domingo, 6 de junho de 2021

ARMÁRIOS SÃO PARA GUARDAR COISAS

Muita gente achou que o comercial das Casas Bahia com Gil Nogueira e Lucas Penteado seria para o Dia dos Namorados. A confusão é aumentada quando todas as pessoas que surgem em cena além dos dois ex-BBBs parecem formar casais homoafetivos. Mas o filme, na verdade, incentiva a bicharada a sair do armário - e também vende armários, o que é perdoável para uma loja de móveis. Além de estrear no mesmo dia da Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo (que foi virtual pelo segundo ano seguido), o anúncio também serve para melhorar a imagem das Casas Bahia, abalada pelos escândalos sexuais de Samuel Klein, o fundador da empresa, e seu filho Saul.

4 comentários:

  1. Até quando a causa LGBT vai servir pra limpar empresas com a moral baixa.

    ResponderExcluir
  2. Por trás de tudo, uma rede de pedofilia, estupro, exploração, abuso, insanidade. O poder a serviço da perversão com a conivência de sabe-se lá quantos funcionários... Daí o cinismo habitual numa propaganda que transforma uma luta séria, sensível em algo útil para amenizar os escândalos em torno da empresa e da família de psicopatas. Tudo termina na máquina de moer da hipocrisia. Não adianta buscar qualquer coerência.É o fim da ilusão mais tênue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conivência e acobertada não só por funcionários ou os eternos inocentes tem dúvidas de que a história toda jä era conhecida.
      G-

      Excluir
  3. A misoginia que reina no Brasil explica a durabilidade e a impunidade dos Kleins, João de Deus, feminicidios etc.. O horror do que ocorre com Luísa Sonza é fruto desta misoginia, cultivada por mulheres também. A coisificação da mulher. Os homens são "meninos", o "garoto", a vítima... Contardo Calligaris dizia que o Brasil não é machista, é pior. É uma sociedade misógina.

    ResponderExcluir