sexta-feira, 15 de outubro de 2021

DISCO MUSIC DE ELEVADOR

Donna Summer é uma das minha cinco cantoras favoritas de todos os tempos. Nem tinha como não ser: foi a mulher que mais vendeu discos no undo na segunda metade dos anos 70, quando eu era adolescente e começava a consumir música para valer. Entre 1975 e 1979, ela emplacou quase duas dezenas de hits, que tocam por aí até hoje. Mas será que sua vida rendia um musical? Não: apesar de ter morrido relativamente jovem, aos 63 anos, Donna Summer não enfrentou enormes dificuldades ao longo de sua carreira, nem tinha uma personalidade muito complexa. Mas isto não desanimou a Broadway em homenageá-la com um espetáculo "jukebox", reunindo seus maiores sucessos. "Summer" foi montado no Brasil por Miguel Falabella e agora volta ao cartaz depois de um hiato de um ano e meio, causado pela pandemia. Ontem finalmente fui assistir, e é com dor no coração que digo que não gostei muito. O problema central é o libreto. A trajetória de Donna é contada de maneira confusa, sem ordem cronológica. Meu marido, que não conhecia nada, boiou bonito. Tampouco há razão para dividir a personagem em três, em diferentes idades. As músicas vão brotando a esmo, sem contexto, tentando ilustrar diferentes passagens da vida dela. Mas o maior imbróglio que Donna protagonizou é ignorado: na década de 1980, em pleno fervor cristão, ela atacou os gays, seu público mais fiel. Teve discos queimados em praça pública e nunca mais se recuperou. Para piorar, o cenário da versão brasileira é escuro e horrendo. Parece inspirado nos elevadores do shopping Eldorado. Salva-se o elenco. Karin Hills confirma a grande estrela que é como a madura Diva Donna, mas minha favorita é Jennifer Nascimento, que faz a Disco Donna, no auge da fama. É pouco. Minha memória afetiva merecia mais.

13 comentários:

  1. O que esperar de Miguel falabela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, porque ele já fez coisas sensacionais.

      Excluir
    2. Miguel Falabela para mim sempre será Caco Antibes.
      Nenhuma de suas novelas e séries me cativaram.
      No quesito musicais, ele e Cláudia Raia foram grandes expoentes, mas no geral, só em traduções.
      Não me vem à cabeça nada inédito realizado pelos dois nesse sentido.

      Excluir
    3. Isso é que dá só conhecer atores só pelo
      que fazem na TV.Falabella é muito mais
      do que só o Video Show-que,com ele,era
      bom a beça,Tony.

      Excluir
    4. Isso pq vc não o viu como Miro em Selva de Pedra, como Raul em A Viagem, ou como o Mauro de Cara & Coroa, o Miguelito faz drama muito bem ,além disso ele é do nosso vale e apesar de não gostar de expor os seus relacionamentos,o que é um direito dele, eu vibrei quando ele zombou do escroto do Infeliciano no revival do Sai de Baixo em 2013 em uma cena em que o Caco Antibes confessa ter tido relações homossexuais em uma prisão da Dinamarca e manda um "Chupa Feliciano" e eu amo os musicais do Falabella, apesar de serem traduções são fantásticos .

      Excluir
  2. Só o Tony mesmo para gostar desse cara. Tudo o que ele faz tem cara de "Sai de Baixo" ou de algum subúrbio carioca do Projac com os personagens falando "ar nêga"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm gosto, eu amo o Falabella, deixe de ser preconceituoso com o subúrbio carioca, o Falabella nasceu em São Cristóvão e cresceu na Ilha do Governador, ambos os bairros ficam subúrbio carioca ,natural que use em suas obras expressões típicas do local que cresceu e não é vergonha nenhuma ser do subúrbio, pelo contrário é um orgulho ele ter tido sucesso na carreira e não esquecer suas origens

      Excluir
  3. Eu desisti de assistir o musical depois que vi o trailer.
    Pobre, frio e caro.
    Você só confirmou o que eu tinha achado.
    E olha que eu também amodoro Donna Summer.

    ResponderExcluir
  4. Duas B😴st😬s esses musicais, de cima e de baixo. Serve de homenagem, talvez.
    Sempre preferi Diana Ross mas escutar Donna é pular para outra dimensão, é uma viagem lisérgica, ela é fantástica.
    Mas fiquei na curiosidade qual suas 5 preferidas?
    Donna, Nina Simone, quem mais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em ordem alfabética: Dalida, Donna Summer, Grace Jones, Kate Bush e Madonna.

      Excluir
    2. Não sei se o Tony viu a capa do disco de Diana
      Ross-Diana Extended de 1994.Ela,usando botas
      pretas me fez perder a conta que quantas
      "homenagens" fiz pra ela.Diana é muito
      gostosa pra caralho!!!!!

      Excluir
  5. Só de ver duas atrizes negras brilhando desse jeito, já emociona!

    ResponderExcluir