sexta-feira, 10 de setembro de 2021

SEXTOU EM MAORI

Se Lorde fosse americana e regravasse algumas faixas de seu novo álbum em navajo ou hopi, sem ter uma gota de sangue indígena nas veias, seria um forrobodó. A cantora seria acusada de apropriação cultural para baixo. Mas a cultura maori está tão impregnada à da Nova Zelândia que todo mundo está achando lindo o EP "Te Ao Marama", que traz cinco músicas de "Solar Power" na língua dos primeiros habitantes do país (ajuda o fato de um em quatro neozelandeses ser legalmente maori, pois basta ter um tataravô da etnia para sê-lo). Eu também adorei o resultado, acho que até mais do que o original. O idioma maori soa como japonês para os meus ouvidos desacostumados, e seu monte de vogais combina perfeitamente com o clima estival que Lorde quis dar ao seu novo trabalho. Perfeito para ouvir na rede em frente ao mar, se eu tivesse uma rede em frente ao mar.

15 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Mas não é difícil distinguir admiração, respeito e consideração de apropriação cultural.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hummm existem estudos hoje a respeito disso, as coisas não são tão simples e maniqueístas como o Tony descreve.

      No Brasil, um exemplo parecido seria Daniela Mercury, que ficou rica se utilizando da cultura negra daqui de Salvador.

      Excluir
    2. Eu escrevi várias vezes, aqui e no F5, que era um escândalo que as três maiores estrelas da Bahia - o estado mais negro do Brasil - fossem brancas: Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Claudia Leitte. Não é “culpa” de nenhuma delas, todas talentosas (Claudinha nem tanto, hehe) e sim do racismo estrutural.

      Eu me espantava inclusive pelo fato de o Brasil não ter, até pouco tempo atrás, uma superstar negra e jovem. Hoje isto mudou, porque temos Iza e Ludmilla. Mas ainda falta muito.

      Excluir
    3. Nossa! Nunca mais tinha ouvido falar da Iza. Vou procurar saber dela.

      Excluir
    4. Daniela Mercury é progressista e canta MPB
      desde adolescente.Iza e Ludmilla acham que
      são Rihanna e Beyonce.Um dia,quem sabe,
      elas chegam lá.....em 3021.

      Excluir
    5. Pois procure, 15:36. Vc tá bem desinformado

      Excluir
  2. Tal como tem gente que se acha italiana no Brasil porque os tataravós eram...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendi! O que é lei na Nova Zelândia tem com gente que se acha italiana?

      Excluir
    2. João vc não deve conhecer a história do Brasil, apesar de muitas famílias terem miscegenação indígena os brancos do Brasil foram importados da Europa quando acabou a escravidão, pra ‘branquear’ o Brasil, milhões de famílias vieram no fim do século 19 pra ocupar o lugar dos negros e constituir a classe média branco, as pessoas que se acham italianas em SP, portuguesas no Rio e no nordeste, alemãs no sul o são 140 anos não é tanto tempo assim em termos históricos.

      Excluir
    3. João acho que vc não entende muito de antropologia também, a teoria’clovis first’ já foi derrubada faz tempo, o indígena que veio da Ásia e ocupou todo continente provavelmente chegou pelo mar e está aqui muito antes da última era do gelo, e segundo a antropóloga Niede Guizon antes do Asiático os primeiros brasileiros (existem provas vá até a serra da capivara) foram os africanos, pescando depois de muitas secas na África a corrente marítima traz pro nordeste brasileiro isso há 200 mil anos! O invasor europeu chegou muito depois ninguém se sente superior por ser italiano alemão (exceto na caipirice que é o sul do Brasil) ou português é apenas um fato, somos imigrantes o verdadeiro brasileiro é indígena nós não somos mais brasileiros que europeus. Eu acho que tenho uma cara mais indígena que europeia tenho o olho puxado de indígena muita gente acha que sou mestiça quando vou pra Europa todos acham que sou italiana sem exceção estão certos minha família veio da Itália eles reconhecem porque estão acostumados com os italianos miei sangue indígena é 1% mas tenho muito orgulho dele mas não deixo de também ser italiana e carregar meu passaporte europeu

      Excluir
    4. Anônima 13 de setembro de 2021 09:23 e 09:54 - Contando história dizer que tem um passaporte europeu. Olha aí todos os benefícios que os europeus miseráveis da época tiveram em detrimento a população que já existia aqui no Brasil.

      Excluir
    5. Não só conheço, como faço doutorado em história. Mas não entendi bem seu ponto.

      A questão é que a Europa não acha que vocês sejam europeus. Vocês podem se achar, mas não são. Podem ter passaporte europeu, mas não são.

      São brancos mesmo. Brasileiros.

      Beijocas.

      Excluir
  3. Na Nova Zelândia é lei o que Tony?

    ResponderExcluir
  4. João 13 de setembro de 2021 21:11 - Que soco na cara da anônima que se acha europeia! Ela é que não conhece a história do Brasil.

    ResponderExcluir