segunda-feira, 23 de agosto de 2021

MESTRA DE NINGUÉM

Meu pódio das melhores séries do ano está ficando apertado. A mais nova medalhista é "The Chair", cuja primeira temporada chegou na sexta na Netflix e já foi devidamente devorada por mim (são só seis episódios, de meia hora cada). Trata-se da primeira produção assinada por David Benioff e D. B. Weiss, os showrunners de "Game of Thrones", e criada pela mulher do primeiro, a atriz Amanda Peet. A locação soa meio distante do nosso rame-rame cotidiano - uma imaginária universidade da Ivy League, Pembroke - mas "The Chair" me atingiu tanto politica quanto pessoalmente. O campus, é claro, é dominado pela garotada que se ofende com qualquer coisa e acha que o mundo inteiro está errado, menos ela. O progresso parece chegar quando a primeira mulher e a primeira não-branca assume a a cátedra de inglês e literatura , no que prometia ser um emprego tranquilo. Mas a acadêmcia vivida por Sandra Oh, a atriz mais adorável do planeta, até que tenta fazer a coisa certa, mas se vê emparedada por dois lados. De um estão os alunos, que acham que um professor que fez "heil, Hitler" em sala de aula para ilustrar um ponto é um neonazista que merece ser defenestrado. Do outro está a velha guarda, com ideias emboloradas e privilégios injustificáveis. Em meio a esse cabo de guerra, a protagonista ainda tem que lidar com a filha adotada, que decidiu que odeia a mãe. Ela vive os dilemas da meia-idade e consegue desagradar todo mundo. Com diálogos afiadíssimos, um elenco dos sonhos, muitas risadas e algumas lágrimas, "The Chair" conclui sua trama rapidamente, sem deixar gancho para uma segunda temporada. Que agora eu rezo para que aconteça.

6 comentários:

  1. Eu voava de Air Canadá só por causa dela.

    ResponderExcluir
  2. A Sandra Oh é realmente a atriz mais adorável do planeta. Até os vídeos de bordo da Air Canadá ficavam adoráveis quando ela estava neles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viajar de avião para o exterior...
      Ainda deve levar um bom tempo até se tornar corriqueiro de novo.
      Ao menos, para mim.

      Excluir
  3. Essa Sandra tá virando a Susana Vieira.Uma chatonilda
    que virou uma arroz de festa.Vade retro!

    ResponderExcluir
  4. Te indico a série the sin e veneno , são ótimas!

    ResponderExcluir
  5. Terminei de assistir, Tony. Simplesmente divino, roteiro inteligente, aborda diversas questões e coloca na berlinda o velho "sou responsável pelo que escrevo (ou digo ou faço), não pelo que você entende'. Questão de gênero, de raça, de gerações, muitas coisas abordadas que precisaria de um post longo sobre o assunto. Uma das melhores estreias da plataforma em 2021.

    ResponderExcluir