terça-feira, 6 de abril de 2021

OS ESCOMBROS DA MONARQUIA

Votei pela volta da monarquia no plebiscito de 1993. Na minha cabeça de então, o Brasil ficaria chiquérrimo com um cara bonito e esclarecido como o D. Joãozinho no trono. Hoje eu não faria mais isto, porque ser monarquista no Brasil virou sinônimo de obscurantismo e retrocesso. É uma galera ligada à TFP e à Opus Dei, que apoia o Biroliro e acha que deus vult todas as barbaridades que eles pregam. Essa cambada agora quer que o Museu Nacional, que pegou fogo em 2018, deixe a ciência pra lá e se transforme num monumento ao império. Só que esse monumento já existe: é o Museu Imperial de Petrópolis, que abriga nossas mixas joias da coroa. É verdade que o Palácio de São Cristóvão foi saqueado e violado pela nascente república, que quis apagar a memória da monarquia o mais rápido possível. Mas a coleção do Museu Nacional foi iniciada pelo próprio D. Pedro II, um amante das artes e da tecnologia. Se perguntassem a ele o que deveria ser feito com sua antiga residência carioca, não tenho dúvidas de qual seria a resposta.

30 comentários:

  1. A monarquia saiu porque se tornaram muito avançados para elite burra e perversa (que vc tanto adora) que eles representavam, foram entoxados do país pouco depois de acabar com a escravidão estava lembrando que o WILSON SIMONAL que era NEGRO espiou e delatou para essa elite em troca de migalhas. 75 mil assassinatos de negros por ano e aí simoninhas foi bom pra vcs?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conseguiu misturar tudo e tornar tudo pior. O Siimonal está mais pra vítima meu senhor.
      G-

      Excluir
  2. César Maia cogitou transformar o Palácio Imperial de São Cristóvão no Museu do Segundo Reinado, e transferir as coleções de história natural (esqueletos, múmias, artefatos indígenas, minerais etc) para um Museu moderno. Mas foi só uma notinha no jornal e nunca mais se falou no assunto. Eu já li várias biografias de Pedro II e posso lhes garantir que em hipótese nenhuma ele aprovaria qualquer tipo de relacionamento de seus atuais descendentes com o bolsonarismo. Nenhum dos atuais descendentes tem a dignidade e erudição de Pedro II. Não passam de uns burgueses oportunistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Dom Pedro II era a favor da separação entre Igreja e Estado numa época em que a união dos dois era a regra. Deus me livre de Bertrand e sua turma obscurantista.

      Excluir
  3. Perdoe-me o assunto fora do tópico, mas por causa do Google fui parar num post seu chamado A Problematização do Turbante, de um recente 2016.

    Fiquei chocado com os comentários, o ovo da serpente estava ali, quanta bicha escrota comentando, tirando um tal de James Figueredo, que parecia um sopro de lucidez no meio de tanta escrotice. Um monte de viado falando que pretos fazem mimimi.

    Caralho, que horrível pensar que esse país realmente merece Bolsonaro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vinda à vida selvagem, tape as narinas e dê uma olhadinha nos comentários desse período do Blog e entenderá que Bolsonaro eleito foi uma consequência natural de tudo que se viveu, isso num blog gay. Somos quase forçados a concordar com a máxima de que "Quando viado é de direita é nazista".
      G-

      Excluir
  4. Tá loca,bi. Tá nervosa? Vai dar meia hora de cú.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fosse negro,você o xingaria de macaco?Não né,
      porque é crime.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  5. O Mio Babbino Caro
    O nascimento de nossa república não é nada louvável, mas daí a apoiar a Monarquia nessa terra invadido é ser insano. Que tenhamos o Museu Nacional reconstruído e feita as devidas homenagens ao único lúcido daquela família de insanos.

    ResponderExcluir
  6. Monarquia? Só se fosse de um descendente de D. Pedro I e Domitila. Uma linhagem monárquica surgida do amor...

    ResponderExcluir
  7. Cadê a princesa DJ nessas horas?

    ResponderExcluir
  8. Gente do céu. Discutir volta da monarquia é como discutir a volta das máquinas de escrever nas redações de jornais...

    ResponderExcluir
  9. Esse negócio de volta da monarquia é coisa de lunático,essa merda de regime já acabou há 132 anos e nunca teve tradição no nosso continente,só nós e o México por uns 3 anos tivemos monarquia quando um Habsburgo resolveu tomar o trono por lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maximiliano, um primo de D. Pedro 2o. Os dois chegaram a fantasiar em unir toda a América Latina sob um trono Habsburgo.

      Excluir
  10. Socorro que vc voltou pela monarquia, Tony.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Votei. Eu gosto de pompa e circunstância.

      Mas hoje não votaria mais.

      Excluir
    2. Gosto da marcha de Elgar.
      G-

      Excluir
  11. Dom Joãozinho ainda hoje mantém um posicionamento bem respeitável se comparado aos demais Bragança que são católicos tradicionais,TFP e apoiadores do Bozo,ainda durante a campanha ele foi contra o Bozo,disse que era triste,seu primo Luis Philippe querer ser vice do Pau Fino

    https://www.metro1.com.br/noticias/politica/58912,e-triste-diz-principe-joaozinho-sobre-primo-ser-vice-de-jair-bolsonaro

    ResponderExcluir
  12. O príncipe Joãozinho, trineto de Dom Pedro 2º, falou à coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, sobre a possibilidade de o primo Luiz Philippe de Orleans e Bragança ser vice na chapa do pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL).

    “Nossa família tem uma tradição de tolerância – Dom Pedro 1º, Pedro 2º, a princesa Isabel. É uma tradição de liberdade, de respeito às minorias, à diversidade”, argumentou à publicação.

    De acordo com ele, Luiz Philippe destoa da posição. Os motivos: “Primeiro, participando da política partidária [ele se filiou ao PSL e fundou o movimento antipetista Acorda Brasil]. Segundo, ele escolhe um candidato absolutamente intolerante. [Bolsonaro] é uma figura perigosa para o Brasil. Faz Trump parecer um menino bonzinho!”.

    Gostei do Dom Joãozinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. D Joãozinho está sendo incoerente com suas atitudes. Dom Joãozinho também é antipetista. Participou de várias manifestações a favor do Impeachment da Dilma na praia de Copacabana. Ou seja: esteve lado a lado com bolsominions, evanjegues e fascistas raivosos com camisa da CBF.

      Excluir
    2. Ser antipetista e a favor do impeachment da Dilma não é a mesma coisa que apoiar Biroliro e querer a volta da ditadura.

      E vamos ficar por aqui, OK? Não vou aceitar nenhum comentário me cobrando ou me culpando pelo que está aí hoje. Eu não cobro os petistas por autocrítica, talkey?

      Excluir
    3. Esses petistas que gostam de ficar patrulhando quem critica o partido são uns chatos,eu sempre votei no PT por ser o partido que mais defende a inclusão social no país e farei de novo em 2022 se a única opção viável para derrotar o genocida seja o Lula,mas eu não acho que o Lula é um deus,que é incriticavel,eu penso que ele roubou,se envolveu em corrupção sim,apesar de no processo da Lava Jato ele ter sido justamente inocentado,o Moro não apresentou provas e foi parcial no julgamento,mas com vários membros da cúpula petista terem sido presos é muita inocência achar que o Lula não foi conivente com a roubalheira,eu me inspiro na social democracia europeia,na esquerda de Portugal,gosto muito do PSOE e do Podemos espanhol,do Labour Party britânico,acho que o PT tem que se inspirar nessa galera e se afastar de Cuba,da Venezuela,a Europa é hoje desenvolvida,porque lá ninguém idólatra político,as pessoas cobram,buscam informações de qualidade,o Brasil não irá desenvolver enquanto não perdermos essa mania latino americana de idolatrar políticos

      Excluir
    4. Político tem que ser tratado como um funcionário público,acertou?Não faz mais que a obrigação, pois é muito bem pago para isso,errou?Que responda por isso e de preferência sem fanáticos retardados defendendo alucinadamente

      Excluir
    5. Gabriel, pelamordedeus, aprende a dar espaço depois da vírgula. Ponto final também seria bacana. Eu não consigo ler seus comentários até o fim, fico com dor de cabeça.

      Excluir
    6. Imagina quando o genocida perder as eleições, é capaz dessa gente retardada dele fazer pior do que os trumpistas fizeram lá no Capitólio e quando ele for julgado e condenado então, é capaz de tentarem assassinar o juiz que o condenar,explodirem uma bomba na Avenida Paulista ,o policiamento terá de ser bem reforçado para impedir isso,lá nos EUA o trumpismo foi uma exceção,eles são uma nação historicamente liberal onde não há esse culto a políticos como aqui no Brasil,o genocida daqui se aproveitou de uma cultura onde já é comum idolatrar políticos desde os reis colonizadores de Portugal,passando pelos dois Pedros,Deodoro e Floriano Peixoto,que até virou nome de cidade,depois Getúlio Vargas,JK,os presidentes militares,o Lula,em diversos momentos houve um culto a figura do rei e do presidente da república aqui no Brasil

      Excluir
    7. Desculpa Tony, vou prestar atenção nisso , me alonguei demais nos comentários tbm, vou passar a ser mais resumido,já resumindo aqui o que eu queria dizer é que apesar de ter votado muitas vezes no PT, reconheço que o partido roubou e não idolatro o Lula, nós da América Latina temos que superar essa cultura de idolatria a políticos que só atrasa o continente,a Europa Ocidental já superou,lá o político é só um funcionário público comum ,quando acerta não faz mais que sua obrigação,porque é muito bem pago para isso e quando erra é cobrado com a devida veemência

      Excluir
    8. Tentou mas não prestou, né?

      Excluir
  13. Esse Gabriel não faz comentários, faz resenhas de livro.
    Volta da monarquia soa até engraçado, mas acho que a visão da família real deveria ser menos ridicularizada.
    E não dá, nem de longe para comparar o glamouroso ramo de Petrôpolis com os 'SHARS' de Vassouras. Chatérrimos.


    ResponderExcluir
  14. A ideia do plebiscito era bem simples: a CF'88 reconheceu que a república nasceu de um golpe militar e deu ao povo a chance de escolher o regime de governo em 1993, logo antes de começar o prazo da revisão constitucional. No final venceu a república presidencialista (nada aconteceu feijoada) e a revisão passou praticamente batida porque a câmara tava em chamas com o caso dos anões do orçamento.

    Mas voltando ao assunto da monarquia, justo hoje, dia da morte do Duque de Edimburgo, se a gente voltar quase uns 100 anos na história, os Hohenzollern, depois de exilados na Holanda com a derrota na 1ª Guerra, foram voltando aos poucos pra Alemanha onde ofereciam e recebiam afagos dos NS. Hoje estão tentando recuperar palácios e bens desapropriados por terem apoiado o regime dos NS.

    ResponderExcluir