quinta-feira, 10 de junho de 2021

REPÚBLICA DOS ASSASSINOS

Quando Marielle Franco foi assassinada, logo apareceu gente dizendo que aquilo era um acerto de contas do tráfico. O crime era tão hediondo e tão imperdoável que a própria extrema-direita miliciana que a vereadora combatia teve que inventar uma narrativa. Kathlen Romeu não tinha atuação política, mas sua morte também é tão absurda - baleada no auge da beleza, grávida de quatro meses, visitando a avó na favela de onde saiu por causa da violência - que o gado entrou em parafuso. Este é o resultado da repressão policial desenfreada: mais duas vítimas inocentes, enquanto o narcotráfico nem sente cosquinha. Tem minion dizendo que, em contraste com a repercussão do assassinato de Kathlen, ninguém se importa com os policiais abatidos - o que é de uma desonestidade ímpar, porque a morte eventual faz parte do job description da polícia. Kathlen era só uma transeunte, não estava ali para matar ou morrer. Pior ainda são os que atacam nas redes sociais a família da moça. Você leu direito: tem boçal avançando sobre pais que perderam sua única filha e seu único neto. Que merda de país é esse?

15 comentários:

  1. Atacaram também a Farm, onde a moça trabalhava, por fazer uma campanha em benefício de sua família... Só piora, esse país virou um pesadelo sem fim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atacaram a Farm? ATACARAM A FARM? Quem atacou? Por que?
      O cara lê sobre um crime hediondo desse, e o que ele comenta é "atacaram a FARM", uma empresa que agiu de maneira inescrupulosa para capitalizar de forma escrota em cima do "vidas negras importam".
      Atacaram a FARM. Atacaram o Carrefour tb? Realmente, o Brasil merece o Bolsonaro!!!

      Excluir
    2. Dizer isso é de uma baixeza de caráter sem fim. A ação da Farm foi uma das piores da história, não só da moda, mas do mkt em geral. Mostra bem o mundo de fantasia e ilusão em que parte do Brasil

      Excluir
    3. Claro, a família que se beneficiaria com a ação, não vai receber mais nada, pois afinal, as militantes da internet, vão fazer o quê, exatamente? Militar na internet, é óbvio...Ajudar em algo prático a família da vítima, nem pensar, né?

      Excluir
    4. Teria tantas formas de fazer isso, atrair engajamento e ajudar de fato a família. A empresa poderia fazer uma doação de um calor x e levantar uma vaquinha on-line, com todo o alcance e influência que tem. Mas não, vamos lucrar com a morte de uma jovem grávida

      Excluir
    5. Fale por vc, quem está militando na internet é vc, e aaaaaaa FARM!

      Eu luto é na vida, para que pessoas como eu e a "moça" não morramos mais dessa forma monstruosa.

      Ah, a família que está vivenciando esta tragédia, já repudiou categoricamente a "ação sobre a qual ela se beneficiaria"! Deve ser pq eles estão militando na internet tb...

      Gloria a Deus que isso seja sinal de novos tempos, e a negrada esteja se preparando para uma revanche no mundo pós-pandemia, pela Kathlen, Agatha, João Pedro, Miguel, as três crianças desaparecidas que sequer têm direito aos nomes (isso só acontece com indigentes ou pretos, no Brasil palavras quase sinônimas), e tantos outros do norte ao sul, cujas mortes formam apenas um número, sempre impessoal, mas sempre dolorido e trágico para os seus que ficam.

      Para o pessoal daaaa Faaaarmmmm tem tb o George Floyd... para quem milita na internet esse nome é muito simbólico, por que será?

      Excluir
  2. Nossa! Não existe guerra as drogas os traficantes estão no congresso a polícia reprime mata aterroriza pra fazer um controle social dos pobres para que esses não avancem contra o interesse dos opressores seja democraticamente ou não

    ResponderExcluir
  3. 65 mil negros por ano o estado mata

    ResponderExcluir
  4. Atacaram a Farm? Ahhh Passe amanhã, viado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já comeu seu pão com ovo hj?

      Excluir
    2. Você não conta mais viado seu Universo Perfeito faliu, já era.

      Excluir
    3. Que universo perfeito nada, isso um coitado!

      Excluir
  5. Nem mesmo quando as UPPs passavam a impressão de que poderiam ter dado certo, jamais a polícia conseguiu manter presença nas favelas do Lins que se esticam até a Grajaú-Jacarepaguá. Pense no Hospital da Marinha Marcílio Dias, cercado por favela em 3 dos seus 4 lados. Trabalhar nas guaritas dali deve ser punição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu não sabe o que acontece nas quebradas de SP,cara.

      Excluir
    2. 17:30
      Que mané polícia em Lins, Mané, ainda tá nessa, as decisões são todas no Congresso e a bancada evangélica que o diga, Alice.

      Excluir