terça-feira, 4 de maio de 2021

PEÇA RARA

Acho que está todo mundo abalado. Todo mundo com a sensação de que perdeu mais um parente para essa doença maldita. Passamos quase dois meses rezando pelo Paulo Gustavo, mas hoje ele finalmente se foi. Que agonia cruel. Ninguém merece isto. Um cara que tinha tudo: sucesso, amor, filhos lindos. Na verdade, fico feliz por ele ter tido tudo isso, praticamente tudo o que a vida pode dar, e tão rápido. Mesmo assim, a impressão que fica é a de que Paulo Gustavo estava apenas começando. Ele seria um dos grandes, do tamanho de um Chico Anysio ou um Jô Soares, mas se foi cedo demais. Ficam os filmes, os programas, as risadas histéricas. Neste texto meu na Folha, lembro um pouco de sua carreira fulgurante. E mais não sei escrever, porque o pasmo é muito grande. Vai na paz, raro menino.

19 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Nas últimas férias fui com meu sobrinho, batatas, chocolate e coca-cola, assistir, Minha mãe é uma peça, naquele shopping, nos dias de praia. Que gostoso, que leve, que diversão, que lição de entendimento e amor, divertido e diversão. Descanse em paz cara... "Life is a pigsty".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se algum branco faz blackface é racista.Se um homem
      se vestir de mulher é humor.O Brasil é cômico.kkkkkk

      Excluir
    2. Tem gente no mundo inteiro que se ofende com homem travestido. São pessoas de inteligência limitada, que não entendem que a piada é com os homens, não com as mulheres.

      Excluir
    3. O Paulo nunca explicou isso,que eu saiba,cara.Pois nós no
      povão entendemos que ele tira sarro das mulheres,tá?

      Excluir
    4. Não precisa o Paulo nem ninguém explicar. E nem vem com esse papo de povão, porque o povoa adora um homem vestido de mulher. Você que é tapadinho mesmo.

      Excluir
    5. Os crentes adoooooooram ver homem vestido de mulher
      iguais aos alemães que tiraram sarro dos judeus nos
      anos 30.Conhece aquele papo de "ex-gay",cara?Tchau.

      Excluir
    6. Anônimo das 11:14 e adiante, vou te dar um conselho muito importante: PROCURE AJUDA!

      Excluir
    7. Anônimo das 14:46-O BRASIL PRECISA DE AJUDA!

      Excluir
  2. Fiquei arrasado, também. Sem palavras.

    ResponderExcluir
  3. Tony, estou muito triste com a morte do Paulo Gustavo, com aquela sensação de que ele ainda poderia ter feito muito mais. Numa hora dessas a gente se vê tomado pela emoção e talvez tenhamos algumas impressões momentâneas. Compará-lo ao Chico Anysio é, além de um exagero, um despropósito. Ele era bem engraçado, mas parecia que estava sempre gritando e fazendo o mesmo personagem. Definitivamente não estava no mesmo patamar do Jô e principalmente do Chico.

    ResponderExcluir
  4. Não curtia a trabalho dele. Achava ator de um papel só e nunca entendi o sucesso do "Minha mãe é uma peça". Meus sentimentos à família. Sabia que ele ia morrer, pois quem não reage logo a terapia de oxigenação por membrana extracorporal, cada dia a mais ligado a ela, menores as chances de sobreviver. Ele passou 32 dias nesse tratamento que muito agressivo.

    ResponderExcluir
  5. Muito triste. belo texto, Tony.

    ResponderExcluir
  6. Estou arrasado, nem imagino a dor de sua mãe, marido e amigos mais próximos... Tenho um amigo que trabalhava com o Paulo e ele está em prantos enormes... Descanse em paz

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Que baque. Realmente, a sensação é a de perder um amigo próximo, e sempre muito triste ver alguém morrer ainda jovem, no auge da vida profissional e pessoal. Vírus maldito, e quem ainda apoia esse desgoverno genocida fede a morte.

    ResponderExcluir
  9. Pois é, as colegas não querem que seja comparado com J Soares e Chico… Sim, Paulo Gustavo teve um trabalho bem diferenciado desses outros dois, que eu também gosto muito. Ele foi gay, muito gay, aliás extremamente gay. Gayzaço
    Ele não apenas saiu do armário, ele explodiu o armário. Fez um gay não caricato, mas extremamente exuberante. Imitou milhares de mulheres, fez vários personagens femininos. Até porque ficava um tanto quanto estranho vê-lo em personagens masculinos Ht. Ele não combinava…
    E assim ele foi esfregando na sociedade que era gay e foda-se, e não apenas fez sucesso, como mostrou que alguém gay ser um bom filho, bom irmão; casar com o médico bonitão, e ainda ter dois filhos lindos. Ser rico, bem sucedido.
    Pois é… Paulo Ricardo não era o Chico nem o Jô ele era ele mesmo. E abrir muitos caminhos para nós. No escracho, na palhaçada.
    Paulo estava mais próximo de uma Dercy, única também. E como dizia dizia a própria ‘quem não gostou que...’.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não estou dizendo que Paulo Gustavo era igual ao Jô ou ao Chico. Todos são muito diferentes entre si. Estou dizendo que Paulo iria FICAR DO TAMANHO de Jô ou Chico: um humorista importante, definidor de uma geração.

      Esteticamente, Paulo Gustavo "descendia" de Dercy Gonçalves e Zé Trindade, como eu disse na minha matéria na Folha.

      Excluir
  10. O Paulo não era a Dercy-não precisava falar palavrões pra
    fazer um bom humor.Rarará!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Que artista, e que perda irreparável! A dor é imensa para os fãs. Imagino para a família e amigos...

    ResponderExcluir