quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

É GOLPE MESMO

Hoje é daqueles dias de cantarolar o comecinho de "Bohemian Rhapsody" (Is this the real life? / Is this just fantasy...) Nunca imaginei ver a CNN americana estampar uma manchete como esta: "Trump vai falar a apoiadores em desesperada tentativa de golpe". A mais antiga democracia em funcionamento no mundo nunca passou por um golpe de estado, e realizou transições pacíficas de poder mesmo durante guerras ou crises econômicas. Mas o Bebê Laranja vem se revelando muito mais do que um rufião vindo do mundo dos reality shows. Ele quer mesmo é se tornar um ditador como Erdogan ou Maduro, e dane-se todo o resto. O Capitólio acabou se ser invadido em Washington, por uma manada de incels que há meses vem sendo insuflada pelo derrotado nas urnas. Não vai dar em nada, porque a maioria democrata no Congresso e os republicanos decentes nas duas casas vão respeitar a vontade do povo. Mas é um precedente gravíssimo, que pode ter desdobramentos funestos nos próximos anos. Ainda mais triste é ver bolsominion no Twitter expelindo que só Trump defende o Ocidente, num trailer apavorante do que vem aí nas nossas eleições de 2022.

14 comentários:

  1. Eu já acho que os EUA tem a democracia mais antiga ainda em movimento no mundo. Mas funcionamento? Isso aí é funcionamento? A segregação racial infinitamente mais forte que no Brasil (não to dizendo que Brasil não tem racismo, mas a divisão deles é chocante, especialmente nos estados do sul, como se 2 séculos de abolição nem tivessem acontecido). As diferenças e ajustes feitos pra acomodar novos estados (especialmente os puxados e bem-cientes do seu peso Texas e California). Sem contar que nem dá pra falar direito em democracia antes da (aparentemente primeira) guerra civil deles. Em 1776 eram the next best thing, literalmente. Ideais iluministas antes mesmo da revolução francesa. Mas foi o declínio das potências europeias ao longo do século XIX, a doutrina monroe e destino manifesto e um século XX de bonanza graças a uma geografia privilegiada em relação aos dois maiores conflitos no planeta que botaram os EUA nessa posição de superpotência mundial, mas tudo feito por cima de 2 séculos e meio de compromises... Isso não funciona pra sempre. A gente sabe que esse título tem alta rotatividade.
    Pode ser que daqui a pouco a polícia contenha os revoltosos e pronto. Mas a vitoria "não-acachapante" do Biden foi um pouco como a igualmente broxante vitória da Dilma em 2014: não trouxe exatamente união ao país dividido. Só começou a rasgar mais ainda. Pra mim, os EUA são um século de sucesso (o XX). E isso é muito pouco tempo na história do mundo, se olharmos as outras potências, como nasceram e como morreram.
    No mais, alguém duvida que se esses proud boys HTs fossem negros, já não teriam sido fuzilados pelo homeland security e o escambau?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vitória de Biden foi acachapante sim. Dilma foi sabotada por Michel Temer desde o primeiro mandato. O próprio confessou que já conversava com militares que desde aquela época e estes faziam ameaça não tão veladas. A comissão da verdade é mentira para eles.

      Excluir
    2. Esquece essa porra de colégio eleitoral, porque quando é pra reclamar que um democrata perde, a gente xinga o sistema, mas se o democrata ganha, aí é acachapante. Pois KIRIDA, leia e chore:
      "Biden won 81,283,098 votes, or 51.3 percent of the votes cast. He is the first U.S. presidential candidate to have won more than 80 million votes. Trump won 74,222,958 votes, or 46.8 percent of the votes cast. That’s more votes than any other presidential candidate has ever won, with the exception of Biden."
      Ou SEJE, ambos foram os mais votados DA HISTÓRIA. A diferença entre eles foi só de 7 milhões de votos. Tem 46,8% de um país fazendo birra e arruaça contra 51,3% do mesmo país. Isso não vai ser a pacificação universal que estão pregando. Ainda vai ser um longo caminho a percorrer com muitos solavancos. Ainda tem muita gente birrenta com a derrota do Trump, além do próprio. Já até mandaram a "Melônia" de volta pra Ljubljana pra ser reprogramada.

      Excluir
    3. Calma lá. Sete milhôes de votos de diferença não é pouca coisa, não. Tampouco são 46,8% dos eleitores que estão fazendo arruaça. É uma franja estreita de extremistas, malucos que usam camiseta "Camp Auschwitz" e se fantasiam de Touro Sentado. Trump queria, na verdade, o controle do partido Republicano, e acho que, por causa de ontem, o perdeu para sempre.

      Excluir
    4. Dilma teve 51,46% dos votos em 2014 no segundo turno.
      O bebe chorão da vez no Brasil fez e aprontou tanto que estamos presos naquela eleição desde novembro de 2014.

      Excluir
    5. Anônima direitosa 7 de janeiro de 2021 10:59: A diferença entre eles foi SÓ de 7 milhões de votos.
      Não preciso acrescentar mais nada.

      Excluir
  2. Eita. Uma plano boboca bolado para arrancar dinheiro de alguns trouxas que acabou saindo do controle e pode até lhe custar uma temporada na cadeia.

    ResponderExcluir
  3. Que delícia ver a bananização (de bananas mesmo) da política norte-americana... Eles que foram responsáveis por interferências e desintegrações políticas em dúzias e dúzias de outros países. Que se destruam.. e que a nova potência chinesa seja bem vinda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os EUA é uma merda. Porém,
      é uma merda muito melhor que a China.

      Excluir
    2. Será ? ZERO mortos em dois anos de revoltas em Hong Kong. Ontem morreram quatro norte-americanos.

      Excluir
    3. Ah, sim, porque a mídia estatal chinesa é super confiável.

      Excluir
    4. A bem da verdade, a mídia estatal chinesa é tão confiável quanto a grande mídia privada brasileira

      Excluir
    5. Gado detected. Só na cabeça de um asno que a mídia estatal de uma ditadura comunista pode ser comparada à imprensa livre de uma democracia, ainda que imperfeita. Na China tem censura, partido único e perseguição aos dissidentes. Nada disso tem por aqui.

      Excluir
  4. Aa menos o gado de lá assume o posto e usa até os chifres. Eu achava exagero dizer que eram incels. Agora ficou claro.

    ResponderExcluir