domingo, 30 de maio de 2021

EU NÃO AUTORIZO

Por volta das três horas da tarde de ontem, o tempo fechou em São Paulo. O céu negro se dissolveu em uma chuva forte, rara para o mês de maio. "Fodeu", gritaram meus botões. "O povo já estava com medo de sair para a manifestação por causa da pandemia, agora com chuva é que ninguém vai mesmo". Mas o toró não durou nem 15 minutos. Um sol improvável começou a brilhar, secando as ruas. Foi aí que eu entendi: Deus também é anti-Bozo. Ele lavou o esterco do gado, preparando o caminho para a maior passeata de oposição dos últimos dois anos.

Saímos de casa às quatro, minha sobrinha, meu cachorro e eu. Multidão não é lugar para se levar cão, mas o Lalo foi junto para servir de alarme. Quando começasse a ficar cheio demais para ele, também estaria cheio demais para mim. Nas primeiras quadras até que estava sussa: cheio, mas transitável. Na esquina da Casa Branca, quase no Trianon, encontrei vários amigos que eu não via há mais de um ano. Alguns até demorei para reconhecer, escondidos pelo combo máscara + óculos + boné. Aliás, o uso de máscaras foi espantoso. Não vi absolutamente nenhum manifestante sem ela. Nenhum. Um dos meus amigos fez uma faixa e mandou imprimir adesivos, que ele distribuía de graça. Essa foi a tônica do dia: muitos cartazes espontâneos, poucas bandeiras de movimentos organizados, povo tomando cuidado para não se aglomerar. Mesmo em frente ao MASP havia um certo distanciamento social.

Atordoados com o tamanho dos atos em todas as capitais, os minions não sabem qual narrativa usar. Alguns vão pelo caminho da crítica à aglomeração, o que me faz cair no chão de dar risada. Bolsominion, reclamando de aglomeração? Vai pastar, bezerrinho. Outros insistem que não foi tanta gente assim. Foi, sim. Vi com meus próprios olhos, ao vivo e na televisão. Muitíssimo mais gente do que em qualquer ato pró-Biroliro, e bastante mais jovem e diversificada. Não tinha só véio branco, não. Tanta gente que, no Recife, a PM partiu para a ignorância, atirando balas de borracha e gás lacrimogêneo nos manifestantes. A punição a esses caras tem que ser exemplar. O caso é mesmo gravíssimo.

Não, não foram essas  manifestações que derrubarão o desgoverno do Edaír. Um único dia de passeatas não basta. Mas foram as primeiras, depois de um longo e tenebroso inverno, e a tendência é que elas engrossem à medida em que mais pessoas forem vacinadas. Também foi, principalmente, uma demonstração de força. Tem muito mais gente contra o Pandemito do que a favor. As pesquisas já dizem isso há tempos, e agora foi a vez das ruas. Nenhum de nós autoriza esse genocida a continuar escarnecendo do sofrimento alheio e a agir apenas em prol de sua familícia. Quem o apoia é a favor do crime organizado, da destruição da Amazônia e da violência contra mulheres, negros e gays. Não tem atenuante, não tem "mas e o PT?'. E nem escapatória. Mas deixa o gado espernear. Ele sabe que está indo para o matadouro.

21 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Tem uma massa que não saiu e nem vai sair. É um pessoal que reprova o Bolsonaro, mas não quer se identificar com a pauta das esquerdas. Não podemos cair no erro de demonizá-los. Serão importantes para evitar que 2022 seja uma luta do antipetismo contra o antibolsonarismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A manifestação de ontem não foi de esquerda. Foi anti-extrema direita. Eu não sou de esquerda e fui.

      Excluir
    2. Achava que era centro- esquerda

      Excluir
    3. Eu sou de centro. A favor de todas as pautas progressistas, da abolição da pena de morte à legalização de todas as drogas. Saúde de graça para todos! Mas não gosto de Estado pesado: muita burocracia e muita corrupção.

      Excluir
    4. Estamos de acordo. Acho que Estado mínimo no Brasil (atualmente) é algo desumano, mas sou a favor de um economia mais livre e uma sociedade progressista e LAICA! Porém de acordo com projetos de inclusão social, saúde e educação pública... Infelizmente aqui no Brasil as gay - da militância - são muuuito anti mercado, se vc n for socialista já te olham torto e te chamam de isento.....

      Excluir
    5. E daí?O mercado é branco,hétero e crente.Aqui
      no Brasil,é assim,não nos EUA da vida.

      Excluir
    6. O mercado está cada vez menos branco. Não é por outra razão que tem cada vez mais negros na TV, tanto nas novelas como nos comerciais.

      Excluir
    7. Tony,eu respondi ao tonto aí de cima sobre
      os gays,não sobre os negros.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinha bandeiras vermelhas sim, mas não eram onipresentes. Como eu disse no texto, os cartazes caseiros eram muito mais numerosos.

      Excluir
    2. Tony,você deveria mandar o Bruno a merda.Quem gosta de se
      vestir de verde e amarelo é gente reaça e sem vergonha.

      Excluir
    3. Tem muita gente anti-Bozo que quer resgatar a bandeira brasileira de volta. Repare só no Twitter.

      Excluir
  4. Esse mar de bandeiras vermelhas, tão evidente na foto do post, é tudo que Bolsonaro sonhava. Lula x Bolsonaro é o embate dos sonhos para que nada mude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Repito: não era um mar. De fato, Lula sonha em concorrer contra Biroliro. O Bozo é que não devia sonhar com isso. As pesquisas prevêm uma lavada do Lula em cima dele.

      Excluir
    2. Lula é Biden.Bozo é Trump.Querem que eu desenhe?

      Excluir
    3. O Lula ganha fácil de outro representante da direita caso o Bozo não esteja concorrendo?
      Se eu fosse estrategista da direita eu estaria é articulando para o Bozo ser impichado e liberar o caminho para o meu candidato ser o anti-lula de 2022.

      Excluir
  5. A manifestação de BH foi muito legal também. Tivemos muito mais gente que qualquer manifestação do gado e uso amplo de máscaras. No caminho de volta para casa, gostei do apoio que recebi de pessoas que me viam com meu humilde cartaz "FORA BOZO, GENOCIDA!" Nunca detestei tanto uma pessoa como esse lixo de presidente.

    ResponderExcluir
  6. Eu acredito que essa CPI, que nem sei se vai dar em alguma coisa, está abrindo os olhos de muita gente. Porque depoimento atrás de depoimento a gente consegue traçar o movimento do governo na pandemia.
    E a conclusão que parece saltar aos olhos até agora, é que o governo federal não teve nenhum interesse em vacinar ninguém, muito menos em tratar quem estava doente, querendo uma imunização de rebanho, que pelas contas da jornalista que escreveu para o Times sairia numa conta de 1.400.000 mortes. É muita gente. E acho que esses depoimentos todos, inclusive de quem estava mentindo ou escondendo, está esclarecendo coisas que antes pareciam apenas Fake News, fofoca ou especulação.
    Nas redes, o próprio gabinete de ódio ficou sem ter muito o que dizer. Li coisas das mais absurdas, como quando começaram a comparar o presidente com o Duce , e uma soltou a máxima “ Mussolini era amigo de Getúlio Vargas que criou a CLT“, ou em peso retuitando COLLOR....é o fim da picada mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sonho do Bozo é virar um Getulio do Estado Novo.
      Pior é ver nossa midia com exceção da Folha esconder
      os protestos de ontem.Ainda bem que temos a internet.

      Excluir
  7. Bravo Tony.
    Ontem não foi um dia qualquer. Ontem foi o início do que não se aguenta mais. Do grito. A indignação. Todos fomos. Fomos os que lá estavam, fomos os que de casa, nas janelas, nos celulares, manifestavam sua revolta contra tudo isso.
    Ontem foi imenso. E os grandes jornais hoje não nos dão o espaço que nosso grito merece. Precisa. Eles estão não do lado de Bolsonaro, mas eles acham que o que foi pra rua ontem foi o PT. Não. Ainda não foi. Foram os filhos, as mães, os irmãos, os parentes, os amigos dos 460 mil que se foram com a omissão Dele. Foram para rua os sem emprego, os sem apoio, os sem escola, os sem remédio, os sem medo. Eu e tantos, independente do partido de cada um, fomos contra ELE!
    Por ora foi isso. Foi o início. E foi emocionante em São Paulo. Mas foi no Brasil todo.
    É o caso de dizer: “Apesar de você!”

    ResponderExcluir