domingo, 27 de dezembro de 2020

MINHAS PESSOAS DE 2020

Chegou aquele momento tão temido: a minha retrospectiva do ano que ora finda. Um ano que preferíamos esquecer. Quem passou incólume pelo vírus teve planos adiados, realizou muito menos do que se propôs e agora está louco para aglomerar. Enquanto a vacina não chega, uma salva de palmas para as pessoas que conseguiram brilhar em 2020 e nos ajudaram nessa dura travessia. Pela primeira vez, só tem brasileiro na minha lista.

ATILA IAMARINO
O microbiólogo já tinha milhões de seguidores em seu canal Nerdologia no YouTube, mas virou uma celebridade nacional por causa do coronavírus. Sua entrevista ao Roda Viva foi um dos episódios do programa de maior audiência de todos os tempos. Mesmo assim, ele foi atacado quando disse que a pandemia poderia durar até dois anos, com períodos intercalados de relaxamento e lockdown. Pois não é que o cara estava certo?
BRUNO SARTORI
Antes que o deep fake vire uma ferramenta a serviço do mal, esse editor de mídias sociais o transformou na mais completa galhofa. Quem aí não riu com os vídeos do Biroliro fantasiado de Chapolin, ou cantando "I Will Survive"? O Pau Fino foi seu alvo preferencial, mas também sobrou para Carluxo, Moro e até Lula, o que suscitou a ira dos petistas contra o rapaz. Eis aí uma prova viva de que a extrema-direita não tem o monopólio da internet. Precisamos de outros como ele.

GABRIELA PRIOLI
Bastou uma semana de CNN Brasil no ar para que esta advogada se tornasse uma estrela. Com serena beleza, argumentos sólidos e uma dose elegante de sarcasmo, ela desmontou babaquinhas profissionais feito o Caio Coppolla. Cansada de ser manterrupted, a moça pediu para sair do "Grande Debate", uma versão farialimer do "Superpop". Mas ainda deu aula de política para Anitta, e agora cobra merecidos 500 paus por seu curso online.
MARCELO ADNET
Esse é velho conhecido nosso, mas conseguiu fazer um trabalho excepcional num ano em que a televisão entrou em crise. Seu programete "Sinta-se em Casa", produzido de segunda a sexta com recursos caseiros e uma verve certeira, foi o melhor comentário audiovisual ao noticiário surrealista a que fomos submetidos. Pena que acabou: agora pai de uma bebê recém-nascida, Adnet mal tem tempo de nos divertir. Mas de vez em quando ainda tem.

MARIA BOPP
Entrevistei a atriz de "Me Chama de Bruna" no final de 2019, e ela não me falou nada sobre a Blogueirinha do Fim do Mundo. Acho que a personagem ainda nem existia: como muitas criações geniais, esta também surgiu de repente, sem maiores pretensões. Ah, e já viu como ela esculacha com luvas de pelica os minions que a "acusam" de ter aparecido nua na TV? Musaaa!
NATÁLIA PASTERNAK
Eu também não aguento mais ouvir a voz da bióloga na TV, chamada a opinar todos os dias em todos os canais, assim como sua colega Margareth Dalcolmo. Mas elas trazem luz para um país em que muita gente prefere acreditar num miliciano despreparado. Já entrou para o folclore de 2020 o esporro que Natália deu no Jornal da Cultura, depois de uma matéria que sugeria "humor" e "leveza" para abordar quem não usa máscara.

RITA LOBO
Não estou brincando quando digo que esta foi a pessoa que mais influenciou minha rotina durante o confinamento. Não fossem suas receitas básicas, estaríamos comendo pizza congelada toda noite aqui em casa. Conheço essa cozinheira fabulosa desde os tempos de apresentadora de programa de moda na MTV, mas agora ela virou Santa Rita da Quarentena, Padroeira dos Inexperientes. Amém.
SILVIO ALMEIDA
Este foi o ano em que eu finalmente me dei conta do racismo estrutural que permeia toda a sociedade brasileira e boa parte do mundo ocidental. Não foi nenhum insight. Devo isso a pensadores como Thiago Amparo, Djamila Ribeiro e, principalmente, a este advogado e professor, que deu uma entrevista histórica e necessária ao Roda Viva. Digo e repito: os negros estão percebendo que são maioria no Brasil. Os reacionários não perdem por esperar.

SLEEPING GIANTS
Os bolsomijons estão atordoados até agora. Não acreditam que, por trás do perfil no Twitter que vem ajudando a desmonetizar dezenas de sites e canais birolistas, está um jovem casal do Paraná, Leonardo de Carvalho Leal e Mayara Stelle. Nada de George Soros ou illuminatti pedófilos. Só duas pessoas comuns e indignadas, com acesso à internet e coragem a dar com pau. Que exemplo.
THELMA ASSIS
Entre os nove negros que venceram realities competitivos na TV brasileira em 2020, Jojo Todynho é a mais engraçada e carismática, mas foi a médica campeã do BBB 20 quem se revelou uma autêntica fada sensata. O raro caso de uma anônima que vira famosa de uma hora para a outra e não só não enlouquece, como ainda melhora. Que ela seja um símbolo das mudanças que já vêm acontecendo e irão se acelerar em 2021.

16 comentários:

  1. afe faria tanto o atila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha lista seria parecida, mas icluiria, além do Emicida, o Dr Augusto de Arruda Botelho que pacientemente desmontava todos os dias as falácias de Caio Combolas na CNN Brasil e Henry Bugalho que despontou como uma das principais vozes no YouTube contra o bolsonarismo.

      Sobre o Deep Fake: tenho medo do potencial que esse troço tem como ferramenta maligna.

      Excluir
    2. Querido a tecnologia que temos acesso hoje estão na mão dos militares 30 anos antes, sempre é assim. Seu próprio telefoninho de merda com touch screen é basicamente tecnologia dos anos 70. Off-line is the new luxury.

      Excluir
  2. O Mio Babbino Caro
    Impagável, começou muito bem. Só incluiria o Emicida e um tal de Tony Goes representando o seguimento LGBTQIA+ e Diversos rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incluiria na minha lista o Thiago Amparo, e sim, o Tony Goes, mas este consta na minha lista todos os anos.

      Excluir
  3. Cara quem aguenta o Átila! O nerdologia era um lixo, minha opinião o jeito como a mídia tratou a pandemia tem todas as características de terrorismo social e o jeito que a OMS tratou de vendetta pelo 5G chinês bloqueado pelos EUA e com vice presidente presa no Canadá. O Japão chamou a OMS de órgão de repressão chinês. Sei não estou com o Agamben e não largo depois do terrorismo islâmico chegou a vez das pandemias ocuparem o lugar do motivo pelo estado de exceção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O gado negacionista veio pastar. Abre a porteira, Tony.

      Excluir
    2. Que louca. Aprende a escrever primeiro, com pontuação e coesão, antes de falar merda.

      Excluir
    3. tudooooooo kkkkk

      Excluir
    4. Agamben é gado negacionista?! Você não conhece sua filosofia e não entende nada sobre o autoritarismo. Acreditar que pandemias serão usadas como controle social não significa que elas não existam, leia o texto que o Agamben escreveu logo no início dessa merda talvez entenda que o gado negacionista é você.

      Excluir
    5. Gado é quem nega o estado de exceção e aceita a restrição de liberdades de mão beijada.

      Agamben detecta aí um “perverso círculo vicioso” no qual, induzidos pelo governo, os indivíduos trocam de bom grado a liberdade pela segurança e, assim, fomentam o estado de exceção que os controla pelo medo.

      Excluir
  4. Cooldude aprenda a falar inglês primeiro

    ResponderExcluir
  5. A verdade é que as pessoas se tornaram ‘socially awkward’ tem medo da vida social. Medo uma das outras, isso é um processo de anos e até os xóvens trocam a vida loka pelo Netflix. Daí aparece uma pandemia maluco aceita as restrições numa boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK... Deixa eu adivinhar; e vc é a bicha fodona que não se submete ao "sistema"...Ai, o gado, não cansam de passar vergonha...Continua, queremos rir mais...

      Excluir
  6. Deveras interessante a sua lista. Não conhecia alguns nomes dela. Incluiria também o Dr. Fauci e os diversos outros funcionários de carreira do governo americano. Afinal, forma eles que, por debaixo dos panos, conseguiram (aos trancos e barrancos) manter a maior democracia do mundo nos eixos apesar do maluco que (ainda) a governa.

    ResponderExcluir