quinta-feira, 10 de junho de 2021

EUROPEUS PERO NO MUCHO

Todos os países mentem para si mesmos. Os EUA se acham a mais perfeita democracia do mundo, e isto impede que eles se livrem de velharias como o Colégio Eleitoral. O Brasil inventou que é um paraíso onde as raças convivem em harmonia, e isto faz com que muitos neguem a existência do racismo estrutural. A Argentina se julga um país europeu offshore, onde todos são brancos e civilizados. As razões para esta autoilusão remontam ao século 19, quando o país começou a ser povoado para valer, e à primeira metade do século 20, quando a Argentina era uma das maiores economias do mundo e tida como uma nação desenvolvida. Essa branquitude introjetada de vez em quando aflora em racismo contra a vizinhança: os brasileiros volta e meia somos chamados de macacos pelos nossos supostos hermanos. Ontem aflorou na boca do presidente Alberto Hernández, que é de esquerda, mostrando que essa mitologia equivocada não conhece ideologia. O cara só queria puxar o saco dos espanhóis, e acabou criando um incidente internacional. Deu até munição para o Biroliro, um racista notório, posar de paladino da diversidade. Pelo jeito, só nos resta correr de volta para a selva.

21 comentários:

  1. Pior que o século XX foi de uma grande decadência atrás da outra pra Argentina. Eles começaram fazendo parte do clubinho de nações do 1º mundo e hoje pedem pesos na calçada da porta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No final do século XIX eles eram a segunda maior economia, já no INÍCIO do XX começaram a cair mas ainda mantinham o status de país desenvolvido

      Excluir
    2. País grande e agrário do início do século XX, perdeu o bonde da história.

      Excluir
  2. Existia na Europa o termo "rico como um argentino " no começo do século XX, época em que o país dominava o mercado internacional de trigo e carne. Isso gerou uma aristocracia refinada que parece que impregnou a alma dos perebas decadentes em que os argentinos se transformaram. Têm vergonha da sua origem indígena e da enorme quantidade de pobres que existe. A mulher do Julio Grondona, ex presidente da Associação de Futebol Argentina, odiava o Maradona e o chamava de "aquele índio ".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A parte indígena da Argentina Jujuy é um dos lugares mais lindos que já conheci, tenho orgulho da minha descendência indígena, considerado os nativos americanos infinitamente superiores culturalmente ao lixo branco que veio até o continente roubar terra, militarmente então nem se fala eles já peitaram uma guerra com a Inglaterra hj perderiam uma guerra contra a Bolívia ou Venezuela que destruiria o país de tanto mísseis que tem. Já os racismo DAZELITE isso é mundial mas muito pior nas Américas até porque nossas elites dependem do racismo pra se manter onde estão a exploração absurda de outros seres humanos só pode ser explicada implicitamente com o racismo, já citei aqui diversas vezes a Gisele todos sabiam da plástica no peito do uso de drogas ainda assim a mídia se animou muito em promove-lá nunca nem contestando o fato dela não ter terminado a sétima série e que exemplo isso é para meninas que tentamos educar aí vc para pra pensar porque? Em um concurso de beleza disputado uma NEGRA ganhou e a Gisele ficou em segundo lugar e o país dos 400 anos de escravidão não pode deixar que o cidadão médio veja os negros ou negras como seres humanos, funciona como eufemismo histórico (às famílias escravocratas ricas até hoje por causa da escravidão nunca pagaram indenização) e justificativa pra quando alguém entra numa favela tipo Jacarezinho e mata 28 o cidadão médio achar que tá ok 👍🏼 fora a indústria da bala isso é outra história o dinheiro dos nossos impostos financia a matança

      Excluir
    2. Os ensinamentos de Karl Marx foi a invasão do continente que permitiu a acumulação primitiva do capital que gerou o capitalismo a revolução industrial e os “ricos” que temos hoje. Sem o racismo essa galera não conseguiria segurar uma revolta ou uma mudança social profunda, taí como desde pequenos aprendemos a diferenciar o que é bonito e feio quem tem cara de bandido ou mocinho a admirar o explorador e odiar o explorado, psicologia nível 1 não à toa os ricos brasileiros apoiaram o Bozo ou os ricos argentinos são o que são a vida deles depende disso

      Excluir
  3. Brasil é um lixo mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Odeio ter nascido nesse país de merda.

    ResponderExcluir
  5. Jamais esquecer que a Argentina criou uma cidade pra receber nazistas depois do segundo lugar mundial. San Martin

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Péron também de esquerda treinou com militares alemães e italianos quando vieram pedir ajuda pagaram em ouro e ele aceitou tanto a Argentina qto o sul do Brasil são um celeiro de nazistas

      Excluir
    2. Aham, Perón nunca foi de esquerda. Ou foi tanto quanto Getúlio Vargas no Brasil: ambos deram direitos à classe trabalhadora, mas eram populistas. Tanto que Perón deu guarida a vários nazistas em fuga. Muito mais tarde, depois de sua morte, o peronismo se fragmentou em diversas correntes, entre esquerda e direita.

      Excluir
  6. Elementar, Buenos Aires está a anos luz de São Paulo. Dá gosto passear pela capital argentina. Uma delícia de cidade, de fato, mais majestosa que muitas capitais europeias. São Paulo é um esgoto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida é mas as pessoas fazem de SP um lugar interessante, a cidade é um lixo porque nossa elite escravocrata sempre se lixou pra construir um país só pensam em lucrar a qq custo, juros, aluguel, alguém já foi no mercado e viu o preço dos alimentos? Isso é o agronegócio desde 1500 as mesmas famílias roubando terra matando. Com a nossa beleza natural o Brasil era pra ter as cidades mais lindas do mundo.

      Excluir
    2. Sem dúvida, Buenos Aires é linda! E o povo lê muito mais do que nós brasileiros.

      Excluir
  7. Mesma mentalidade de muita gente do Sul do Brasil. Tão desenvolvido que não conhecem chuveirinho no banheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sul é mais educado e mais desenvolvido, isso não tem como negar, mas está a léguas de um primeiro mundo.

      Excluir
  8. Imagino o ódio de alguns deles em saber que a artista mais conhecida por muitos quando se fala em Argentina é a Mercedes Sosa, uma indígena, e não o Piazzolla, a Martha Argerich ou o Carlos Gardel.

    ResponderExcluir
  9. Agora o que alguns não entenderam aqui é o seguinte: não gostar de ter nascido no Brasil é uma coisa (eu também gostaria de ter nascido em outro lugar), outra é alguém se sentir no direito de menosprezar uma região pela sua origem e composição sócio-cultural. O que é um absurdo. O presidente em questão também desdenhou da formação indígena do México. Aí é de se pensar: os descendentes dos índios mexicanos nos presentearam com Carlos Santana. Já os branquelos da Televisa nos deram o quê? Histrionismo e excentricidade?

    ResponderExcluir
  10. O Mio Babbino Caro
    Que horror que pobreza essa mesma discussão. Jamais vou deixar de ouvir Mercedes Sosa e Martha Argerich ou deixar de admirar o futebol de Maradona. O que não dá para suportar é a narrativa que toda aquela escória europeia que chegou nas Américas, eram superiores. Eram superiores em atos de crueldades e dominação, vergonhosa, colonial.

    ResponderExcluir
  11. Como disse a Sueli Carneiro, entre a esquerda e a direita eu sigo sendo preta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas só a esquerda defende os pretos.A direita
      quer a volta da senzala pra ontem.

      Excluir