domingo, 4 de abril de 2021

LA REINE DES PUTES

Em francês, geralmente se usa a palavra "madame" seguida pelo sobrenome da senhora em questão. Se for pelo prenome, aí já viu: trata-se de uma puta. A mais famosa de todas, Madame Claude, autoproclamado "reine des putes", publicou um livro de memórias na década de 1970 que causou um certo escândalo, ao revelar os nomes de alguns dos clientes VIPs de seus bordéis de luxo em Paris. Sua história também rendeu um filme de Just Jaeckin, o mesmo diretor de "Emmanuelle". Mais de 40 anos depois, essa personagem icônica ressurge na Netflix, num longa que ganhou no Brasil o título desnecessário de "Os Segredos de Madame Claude." Dessa vez, a história é contada de um ponto de vista feminino, o da cineasta Sylvie Verheyde, e as cenas de sexo não são mais para excitar, mas para deixar claro que aquelas garotas estão em horário de trabalho. A trama deslancha muito bem, com a chegada de uma, digamos, estagiária ambiciosa, oriunda da aristocracia. A relação entre patroa e empregada é interessante, mas não é desenvolvida a contento. Aí, do meio para o final, o ritmo ralenta, e o final deixa várias pontas soltas. Mas deu para perceber o que a diretora quis contar. Claude soube triunfar dentro de um sistema machista jogando pelas regras deste mesmo sistema. Chegou a emprestar suas garotas para o serviço secreto francês, que as usava como iscas para prender e até matar desafetos. Só que este mesmo sistema a descartou, quando ela não se mostrou mais útil.

23 comentários:

  1. Vc tem uma fascinação pela França óbvio porque vc é filho da sua geração, mas a França é um dos países mais racistas que já frequentei, provavelmente ajudaram no golpe contra o povo brasileiro e ainda colonizam várias partes da África. Eu adoro a França cultural e socialmente mas não posso desconsiderar os muitos defeitos do país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu adoro a França, mas isto não quer dizer que eu não perceba os muitos defeitos do país. O maior de todos é uma certa covardia, cuja maior expressão foi a adesão de boa parte da população aos nazistas, durante a ocupação alemã na 2a Guerra. Também execro o racismo, claro, e morro de medo do avanço da extrema-direita a cada eleição. Mas a França também é o país que inventou o estado laico, e por lá a laicidade é assunto sério. De resto, eu preferia morar na França do que nesse horror chamado Brasil.

      Excluir
    2. Bom lembrar as massivas manifestações contra o casamento Gay, quando de sua aprovação por lá.
      G-

      Excluir
    3. Massivas e horrorosas!

      Excluir
    4. Não quero desvalidar a tua experiencia de racismo aqui na França porque sou "branco". Ou pelo menos não-negro e não-arabe e como brasileiro escapo da posição de alvo principal do racismo local.

      Entretanto "ajudaram no golpe contra o povo brasileiro" é um delírio. O centro-esquerda francês e a intelectualidade francesa tem uma adoração quase irrestrita ao Lula e o PT. A mídia francesa (mesmo o Le Figaro de direita) cobrem exaustivamente tudo o que acontece no Brasil, com detalhes e analises bem interessantes, principalmente os devaneios do Bolsonaro. Mesmo do ponto de vista econômico, a instabilidade atual fragilizou consideravelmente os investimentos das principais multinacionais francesas que viam o Brasil como um pais-foco.

      Somente queria atentar para um certo "french bashing" tipicamente anglo-saxão que existe e que ja vi sendo muito importado por brasileiros. Colonização, racismo e xenofobia não são nem de longe exclusividades francesas na Europa. Mas nunca se escuta ninguém questionando um filme alemão, uma serie britânica ou espanhola com o argumento que ambos países tiveram um passado vergonhoso. Perdi o número de vezes em que escutei belgas e holandeses falarem abertamente em publico "This is the fault of the Moroccans" o que seria inimaginável na França fora de casa. Alemanha, nem melhor começar porque é experiencia pessoal, poucos entendem o abismo da desconexão dos 3 bairros hipsters de Berlim com o resto do pais e em 10 anos na França nunca tive que ficar um dia em casa porque era dia de manifestação da extrema-direita (sim, aconteceu comigo em Hamburgo, duas vezes).

      Excluir
    5. Fernando a Total empresa francesa de petróleo recebeu uma boa parte do pré sal a preço de banana, a França compartilha uma fronteira com o Brasil e já teve espião que se disfarçava de professor de windsurf expulso do país por espiar na base de Alcântara, se o governo Vichy se entregou a França teve um dos movimentos de resistência mais consistentes e corajosos e se não fosse essa coragem a vitória contra os Alemães seria mais improvável sim eu vejo os defeitos do país e as qualidades.

      Excluir
    6. É realmente a extrema direita se tornou um perigo para o mundo. Lembra aquele maluco que matou crianças na Noruega?

      Excluir
    7. E para terminar, vou discordar do Tony. Não acho que o maior defeito francês seja covardia - outro cliche tipicamente anglo-saxão do "french bashing". Covardes não enchem o saco defendendo o que eles acreditam - mesmo que estejam completamente errados. O maior defeito francês é a esquizofrenia. Eles idolatram uma revolução que consistiu em decapitar um rei e acabar com os privilégios da monarquia MAS tudo que é "nobre" tem ainda uma importância tao ridícula e presente a ponto de ficar impressionado quando eu conheço alguém com nome de família nobre ("de" + qualquer coisa) e pessoa NÃO usar o maldito anel "chevalière" com o brasão da familia. Impuseram um sistema colonial claramente racista nas colônias mas viam os colonizados como citoyens a um ponto que bateram de frente com os britânicos no aftermath da Primeira Guerra e impuseram as tropas coloniais nos desfiles de vitoria e ocupação da Alemanha (artigo bem interessante sobre as tristes consequências disso no Wikipedia, os "Rhineland Bastard"). Anti-semitismo era uma questão real (Dreyfus), os nazistas foram sim apoiados por uma parte considerável da população francesa e autoridades locais francesas participaram de forma ativa na perseguição aos judeus mas 75% dos judeus franceses sobreviveram ao holocausto, uma das mais altas taxas na Europa ocupada (para comparação, ~75% dos judeus holandeses foram assassinados). De Gaulle luta contra a tirania e a opressão nazista e logo depois faz uma guerra sangrenta na Argélia para impedir que a maior colônia tenha direito a independência. Fizeram manifestações passivas contra o casamento gay (que sinceramente foram mais uma válvula de escape bem similar aos gilets jaunes do que homofobia pura e simples, na minha opinião) mas foram o primeiro dos grandes países da Europa a aprovarem o casamento em 2013 (junto com quem? Brasil) antes de Alemanha e Reino Unido.

      Enfim, França é essa esquizofrenia de pensamentos, atitudes e historia. Dizem que vem do fato dessa mistura de norte com sul da Europa. Ou como eu brinco "a Europa do Norte é eficiente mas antipática, a Europa do Sul é bagunçada mas simpática - a França é a síntese do pior dos dois."

      Excluir
    8. Idioma francês = italiano falado com sotaque alemão.

      Excluir
    9. Idioma francês: Germânico na origem e latinizado pelos romanos.

      Excluir
    10. Hmmm, não. Os francos falavam uma língua germânica, mas o francês atual é uma língua românica com alguma influência germânica. A sintaxe do francês e a imensa maioria das palavras têm origem latina.

      Excluir
    11. Ou seja, germânico na origem e latinizado pelos romanos.

      Excluir
    12. Não, bébé. Os francos é que abandonaram seu idioma original e passaram a falar o latim vulgar que se usava na Gália no começo da Idade Média. deu no que deu.

      Excluir
    13. Abandonar não é bem o termo. Nada foi pacífico nessa transição. Cocordo plenamente no deu no que deu.

      Excluir
  2. Hahah estou lendo um livro sobre o império otomano onde tem 2 personagens franceses e o turco diz ‘O que os Franks querem importar pro mundo mesmo? Liberté Egalité e o que mais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que deu a Turquia?Erdogan?kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. O Atarurk deu direito a mulheres ao voto anos luz de vários outros países da Europa modernizou o país e rebaixou Constantinopla para preservá-la no caso de guerra, alguém que pensa na história. E os Turcos querido estão entre os homens mais lindos do mundo sabe de nada inocente

      Excluir
    3. Ataturk foi um visionário, que jogou a Turquia no século 20. Fez até algo que hoje seria politicamente incorretíssimo: substituiu o alfabeto árabe pelo latino, para aproximar o país da Europa. Mas também foi criado um culto à personalidade dele. Quem já foi à Turquia deve ter se espantado: o Ataturk está em todas, sempre te olhando. Medo.

      Excluir
    4. Os otomanos são os mesmos a 600 anos, nada mudou! Tem um dos melhores serviços de espionagem do mundo tinham um mapa detalhado do que hj chamamos de América do Sul mas decidiram não colonizar porque ia sair muito caro e fodase já controlamos a rota do comércio com a Índia

      Excluir
  3. Lindos eu não digo, mas bem atraentes, principalmente quando ficam mais velhos e gorduchos, como o Tony fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho os Turcos lindíssimos principalmente os novinhos é que fomos criados pra apreciar o modelo Xuxa Gisele Bundchen de televisão um macho de cabelo raven black com um nariz diferente pele cor de oliva é só pra iniciados, os espanhóis estão nessa linha! Viva a Turquia!

      Excluir
    2. A paixão turca existe!

      Excluir
  4. Anônimo 6 de abril de 2021 15:38 - Eu concordo com você sobre o biotipo atraente dos turcos. Mas você gosta de boys e eu curto maduros. Adoro ver os filmes da Orient Bear, dá um google. Aqui, no interior do Brasil, também tem vários com esse tipo.

    ResponderExcluir