segunda-feira, 21 de junho de 2021

CANDELABRO ITALIANO

Quando eu penso no cinema da Itália, me vêm à cabeça comédias picantes, dramas neorrealistas e muito Fellini. Mas neste fim de semana eu vi dois longas que passam longe dos estereótipos. O primeiro, tecnicamente, é uma produção americana falada em inglês: "Luca", o novo desenho da Pixar, que acaba de chegar ao Disney +. O protagonista é um jovem monstro marinho que tem a capacidade de adquirir aspecto humano quando vem à terra firme. Numa pequena cidade do que parece ser o litoral da Liguria, ele fa um grande amigo, se interessa por uma garota e tenta manter seu segredo a qualquer custo. A história bonitinha é realçada por um visual deslumbrante e uma trilha de clássicos pop italianos, que não têm nada a ver com a trama mas servem para dar sabor local. Agora, não tem nada de gay: ignore os comentários de que os dois amigos são mais do que isso, ou que "Luca" seja uma versão para crianças de "Me Chame pelo Seu Nome".  Não é.
 
Ousado mesmo é "Rômulo e Remo: O Primeiro Rei", uma reimaginação arqueologicamente plausível do mito fundador de Roma. O filme de Matteo Rovere tem poucos diálogos, mas eles são em... protolatim (calma que tem legenda). Também é violentíssimo. As tribos que habitavam a região do Lácio no século 8 a.C. conheciam os metais e os tecidos, mas não tinham a menor noção de civilidade. O curioso que o protagonista do longa é Remo, vivido pelo belo Alessandro Borghi da série "Suburra". Os mais cultos sabem que quem fundou Roma foi Rômulo, e que Remo... não vou dar spoiler. Este festim de sangue integra a programação da Festa do Cinema Italiano e pode ser visto hoje até as 18h ou, por 24 horas, a partir das 18h de quarta, no Looke. É grátis, até para não-assinantes do serviço, mas é preciso se cadastrar.

Um comentário:

  1. Assisti Luca hoje. Lindo filme, muito bem feito. Valeu pela indicação, Tony.

    ResponderExcluir