei se pela idade mas parecia que se ligava a tv para ver a rotina diária carioca. Nunca mais tive essa impressão em outra novela.
    A briga dos irmãos Fragonard, a excêntrica Stella Fraga Simpson mandando o mordomo pegar água do mar para se bronzear na cobertura do Leblon, são detalhes que lembro até hoje. E meu personagem favorito era a chic e falida Lourdes Mesquita, mal sabendo que seria esse meu destino. Kkkkk.

    ResponderExcluir
  8. comentei aqui no blog o filme carga 200 e falta no Brasil algo parecido que ironize a escravidão mostrando toda sua crueldade, escrava isaura e afins romantizam o escravidão, é como se o escravo tivesse que agradecer por trabalhar com familia X e só apanhou quando mereceu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrava Isaura é um livro do Romantismo do século XIX, rapaz. O Gilberto Braga só adaptou. Que falta um ensino básico faz, 100or!

      Excluir
    2. O filme CARGO 200 é um filme russo que fala sobre o fim da união soviética. Tem quase 4 de 5 estrelas no filmow

      Excluir
    3. O livro e a novela romantizam a escravidão. Os horrores da escravidão invasão do continente estupro genocidio nunca apareceram no horário nobre nem de forma irônica como cargo 200 isso que eu quis dizer, que com humor negro se expõe as entranhas e incompetência do fim da união soviética- foram amaldiçoados no Afeganistão se não teriam continuado com muito sucesso

      Excluir
    4. 18:43-LÁ VEM O CHATO IDENTITÁRIO!!!!!Que
      falta faz um ensino básico,faz favor,como
      diz o 14:06.

      Excluir
    5. 20:02 Anon
      Que mané chato rapaz. É uma crítica totalmente pertinente. Se a senhora deseja tão somente ouvir doces memórias, está em local indevido. Aqui é assim!
      G-

      Excluir
    6. 23:08-Pode ter filmes mostrando os judeus
      mortos no Holocausto,mas não pode mostrar
      a escravidão?RARARÁ,QUEM FICA PARADO É
      POSTE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  9. E não as novelas são um horror comparadas as séries, também reflexo da nossa cultura escravocrata que não forma talentos.

    ResponderExcluir
  10. Acabei de ver o trailer de agua viva parece interessante, não consigo mais assistir novela na verdade nunca consegui quando eu era xóven chegou a tv a cabo e acabou mas acho que eu curtiria agua viva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. XÓVEN,SEU CREYSSON????????kkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Eu deveria ter uns 10 anos quando chegou a tv a cabo, friends, simpsons etc... eu já não gostava da rede globo por achar que eles representavam o mal aí acabou, se tivesse só o sbt talvez eu assistiria novela desde aquela época a globo começou a decair demorou mas rolou

      Excluir
  11. Lembro-me da época de Dancin' Days.
    Eu estava no colegial e tinha acabado de assistir ao filme do John Travolta, Os Embalos de Sábado À Noite. Eu queria ser Tony Manero. Eu achava ele muito maneiro, até no nome...
    Todos os sábados eu ia pra discoteca da minha cidade. Chamava O Fervilhão, e realmente fervia. Minha cidade é pequena, interior do sul de Minas. Todo mundo se conhecia. Nessa época começou a passar essa novela, nunca fui muito de novela, mas essa eu assistia pelo tema. Comprei um terno barato, no estilo do John Travolta e comecei a ensaiar passos de dança. Minha namorada também entrou na onda. Saíamos todo sábado. Íamos ao O Fervilhão.
    Foi mais ou menos nesse período que minha cidade entrou no chamado Frenesi da Cocaína. A gente comprava de galera e dividia antes da noitada. Dávamos uns dez tiros por noite. Era coca da boa, como só se via naquele tempo. Cheirávamos e dançávamos à noite toda. Era uma beleza! Eu adorava, foi a melhor época da minha vida. Quanto à coca, eu só usava aos fins de semana e nunca fiquei viciado, as pessoas exageram...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É impressionante como não existem boas drogas no Brasil, eu só encontrei maconha boa uma vez (tinha cheiro de flor) mas logo perdi o contato com o cara. Mesmo assim não era nada comparado com o que experimentei fora do Brasil cocaina então um horror total é impressionante que assim como café alimentos vinho bebidas educação e saúde pagamos mais por um produto pior, nem nisso o Brasil difere. Os xovens de hoje usam mais remédios psicoativas pra tratar ansiedade que drogas é a mão pesada do big pharma que deixa todo mundo doente

      Excluir
    2. Verdade! E ainda mandam o pó bom daqui pra lá e a gente só pega o resto do resto!
      Maconha nem se fala, só três pra um! Parece bosta de vaca!
      E doce, uma vez tomei um que chamava "borradinho", não deu nada, uma merda!
      Aqui no Brasil, só confio em chá de cogumelo, que é natural e vem da bosta de vaca de graça em qualquer pasto!
      Tem que legalizar tudo, assim a qualidade vai ser obrigatória e não vai haver mais a ridícula guerra às drogas, que é o símbolo da hipocrisia deste país e ceifa vidas à toa ( e muito mais do que o suposto ônus do usuário).

      Excluir
    3. Colômbia x Peru x México.
      Se você consome fora desse triângulo, é exportação.
      Seja onde estiver.

      Excluir
  12. Eu era bem pequenininho quando passou Dancin'Days, mas lembro que fiquei fissurado naquelas meias brilhantes! Era meu sonho inconfessável de infância, nunca realizado...E Vale Tudo foi definitivamente a melhor novela brasileira "evah", Fagundes no auge de sua beleza viril....hummmm

    ResponderExcluir
  13. Valeu tudo mesmo, obrigado Gilberto!

    Ver o casal de personagens Laís e Cecília na televisão, felizes e bem resolvidas na sua pousada de Búzios, me deu um grande alento aos 14 anos de idade, no Centro Oeste de Minas.

    A confirmação de algo que eu já suspeitava, de que não havia NADA de errado comigo, que era só ter calma que no momento certo as coisas se ajeitariam e eu poderia viver minha sexualidade de forma plena.

    Mais uma vez, obrigado Gilberto Braga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E daí?Casal de lésbicas e elas não se
      beijavam na boca nem um pouquinho????
      Coisas da TV brasileira.kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Em pleno 1988?

      Um beijo apenas tiraria o foco do mais importante, sem acrescentar nada. O texto deixava claro que elas eram um casal e levantou uma discussão muito importante na época, sobre a herança dos casais gays.

      Quando uma delas morreu num acidente de trânsito, a Cecília (Lala Deheinzelin), o irmão mau-caráter, Marco Aurélio (Reginaldo Faria), queria ficar com a pousada e expulsar a parceira dela, Laís (Cristina Prochaska).

      Todo mundo achou uma injustiça tremenda (inclusive a opinião pública), e numa virada da trama a mocinha Solange Duprat (Lídia Brondi) conseguiu achar um podre do vilão e o fez mudar de idéia.

      É pouco, aos olhos de hoje? Chega a parecer pueril?
      Ok, mas há 33 anos até pequenas vitórias como essa eram comemoradas pelo grêmio e fizeram toda a diferença.

      Viva Gilberto Braga!

      Excluir
    3. Anônimo27 de outubro de 2021 20:07..... Representatividade...

      Excluir
    4. CASAL GAY OU LÉSBICA SEM BEIJO É PURO
      MORALISMO PRA AGRADAR CRENTE OU
      CATÓLICO DA OPUS DEI.É O TIPICO
      MORALISMO BRASILEIRO-DEPOIS NÃO
      SABEM PORQUE TEM GENTE QUE GOSTA
      MAIS DE SERIE AMERICANA OU FILME
      ARGENTINO QUE NOVELA BRAZUCA.

      Excluir
    5. Hoje em dia tudo bem,mas em 1988 não dava ,em 1988 nem as séries dos americanos que apesar da origem puritana de fanáticos calvinistas e batistas,que são mais radicais que os evangélicos daqui hoje em dia pagam de moderninhos ,mas nessa época nem eles eram os moderninhos que são hoje,não tinha beijo LGBT nem nas séries de lá,isso só começou a partir dos anos 90

      Excluir
    6. Mas se você quiser ver beijo gay e lésbico em uma produção nacional dos anos 80,assista o filme "Onda Nova" de Ícaro Martins

      Excluir
    7. Assista ao* filme Onda Nova,eu assisti no Canal Brasil algumas vezes,apesar da produção de baixo orçamento como é de praxe até hj no cinema nacional,só as comédias produzidas pela Globo Filmes possuem um melhor orçamento e um elenco estelar, mas eu me surpreendi como o roteiro já falava de futebol feminino em uma época em que isso quase não existia e mostrava cenas de beijo lésbico, além de uma cena de pegação gay quase no final e quando existia ditadura militar, o que anula ainda mais esse discurso hipócrita do Bozo e seus gados que naquele tempo só tinha "moral cristã,bons costumes "por isso que eu só contra querermos calar eles a força,como foi o caso do Maurício,a própria história nos dá a razão, a postagem do Maurício só irá divulgar ainda mais o nosso Superman LGBT, quem sabe não conseguiremos bater recorde de vendas.

      Excluir
    8. Mas casal gay sem se beijar é igual filho
      de puta chamado Junior ou enterro de anão.
      #prontofalei.

      Excluir
    9. Na pornochanchada dos anos 70/80 tem bastante cenas lésbicas e até algumas cenas de sexo entre homens, vide "Giselle" (1980).

      Excluir
  14. Gente quanta bicha amargurada! Foi o fechamento da The Week??? O que é isso? Que mágoa de caboclo é essa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O velho e eterno complexo de vira-lata! As finas e nobres todas com nojinho do artista brasileiro. Antigamente era assim também, a diretora da escola onde eu estudava dizia que só via novela quando passava em frente ao quarto da empregada.

      Excluir
    2. The Week??? Não neças a todos pela sua régua!!!
      G-

      Excluir
    3. Um episódio de Arquivo X será sempre melhor
      que qualquer novelinha tupiniquim.E É SÓ.

      Excluir
    4. Não sou Policarpo Quaresma ou o Bozo pra
      ficar vestido de verde e amarelo.

      É RIDICULO!!!!!!!!!!

      Excluir