segunda-feira, 6 de setembro de 2021

LE BEL BÉBEL

Tecnicamente, Jean-Paul Belmondo era feio. O nariz e os lábios volumosos lhe davam um ar de personagem das aventuras de Asterix, ainda mais se comparado a seu contemporâneo Alain Delon. Mas, na tela, Bébel arrasava: magnético, sedutor, irresistível. Deixou uma vasta filmografia, que vai de obras de auteurs como Goddard e Resnais ao mais descarado cinemão comercial francês. Estava afastado há anos, depois de um AVC, e hoje se foi aos 88 anos. Belmondo estrelou um dos meus longas favoritos, "Le Magnifique", de Philippe de Brocca. E confirmou uma verdade eterna: só é feio quem se acha feio.
Cata só esta sequência profética de "O Homem do Rio", rodada numa Brasília ainda em obras. Belmondo claramente interpreta a Constituição brasileira, fugindo dos bolsominions que querem destruí-lo. Mas eles não são páreo para sua agilidade, esperteza, charme e elegância!

4 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Isso você só encontra aqui.
    Dos assassinos de "A sangue frio" a Belmondo, BSB,foi sonho de muita gente e nosso maior pesadelo.

    ResponderExcluir
  2. Que coisa linda essa Brasília em construção, essa sequência sem trilha sonora de ação!

    Me deu vertigem, mas valeu cada segundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo cheio de barro… E o pior que esse barro está lá até hoje as vistas.

      Excluir
  3. Não achava ele feio não, será que tenho gosto exótico!

    ResponderExcluir