domingo, 17 de janeiro de 2021

OS QUATRO GIGANTES

Historicamente, aqui no Brasil, filmes com protagonistas negros, dirigidos por negros e com temáticas que tenham a ver com a questão racial costumam ir mal nas bilheterias. As comédias de Tyler Perry, um sucesso estrondoso nos EUA, quase nunca chegam por aqui. Quero só ver se "One Night in Miami", um dos destaques dessa temporada do Oscar, vai ter alguma repercussão. O longa de estreia na direção da atriz Regina King é baseado num caso real, e acaba de estrear na Amazon Prime Video. No dia 25 de fevereiro de 1964, quatro gigantes da cultura afro-americana se encontraram em Miami. Só um deles é bastante conhecido pelos brasileiros: Muhammad Ali, que até então ainda se chamava Cassius Clay. Dois outros morreriam pouco tempo depois. O cantor e compositor Sam Cooke foi alvejado numa escaramuça com a dona de um motel, no final daquele ano, e o ativista Malcolm X levaria 16 tiros de seus correligionários na Nação do Islã, organização de onde ele tentava sair, no ano seguinte. Só o ex-jogador de futebol americano Jim Brown, que depois engatou carreira no cinema, continua entre nós. Ele não conta o que os quatro discutiram naquela noite, mas tampouco desmentiu a peça de teatro que serviu de base ao roteiro de "Uma Noite em Miami". Essa origem teatral é nítida na longa sequência central do filme, que é uma espécie de D.R. à quatre. Os destaques vão para o britânico Kingsley Ben-Adir, da série "High Fidelity", e Leslie Odom Jr., que pode ser visto no "Hamilton" da Disney +. Eles fazem, respectivamente, Malcolm X e Sam Cooke, e seus embates sobre a politização (ou não) de uma celebridade ainda soam atuais. Mesmo assim, o filme não chega a empolgar. Mas merece ser visto pelas atuações, pela importância histórica e pelas inevitáveis indicações ao Oscar que irá receber.

15 comentários:

  1. Verei. Vi uma cena deste filme no instagram do Um Filme Me Disse, em que um personagem disseca o comportamento dos brancos salvadores, e como ele odeia mais estes do que os racistas declarados. Eu também!

    ResponderExcluir
  2. Filmes que tratam do "empoderamento" negro já estão começando a cansar. A gente sabe da distância social dos negros, principalmente no Brasil, é necessário que se lute, que racismo estrutural seja combatido e divulgado, mas toda hora, toda entrevista, todo programa, já tá dando no saco. Até o Luciano Huck, o judeu que faz propaganda de mortadela, tá na onda. No Instagram daquela Djamila Ribeiro, não tem um post sequer em que ela não fale de orgulho, beleza, resistência, até quando frita um ovo ou paga uma conta na lotérica ! Quero ver um branco pobre e favelado falar a mesma coisa e não ser taxado de racista. Grupo Raça Branca da Quebrada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muderninho hipócrita progressista que se acha a última bolacha do pacote da minha turma que vive numa bolha e que sabe das coisas afinal graças a Deus eu tô sempre do lado certo e qualquer um que discorde de mim é racista fascista retrógrado minion porque eu sou muito diferente deles detected .

      Excluir
    2. Olha, outro racista detected.

      Elas estão descontroladas

      Excluir
    3. TONY GOES, A BICHA PRETA AQUI TE AMAAAAAA

      😘😘😘😘😘😘😘😘

      Excluir
    4. Tony 15:39
      É a mesma.

      Excluir
    5. Anon 15:08
      O mundo virou gay. É o gayzismo. Distribuição de kit Gay nas escolas e mamadeira de piroca nas creches. A gente sabe que gay sofre, é colocado pra fora de casa, apanha na rua leva lampadada na cara. Mas já encheu o saco falar tanto de Gay gay gay gay...menina deixa de ser ridícula. Ninguém aqui está te proibindo de nada solte suas tranças e cresça babaca.

      Excluir
    6. 17:59 Eta carência da porra

      Excluir
  3. Só pra entender. Você citou o fato da enfermeira que foi a primeira vacinada,ser negra.Ela simplesmente tomou uma vacina pelo fato de ser enfermeira, profissional da saúde. Se fosse branca, japonesa ou árabe ,mereceria o seu comentário? Mesmo tendo a melhor das intenções, achei um pouquinho racista, nénão? Vamos combater o racismo estrutural!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E outro racista detectei! Se não for o mesmo, claro.

      Excluir
    2. Vamos desenhar pra você bebe!

      Excluir
    3. 19.15. A senhora é burra! Vc reforçado o fato dela ser negra para fazer política! Que planeta vc vive, antes de dar sua opinião, leia o blog e outros contrafé informação.

      Excluir
  4. O Mio Babbino Caro
    É só o brasileiro padecendo de sua enorme ignorância. Duvido que dez por cento aqui saibam quem é esse estrondoso sucesso nos EUA, Tyler Perry.

    ResponderExcluir
  5. Malcom possivelmente foi assassinado pelo governo americano assim como MLK a filha dele conta que a ele foi negado entrada na França porque estava marcado pra morrer e o governo francês não queria o assassinato dele em seu solo nos livros de história.

    ResponderExcluir