segunda-feira, 6 de setembro de 2021

OS PARATLETAS DO SUCESSO

Quando eu trabalhei na filial brasileira de uma produtora internacional, passamos boa parte de um ano tentando vender uma série documental sobre atletas paralímpicos. O projeto era bacanérrimo. Pintava os caras como autênticos super-homens, capazes de altas performances mesmo enfrentando a deficiência e a falta de recursos. Mas o maior obstáculo é mesmo a indiferença da sociedade. Ninguém se interessou pelo nosso programinha, que jamais saiu do papel. A piada interna era que ele andava mal das pernas... Cinco anos depois, o Brasil teve mais um desempenho estelar nas Paralimpíadas de Tóquio, com 22 medalhas de ouro e um honroso sétimo lugar no cômputo geral. Durante duas semanas, gente estropiada deu as caras na TV, rompendo a invisibilidade a que costuma estar relegada. Também houve um avanço importante este ano: os comentaristas pegaram mais leve com as narrativas chorosas de superação. Claro que ela existe e é importante, mas o esporte paralímpico é muito mais do que um quadro no programa do Luciano Huck. A maioria desses atletas também seria campeã se não tivesse nenhuma deficiência: eles nasceram para o esporte, e nesse ponto são idênticos aos ditos normais. O ideal seria não voltar a falar deles apenas nos Jogos de Paris, mas isso talvez seja pedir demais. Tirando o futebol, nenhum esporte fica o tempo todo em evidência.

7 comentários:

  1. Os esportes mais populares matam a atenção dedicada aos demais esportes. Provavelmente nos USA ninguém dá a mínima para tênis de mesa, esportes paralímpicos então nem se fala. É assim em tudo mundo. Uma das saídas, é uma cidade do interior adotar uma modalidade. Geralmente essas cidade têm pouquíssimos atrativos de lazer e cultura, e esses eventos esportivos acabam mobilizando a população. A cidade de Sertãozinho era a capital brasileira do hockey de patins, o ginásio está sempre cheio, o público adorava. Assim fizeram outras cidades, com modalidades como basquete feminino, por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em muitos dos portais de notícias dos EUA nem o quadro de melhadas (modificado para os EUA ser o primeiro) apareceu na página inicial durante essa paraolimpíadas.

      Excluir
    2. Na próxima Paraolimpíada,Jair,Flávio,Carluxo,
      Eduardo e Malafaia disputarão no Futebol de 5,
      categoria débeis-mentais e cegos.
      EEEEEEEEEEEE DO BRASIIIIIIIIIIIIIIIIL!!!!!!!

      Excluir
  2. Para começar os jogos paraolímpicos deviam ser feitos junto com os jogos normais. todos teriam a mesma visibilidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente!

      Excluir
    2. Frases que começam com "para começar ", "vou explicar " ou "é simples " normalmente precedem alguma ideia não muito inteligente.

      Excluir
    3. Comentários que criticam frases que começam com "para começar" normalmente procedem de comentaristas que não são tão ignorantes a ponto de acharem que sabem mais que os outros.

      Excluir