sexta-feira, 21 de maio de 2021

E SE FOSSE UMA MC MULHER?

Eu já tinha ouvido falar do MC Kevin, mas não conhecia suas músicas e nem mesmo sua cara. A morte do rapaz no domingo passado, com apenas 23 anos de idade, foi especialmente chocante: alguém que podia estar a ponto de estourar se vai de maneira estúpida e perfeitamente evitável. MC Kevin tinha bebido, fumado maconha, tomado MD e feito sexo a três com um amigo e uma "modelo fitness" (adoro o eufemismo) que cobrou dois mil reais pela bimbada. Quando achou que ia ser flagrado pela mulher, com quem estava casado há apenas um mês, teve a ótima ideia de pular para a varanda do quarto ao lado, ou do de andar de baixo (não ficou claro para mim). Caiu de cabeça na borda da piscina do hotel e morreu no hospital. A comoção justificada por essa tragédia fez surgir um fenômeno curioso. Aqui no Brasil costumamos canonizar qualquer pessoa que morre, e vira pecado mortal apontar qualquer defeito do falecido. Com MC Kevin, este processo foi mais além. Na quarta-feira, Ana Maria Braga entrevistou em seu programa a mãe do rapper, e não faltaram elogios ao "senso de família" e "responsabilidade" que ele tinha. Hoje, no programa da Cátia Fonseca, os comentaristas elogiavam a trajetória exemplar de Kevin, que saiu da favela e venceu na vida sem cair no crime (!). Longe de mim qualquer moralismo, até porque eu sou a favor da legalização de todas as drogas, e toda a minha solidariedade à dor da família. Mas um sujeito que trai a mulher com uma puta no primeiro mês de casado, depois de uma noitada reagada a todo tipo de aditivo, e ainda acha que seria bacana se jogar do quinto andar, é exemplo para quem? Essa é só mais uma gigantesca passada de pano nos equívocos masculinos. Era um "garoto", que trazia dinheiro honesto para casa, dizem. Dá para imaginar a mesma reação se fosse uma funkeira que tivesse morrido do mesmo jeito? Cata só a notícia: "MC Mirella se atira de quarto de hotel para não ser flagrada pelo marido com quem estava recém-casada, depois de transar a três com uma amiga e um garoto de programa e consumir muitas drogas e álcool". Essa imaginária cantora morta seria incensada como MC Kevin está sendo? Pergunta retórica. Claro que já sabemos a resposta.

21 comentários:

  1. Vide o tratamento popular pós BBB de Projota Vs. Karol com K. O mesmo pecado, penitências diferentes.

    ResponderExcluir
  2. afe meu cu pra essa gente. sem graça, sem talento, sem educação, sem carisma.

    ResponderExcluir
  3. Realmente nojenta essa passada de pano da grande mídia.
    Off topic: teu blog não tem suporte ao modo leitura no navegador?

    ResponderExcluir
  4. Acho que existe de fato uma MC Mirella... rsrsrs

    Pois é, acho curioso a forma que ele morreu, parece uma brincadeira masculina, dessas que depois viram uma anedota no churrasco com os parças: Se lembra daquela vez kevin, que vc pulou da varanda do hotel para não ser pego com a puta?

    Pelo visto, não terminou bem dessa vez para um dos nossos eternos Peters Pans. Se fodeu!

    ResponderExcluir
  5. Esse história é tão doida que tudo o que você contou PODE SER a verdade.
    Tudo muito mirabolante.
    Não sei se fosse uma MC (ou tipo Tati Qb ou Jojô) a coisa séria diferente, eles criaram um mundo e uma realidade paralelas cujas regras são as mais estranhas.
    Só acho chato ver tanto P&B em todas as músicas e não apenas no proibidão, gosto muito do funk, tem ginga, suingue, e acho que já virou um som bem brasileiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Som bem brasileiro??????Você confundiu com o funk
      do James Brown ou do Bruno Mars.O nosso "funk" é
      pornografia pura.

      Excluir
    2. 11h21: Não existe "rock" de verdade, não existe "funk" de verdade. Música é fluição, é batida, são escalas. Nx zero é rock, Sepultura é rock, Elvis Presley é rock. Anitta é funk, Linn da Quebrada é funk, Tropkillaz é funk.
      Não gostar de determinado ritmo musical é totalmente normal, agora desmerecer/deturpar/desrespeitar é preconceito que se chama. Muita gente não gosta de opera e nem por isso faz beicinho.
      O funk carioca é um ritmo sim notadamente brasileiro. Mas não faz muita diferenca por estas bandas dizer funk, funky, funk carioca.
      Há 100 anos atrás diziam a mesma coisa do samba: música de pobre, música de preto, música de putaria, música ruim.
      Aff que demode bee

      Excluir
  6. O Mio Babbino Caro
    E o contorcionismo feito pela imprensa para não chamar a puta de puta, só perde para não chamar traficante branco da zona sul de traficante.

    ResponderExcluir
  7. Ele viu muito filme de ação onde o mocinho pula do topo de um prédio para outro e achou que era a coisa mais fácil do mundo pular de uma sacada para outra.

    ResponderExcluir
  8. Esse conto de "probre garoto que não sabe o que faz" é a desculpa típica de branco rico quando este faz besteira (vide os que invadiram o Capitólio americano). Acho um avanço ela ter sido aceita com o MC.

    ResponderExcluir
  9. Você esqueceu um detalhe, ele estava no Rio participando de um show clandestino. O Neymar homenageou esse cara ontem na comemoração de um título do PSG. Ambos têm uma entourage de amigos-parasita, andam sempre em bando. Depois do Louro José, agora é a hora de canonizar esse famoso quem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica na sua...isso é cultura da favela. O que no Rio não é clandestino bebê. Vou te apresentar uns condomínio lá da Barra pra você saber o que é "Barra" pesada. Você nasceu ontem Inocente!

      Excluir
    2. 02:44-O funkeiro que morreu ERA PAULISTA,PORRA!!!!
      Você acha que não tem clandestino em SP.O PCC é
      de onde,cara-pálida???????

      Excluir
    3. 12:20 Anon
      Sejamos sinceros, cá entre nós o que é o tal do PCC diante do "Vivendas da Barra" rs

      Excluir
  10. Lamento apenas pela questão da idade, pois fora isso é só mais um artista de talento duvidoso que só fez algum sucesso porque o sarrafo do público nunca esteve tão baixo.

    Traía a mulher com a primeira "modelo" que aparecia na noite, mas tenho certeza que o instagram dos dois estava recheado de fotos lindas de casal, possivelmente com citações bíblicas. E como se não bastassem todas essas proezas que você relatou no texto, na mesma noite ele havia feito um show clandestino pra dezenas de pessoas.

    Não surpreende que entre os primeiros a lamentar a morte estivesse o Neymar. É quase uma lei universal: "onde houver um artista bosta, uma modinha escrota ou uma roupa cafona, lá estará o menino Ney e seu séquito de idiotas".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menino Ney? Porque as pessoas insistem em chamar um homem beirando os 30 anos e pai de família de menino???

      Excluir
    2. 11:08 Isso é uma ironia, justamente por ele se comportar feito uma criança. Entendeu?

      Excluir
  11. O Brasil é de longe o país mais misógino do mundo nunca estive no Paquistão mas até do Paquistão ganhamos em número de feminicídio

    ResponderExcluir