sábado, 30 de janeiro de 2021

CAVE SEU PRÓPRIO BURACO

Numa época tão incerta como a nossa, "A Escavação" cai bem. O filme não é quadrado, é cúbico. Um drama britânico de época que tem tudo o que a gente espera do gênero: lindos figurinos, fotografia aconchegante, atores geniais. Os protagonistas são Ralph Fiennes, eixando o ar aristocrático na chapelaria para encarnar um homem do povo, e Carey Mulligan, um pouco jovem demais para fazer uma mulher de 56 anos. A história é baseada num caso real: em 1939, às vésperas da 2a. Guerra Mundial, uma viúva rica contrata um arqueólogo amador para escavar sua propriedade, porque ela tem um "feeling" de que algum tesouro se esconde naquelas terras. Os dois acabam encontrando um barco funerário anglo-saxão do século 6, atraindo as atenções das autoridades e da mídia. O elenco dobra de tamanho na segunda metade do longa, com a chegada de novos personagens. Os de maior destaque são o casal infeliz feito por Lily James, enfeiada de propósito, e Bem Chaplin, e outros dramas correm em paralelo. Nada que faça o espectador explodir em lágrimas, nem experimentar intensas emoções. Sem jamais cavar muito fundo, "A Escavação" é só um episódio especial de "Downton Abbey" com as mãos sujas de terra. mas quem disse que isso é ruim?

2 comentários:

  1. Quanto ela tiver 40 vai ter cara de 20! E colocam ela para fazer uma mulher de 56 ! Que forçado.

    ResponderExcluir
  2. Não é um filme originalíssimo, mas é um filme belíssimo. Ah, e eu me emocionei, sim...

    ResponderExcluir