terça-feira, 18 de maio de 2021

ELA NÃO CONSEGUE RESPIRAR

Acho muito interessantes os filmes que propõem um "huis clos" absoluto, com o protagonista confinado num espaço pequeno e se comunicando com o exterior só por áudio. Dois exemplos recentes são o britânico "Locke", em que um homem faz diversos telefonemas enquanto dirige seu carro à noite, numa estrada, e o dinamarquês "Culpa", em que um investigador da polícia resolve um caso sem sair da delegacia, só por telefone. Por isto quis ver o francês "Oxigênio", que anda fazendo sucesso na Netflix. A protagonista é uma mulher que acorda em uma câmara criogênica, sem saber onde está e nem mesmo quem é. Um sistema operacional que se apresenta como Milo é sua interface com o exterior; através dele, ela liga para várias pessoas e até navega pelas redes sociais. Mas Milo também não a deixa sair, e o nível de oxigênio está despencando. Ou seja: trata-se de uma experiência claustrofóbica, e não exatamente a diversão que irá nos distrair do confinamento imposto pela pandemia. O roteiro não consegue superar todos os obstáculos que criou para si mesmo, pois há muitos momentos chatos em que a trama simplesmente não se mexe, que nem a personagem. Mas o pior é a solução final, meio tirada da cartola. Resumindo, não é grande coisa. Mas parece que é melhor do que "A Mulher na Janela", que eu ainda não consegui ver.

5 comentários:

  1. E nem veja: Mulher na Janela chega a ser constrangedor de tão ruim...

    ResponderExcluir
  2. Tb nao gostei do Oxigenio... Mas na Rotten Tomatoes está classificado como se fosse "Psicose" ou outra obra prima de Hitchcock. Eu teria feito um final diferente, com ela sendo enganada pela Inteligencia Artificial Milo e mostrasse que ela estava dentro de uma empresa... com muita gente aplaudindo que a Milo venceu.

    ResponderExcluir
  3. "A Mulher na Janela" surpreende pelo final. E só. Um desperdício de elenco.
    'Oxigênio" eu gostei, é um filme para passar o tempo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O roteiro foi inteiramente baseado nas entrevistas do cosmologista israelense Abi alguma coisa que até propôs como viagem espacial de alta velocidade a ‘vela de navegação’ que aparece no filme, ele também acredita que a humanidade não vai durar mais 100 anos que vamos ser extintos em breve

      Excluir
  4. Esse filme é tipo os vídeos do youtube de hoje. Isto é: tem o roteiro de um curta metragem, mas é esticado até virar um longa. Vídeo longo gera mais grana. Aí fica aquela enrolação sem fim para preencher os buracos gerados no esticamento.

    ResponderExcluir