domingo, 7 de fevereiro de 2021

ENTRE OS SACIS E AS FADAS

Toda vez que estreia uma série brasileira na Netflix, eu fico meio agoniado. Será que mais uma boa ideia será estragada por uma execução sofrível? Será que o orçamento vai dar para cenários e figurinos decentes, sem falar nos efeitos especiais? Será que o elenco vai estar cheio de atores sofríveis, como costuma acontecer nas produções fora da Globo? É com alívio que eu constato que "Cidade Invisível" escapou de todas essas armadilhas. A ideia de Carlos Saldanha não é boa, é ótima: nada menos que as entidades do folclore brasileiro interagindo com o mundo moderno, uma espécie de "Brazilian Gods". Mais conhecido como o diretor de animações como "Rio" e "A Era do Gelo", Saldanha se deu bem em sua primeira investida com atores de carne e osso. O que não quer dizer que "Cidade Invisível" seja perfeita. Há uma barrigona entre os episódios 2 e 4, quando não acontece muita coisa. As entidades em si também demoram em se manifestar. A gente quer ver logo o Saci, a Iara, o Curupira e, principalmente, a Alessandra Negrini como a Cuca (spoiler: ela não se parece com um jacaré). Mas do quinto em diante o ritmo engrena, culminando com um ótimo capítulo final. Marco Pigossi, mais lindo do que nunca, finalmente encontra um protagonista à sua altura. Mas a performance mais impressionante é a de Fábio Lago como o Curupira, que literalmente pega fogo. Eu ia me borrar de medo de "Cidade Invisível" se eu tivesse 10 anos. Como tenho bem mais, aplaudo, e quero que chegue logo a segunda temporada.

10 comentários:

  1. Não sabia que a Cuca fazia parte do folclore brasileiro, achava que era criação do Monteiro Lobato...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Nana, nenê, que a Cuca vem buscar...”

      Não foi Lobato quem compôs essa música.

      Excluir
    2. Lobato era Ku Klux Klan assistindo novamente filme sobre o assassinato de Fred Hampton nada mudou não é mesmo? Assassino da Marielle livre leve e solto

      Excluir
    3. 22:31
      Quanto branco e branquinhas bonita fragéis sendo atacada por essas criaturas horriveis

      Excluir
  2. Não sei não. As gerações mais novas conhecem Saci, Curupira ou a Iara? Elas não vão polemitizar dizendo que o seriado retrata negros e índios atacando o homem branco por pura maldade??

    ResponderExcluir
  3. Pigossi é da irmandade!

    ResponderExcluir
  4. Inclusive existe um dia do folclore brasileiro: 22 de agosto. Era O tema daquele dia durante todo o meu primário.
    Mas aí vem justamente o povo da esquerda querer (e tem!) "dia do Saci" por invejinha do Halloween no 31 de outubro. Isso sim é coisa de gente sem cultura e que ajuda a apagar e diluir o que brasileiro mesmo. Bastava abrir um livro pra saber. Ou um google.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 👏🏾👏🏾👏🏾👏🏾
      Que mané Halloween, podíamos fazer uma bagunça delícia com o dia do Folclore...

      Excluir