domingo, 24 de janeiro de 2021

IMORAL DA HISTÓRIA

Pelo trailer, "O Tigre Branco" parece uma história de superação e uma ode ao empreendedorismo. Rapaz indiano de casta baixa se torna motorista de uma família rica, come o pão naan que a deusa Kali amassou, dá a volta por cima e termina como o feliz proprietário de uma empresa bem-sucedida. Só que não é bem assim. No meio há um acidente fatal do qual ele não tem culpa - no entanto, mesmo assim, seus patrões o obrigam a assinar uma confissão, e a troco de nada. Esse evento catalisa toda a revolta que o cara acumula desde a infância, e mais não posso contar. Dirigido pelo americano de origem iraniana Ramin Bahrani, "O Tigre Branco" é a versão frenética de um livro de sucesso, e suas duas horas de duração passam voando. Disponível na Netflix, o filme exibe o contraste brutal entre a miséria de favelas e aldeias e a opulência e crueldade dos magnatas que controlam a política e a economia da Índia. O novato Adarsh Gourav está fenomenal como Balram, o chofer humilde e cara-de-pau, que esconde com um sorrisão no rosto o pote até aqui de mágoa que tem por dentro. O bonitão Rajkummar Rao, que faz seu patrãozinho, é um astro de Bollywood. Sua mulher é Priyanka Chopra, agora também Jonas - cada vez mais roliça mas sempre ótima. Já tem gente comparando "O Tigre Branco" a "Parasita" e, de fato, os dois mexem com vara curta na desigualdade. Mas este longa também é uma espécie à parte. Um animal raro, que transborda energia e desafia nossas expectativas de mensagens edificantes. É uma história imoral.

14 comentários:

  1. Interessante. Vou incluir na minha watch list. Quando eu acabar "pandemic themed" boy love filipino, eu assisto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro BL! Que BL filipino é esse que vc fala?

      Excluir
    2. Gameboys. Tem na Netflix.

      Excluir
  2. Sempre adorei seu blog e acompanho a anos..porem disse que a Priyanka esta roliça foi bem desnecessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual o problema falar a verdade, tá gorda mesmo e eu tb estaria se fosse rica é casada com o Nick Jonas.

      Excluir
    2. E sendo linda! Quase esqueci...

      Excluir
    3. A Prianka é ridiculamente linda, a Índia hoje é um país extremamente poderoso ao contrário dos seus ex chefes coloniais que perderam todo seu poder e em breve perderam a Escócia, será que essa inversão acontecerá com o Brasil e a França? Nossos semi colonizadores junto com os americanos

      Excluir
  3. Tem o 99 casas, na Netflix, do mesmo diretor. Também é uma porrada.

    ResponderExcluir
  4. O diretor deve ser esquerdista, pois dá a ideia que não se pode vencer na vida sem ser desonesto. Empreendedorismo e livre iniciativa existem. O problema é o ESTADO gigantesco e corrupto que existe em países como ÍNDIA e BRASIL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sendo honestíssimo vc vence no Brasil, só que não...os bancos não falam a verdade, os políticos nos roubam, não todos mas muitas empresas nos lesam ( construtoras principalmente) e vc quer vir com discursinho de PT ( sai pra lá bicha Alice!!!)

      Excluir
    2. ai anjo, negro não vence nos USA, pobre não vence no Brasil, você e nenhum de nós brasileiros conseguimos entender nem 25% da complexidade que é a Índia. já o branco vence nos USA e na Europa; o chinês, o sul-coreano e o japonês vencem nos seus respectivos países.

      e como se só esquerdista fosse desonesto.

      se manca, viado.

      Excluir
  5. O Mio Babbino Caro
    ..."O que vem do berço só o túmulo leva", a gatinha limers!

    ResponderExcluir
  6. MA-RA-VI-LHO-SO, muito superior a "Parasita" (filminho pretensioso da porra). E a gente achando que a nossa realidade brasileira é fudida.

    ResponderExcluir