sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

32 DE DEZEMBRO

Estamos acostumados a encarar o começo de um ano novo como o início de uma nova era. Todos os nossos sonhos serão verdade, o futuro já começou etc. etc. Aqui no Brasil, então, gostamos de nos vestir de branco para o Réveillon - nenhum outro país no mundo tem esse costume. Para nós, o ano vindouro é como um bloco de 365 páginas em branco, que iremos preencher com sabedoria inaudita. Afinal, tudo mudou! Só que não, é claro. Essa obviedade caiu na boca do povo, com as piadas recorrentes sobre a fase 2.0 de 2020 ou o 13o. mês de um ano que não vai acabar tão cedo. Mas, em alguns lugares, vai. Nos Estados Unidos, Trump talvez saia escondido da Casa Branca, na calada da noite, e não estará presente na posse de Biden. Tanto faz: o Bebê Laranja pode escamotear à vontade, mas a pecha de perdedor grudou nele para sempre. Na Europa, os ingleses começarão a se dar conta da cagada homérica que fizeram ao pedirem para sair da UE. O pai do Boris Johnson já pediu cidadania francesa. Infelizmente, aqui no Brasil a perspectiva é mais do mesmo. Já passamos da metade do governo Biroliro, mas a eleição de 2022 ainda parece a anos-luz de distância. Uma luz no meio do túnel é a eleição para presidente da Câmara de Deputados daqui a um mês. Se Baleia Rossi vencer, as chances do Bozo cair antes aumentam um pouco. Enquanto isso, continuamos sem vacina, sem ministro da Saúde e sem consciência social, como provam as fotos de aglomerações de norte a sul. O brasileiro é um povo tão egoísta que nem sei se pode ser chamado de povo. Aqui é cada um por si e fodam-se os demais, inclusive as nossas próprias famílias. A partir de meados de janeiro - ou "trezembro" - podemos contar com uma explosão de novos casos de Covid-19. Mesmo assim, duvido que passemos a usar máscaras direito ou a praticar o distanciamento social. Temos o que merecemos. Um ano infernal, e interminável.

9 comentários:

  1. Eita, que ele já começou o ano com sangue no olho!!!
    Gosto assim... Um beijo na boca, mas com respeito a seu marido.
    Feliz 2021!!!

    ResponderExcluir
  2. Deixe de ser pé-frio!!! E viva o Neymar e sua festa!

    ResponderExcluir
  3. Crivella caiu, Trump caiu e logo mais a família bostonauro cai também.

    Quanto ao isolamento social, ele foi feito por grande parte da população - com índice de 70% de isolamento para que o governo tivesse tempo para os hospitais de campanha, respiradores e etc.

    Mas não dá pra viver em isolamento para sempre ou melhor até a vacina alcançar toda a população - coisa de 3 anos ou mais, já que nem as vacinas clássicas andam em dia por aqui.

    Um milhão de mortes não aconteceu, Lockdown é inaplicável por aqui
    e tô esperando o tal "pico" da epidemia até hoje.

    Então tomemos cuidado com certos exageros para não banalizar aquilo que não se deve.

    ResponderExcluir
  4. Seria maravilhoso se todos pudéssemos viver isolados, mas nem a economia nem a saúde mental permitem e as duas andam aos frangalhos nesta terra verde e amarela.

    ResponderExcluir
  5. Quem mandou ir para a Paulista empurrar pato "verde-e-amarelo"?

    Bando de gente BREGA, CAIPIRA e MUITO EGOÍSTA.

    ResponderExcluir
  6. "cada um por si e fodam-se os demais"
    Brasil é exatamente isso.
    Eu só acrescentaria a hipocrisia de (quase) todo brasileiro, que crê que o problema está sempre nos outros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno 21:47
      Cala a boca empurrador de pato, hipócrita.

      Excluir