sexta-feira, 22 de outubro de 2021

A MOSTRA DE MÁSCARA - 2

Já foram feitos dezenas de filmes sobre a ditadura militar argentina, mas nenhum como "Azor". Aqui não tem cenas de tortura, ninguém foge dos milicos, nenhuma violência explícita. O que há é um "private banker" suíço e sua mulher visitando clientes em Buenos Aires em 1980, numa sucessão de drinques, festas e banhos de piscina. Aos poucos, o banqueiro percebe que todo mundo sabe (e esconde) alguma coisa. A princípio ele se escandaliza, mas não tarda para o dim-dim falar mais alto. Negócios são negócios, e a Suíça sempre lavou mais branco. O longa de Andreas Fontana entra em circuito em novembro, mas duvido que faça sucesso por aqui: pouca coisa de fato acontece. Só nas entrelinhas.
Quantos filmes do Tchad você já viu? Haha, eu já vi dois, ambos do mesmo diretor: Mahamat-Saleh Haroun. Depois de "Um Homem que Grita", no distante 2010, hoje foi a vez de "Lingui", que fez sucesso no festival de Cannes mas saiu de mãos abanando. As protagonistas são uma mãe solteira e sua filha de 15 anos. A garota engravida e é expulsa da escola. A princípio, a mãe é contra que ela aborte, mas tarda a mudar de ideia. Segue-se uma luta para conseguir um lugar seguro e confiável para abortar num país onde a prática é ilegal e moralmente confiável. Sem uma única cena sobrando, "Lingui" mostra o cotidiano de um dos países mais pobres da África, duríssimo especialmente para as mulheres. Mas elas estão descobrindo que juntas conseguem vencer o patriarcado, inclusive lá.

Um comentário:

  1. Bom dia, Tony Querido. Sabemos que nunca falta pauta para você! E sempre seleciona muito bem. Mesmo assim, vai mais uma https://www.bandab.com.br/nacional/apos-negar-farmacia-do-sul-admite-que-audio-homofobico-e-de-funcionaria-da-rede-ouca/

    Abraços.

    ResponderExcluir