sábado, 24 de abril de 2021

LADY SINGS THE BLUES

A Amazon Prime Video precisa melhorar muito sua divulgação. Ontem, sem nenhum aviso prévio, surgiu na plataforma o filme "Estados Unidos vs Billie Holiday", que concorre ao Oscar de melhor atriz. É a segunda vez que o papel de Billie Holiday rende uma indicação a uma cantora sem experiência prévia em atuação: a primeira foi em 1972, para Diana Ross por "O Ocaso de uma Estrela", e agora é para Andra Day. Na verdade, a surpresa é essa história não ter sido filmada mais vezes, pois não lhe falta drama, glamour, violência e desespero. Antes de se tornar um ícone gay, Billie Holiday seduziu plateias com seu timbre original. Também assustou os poderosos por cantar "Strange Fruit" - as frutas em questão são os corpos dos negros enforcados, pendurados nos galhos das árvores. O diretor Lee Daniels chega a irritar com o didatismo no começo do longa. O roteiro mão-pesada repete várias vezes que Billie está sendo perseguida pela polícia por causa desta canção, e que o uso que ela fazia de drogas pesadas era só um pretexto. Aliás, o roteiro irregular é o ponto fraco do filme, que tem figurinos Prada, músicas maravilhosas (dãã) e uma interpretação fulgurante de Andra Day, que usa a própria voz para emular a diva. Ela venceu o Globo de Ouro de atriz dramática e tem uma ligeira chance de ser oscarizada amanhã, no páreo mais imprevisível da noite. Continuo torcendo por Carey Mulligan, mas não vou ficar chateado se der zebra.

2 comentários:

  1. Um saco de merda vai finalmente para reciclagem de nutrientes.

    Levy Fidelix, presidente do PRTB, morre em SP aos 69 anos

    https://catracalivre.com.br/mais/levy-fidelix-morre-aos-69-anos-em-sp-vitima-da-covid-19/

    ResponderExcluir
  2. tarra vendo o perfil do Antony Blinken de família relacionada a o estuprador Epstein judeu defensor de israel, é impressionante a influencia que esse grupo tem nos EUA vamos pensar assim no sul tantos negros qto judeus mas os negros continuam com o influencia, marginalizados e sofrendo um holocausto e isso não é falta de negros ricos não, nos EUA há muitos mas porque eles não tem o poder do lobbying?

    ResponderExcluir