domingo, 21 de fevereiro de 2021

A MÁFIA DO SÉCULO 16

Que prazer raro que foi rever "A Rainha Margot", agora em versão ampliada e restaurada. Gostei ainda mais do que em 1994, quando assisti ao filme duas vezes no cinema. Agora foi na plataforma Belas Artes à la Carte, que vem se provando indispensável para um cinéfilo como eu: de uma semana para cá, vi quatro filmes lá, e só um na Netflix. A joia da coroa foi essa obra-quase-prima, com atores fabulosos, figurinos indicados ao Oscar e sangue, muito sangue. O que mais me chamou em atenção dessa vez foi a quantidade de gente em cena. São todos figurantes reais, e não criados por computador. Tem quase sempre umas 700 pessoas em quadro, se acotovelando, se apunhalando, chafurdando na lama. A imundície das almas se traduz nos cabelos sebosos, e a única pessoa que parece não suar é, evidentemente, Isabelle Adjani. Mesmo chorando aos cântaros como gosta de fazer, ela é eclipsada por dois coadjuvantes. Jean-Hughes Anglade está escorregadio e cheio de camadas como o rei Carlos IX, e Virna Lisi faz uma Catarina de Medici muito mais assustadora do que a Rainha Má da Branca de Neve. Todos os três venceram os Césars de suas respectivas categorias, e Virna ainda faturou o prêmio de interpretação feminina do festival de Cannes. "A Rainha Margot" deveria ser exibido em sala de aula, pois mostra em detalhes horripilantes o que foi a Noite de São Bartolomeu, quando católicos franceses massacraram um bando de protestantes - uma antepassada direta do Casamento Vermelho de "Game of Thrones". Mas o tratamento que o diretor Patrice Chéreau dá a essa história verídica lembra outro clássico do cinema: nada menos que a trilogia "O Poderoso Chefão". A Casa de Valois é uma espécie de família Corleone do século 16, capaz de qualquer coisa para se manter no poder, mesmo que o preço a pagar seja altíssimo. Quem gosta de filme de máfia precisa ver.

30 comentários:

  1. Minha eterna Adele H.!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ó se ídolo aqui, você é uma pessoa ingênua que achava que o cabelo do EIke era real. Por pessoas como você e os gananciosos sem caráter todos nós pagamos um preço alto
    A fim de agradar os grandes laboratórios estrangeiros, Fernando Henrique Cardoso patrocinou uma lei de propriedade industrial que permitiu que medicamentos que já eram de domínio público no mundo todo fossem patenteados no Brasil.


    As consequências foram devastadoras para a indústria farmacêutica brasileira. A produção de muitos medicamentos foi interrompida. Os preços aumentaram. O custo do coquetel anti-HIV, por exemplo, foi multiplicado por 9.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando que eu disse que o cabelo do Eike era real e o que seu comentário tem a ver com a rainha Margot?

      FHC não é meu ídolo, tolinho. Só quem é muito burro idolatra um político.

      Excluir
    2. Você é ingênuo assuma! O FHC foi um horror pro país estava pensando na TV cultura como era interessante com programas infantis educativos jornalismo sério o PSDB destruiu a emissora depois que enquadraram o Serra.

      Excluir
    3. Que palhaçada é essa? De onde esse tolinho tirou que eu sou fanático pelo FHC? E nem história ele sabe direito. O PSDB governa SP ininterruptamente desde 1982. A época áurea dos infantis na TV Cultura, nos anos 1990, foi sobre o PSDB.

      Excluir
    4. Quando a emissora tinha liberdade enquadraram o Serra soltaram a Stasi na tv cultura

      Excluir
    5. Tony não responde essa loucas!

      Excluir
    6. O PSDB governa SP desde 1995.Antes,era o PMDB.
      ACORDA!!!!!!!!!

      Excluir
    7. Mas era justamente a ala do PDMB que se desgarrou e formou o PSDB. Franco Montoro foi um dos fundadores do PSDB.

      Excluir
  3. Foi essa guerra com os católicos que fundou os Estados Unidos e também foi o empurrão para a colonização do resto da América por católicos precisava de mais ouro para a guerra agora são os mussulmanos os inimigos quem guenta? E civilizações sofisticadas foram destruídas por essa gentinha em nome de Deus e a humanidade anda a passos largos pra trás rumo a extinção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi essa guerra que fundou também o Rio de Janeiro. O Rio foi fundado por huguenotes franceses e escoceses liberados por Nicolas Durand de Villegagnon (almirante que levou Mary Stuart para se casar com o Rei da França, irmão de Margot). , A cidade foi fundada em 1555 com o nome de Henriville.
      Eles construíram tambem o Forte Coligny em homenagem ao militar Coligny braço direito de Henri de Navarre, marido de Margot. Estácio de Sá não fundou o Rio de Janeiro, apenas expulsou os franceses e Refundou a cidade. Esses franceses também deram o nome ao país chamando a região de Bresil (brasas vermelhas) que era a cor do pau brasil.
      A história resultou num filme disponível no YouTube chamado Rouge Bresil, onde Villegagnon é interpretado pelo sueco Stellan Skarsgard.

      Excluir
    2. Que interessante! Como meu professor de grego comentou ainda vivemos no renascimento a era dos “banqueiros” estreada pelos Medici antepassados da Catherine está com tudo espoliação a mil Setúbal e famiglia Bradesco que os diga...crise de 2008 também. E das piores guerras religiosas que duram até hoje sob o nome de guerra ao terror o povo afegão sabe disso muito bem. Os evangélicos no BR (socorro) tbm fazem parte da guerra aos católicos.

      Excluir
  4. Esse monstro não foi embora do autoritarismo da intolerância religiosa da ignorância e de se pensar que se resolve as coisas matando da espoliação e exploração do outro da violência, talvez hoje seja até pior. Veja a guerra no Iraque que o Bush chamou de cruzada, as guerras pra vender armas a Líbia voltando ao negócio de tráfico de escravos (os escravos africanos em direção aos Estados Unidos passavam pela Líbia) e sem contar nosso maravilhoso país 500 anos de escravidão sem dar um único passo à frente graças a classe dominante maravilhosa e burra que temos aqui a humanidade não evoluiu em nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os escravos africanos em direção aos EUA saíam da África Ocidental. A Líbia fica na África do Norte. Por lá passam hoje os imigrantes africanos rumo à Europa, não aos EUA.

      Excluir
    2. Dizem que o Blues nasceu na Líbia, faça uma pesquisa melhor. De qq jeito o mercado de escravos lá voltou depois do assassinato brutal do Gaddafi. Um mundo governado por loucos

      Excluir
    3. Faça você. Eu não estou interessado neste assunto. O post é sobre "A Rainha Margot".

      Excluir
  5. 19:11. Qual é o CID dessa doença que vc se encontra? Bateu uma curiosidade.
    Rainha Margot para mim é uma coisa assim Cleópatra com Liz Taylor. Chatinho que só.
    E Adjani, dá licença, muito fraca sempre. Nunca mais nem tinha ouvido falar nela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CID DA DEUSA que não assiste rede Globo Liz Taylor era um coco, não era muito bonita nem novinha Isabelle com 40 anos nesse filme arrasa.

      Excluir
    2. Anônimo 21 de fevereiro de 2021 20:24 - 37/38 anos à época das gravações e 38 na estreia em Cannes (de 12 a 23 de maio de 1994).

      Excluir
  6. Kkkkkkk a louca, Adjani FOI um rosto bonito, hoje ( puxei do Google) deformada por plásticas.
    Querer comparar com Lizinha??
    Olhos violeta que desde criança brilhavam nas telas, última grande estrela de Hollywood, estrelou de bobagens de bilheteria a filmes de arte. Colecionou jóias, amantes, amigos e uma luta contra a Aids como poucos no mundo fizeram.
    Já Adjani....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atores bons não tem só no eixo EUA-GB.Adjani é
      FRANCESA.Vive la France!

      Excluir
  7. Quando o povo falava do baile vermelho de Guerra dos tronos como se fosse a invenção da pólvora, eu falava de rainha Margot e tb que isso aconteceu na vida real que é chamada de a noite de São Bartolomeu! E o pintao de vincet perez e os pelos abundantes e loiros ! E os figurinos!ea beleza da protagonista! E para amar...

    ResponderExcluir
  8. Fiz o comentário antes de ler e acabei fazendo resumo! Bom temos o mesmo pensamento! Só faltou Vc falar do big do vincet! Mas vc é mocinho de família kkkkkk

    ResponderExcluir
  9. O filme é baseado num livro do Alexandre Dumas, não? Para mim é um clássico, também assisti duas vezes no cinema, mesmo que hoje a gente ache a Adjani meio canastrona. Mas quem se importa, ela já foi o rosto da Marianne. E me chamou a atenção uma coisa de que eu não me lembrava, a cor do vestido de casamento, vermelho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vestido de noiva branco é uma invenção recente, do século 19. Parece que surgiu na Inglaterra vitoriana, para simbolizar a virgindade e a pureza da noiva. Em outras culturas, o que vale é ostentar riqueza nessa hora: as noivas aparecem carregadas de joias e tecidos caros.

      Excluir
    2. Tipo assim... que papo é esse pra tudo chegar a Trump e Bolsonaro.
      G-

      Excluir
  10. É assinei a bosta do Belas Artes por sua causa, filme incrível e triste! Essa guerra com certeza não acabou! Terra plana? Bolso Netanyahu Trump? Todos frutos da ignorância que o capitalismo e a religião precisam promover pra nos manter submissos e atrasados

    ResponderExcluir