terça-feira, 3 de novembro de 2020

NÃO EXISTE ESTUPRO CULPOSO

Santa Catarina disparou nos últimos dias na disputa pelo título de estado mais retrógrado do Brasil. Não bastasse uma governadora que passa pano para o nazismo e o ataque à equipe da Globo na praia do Campeche, em Floripa, agora SC pode se envergonhar de ser o lugar onde nasceu a expressâo "estupro culposo". Essa figura inexistente do Direito brasileiro foi inventada por Thiago Carriço, o PROMOTOR, não o advogado de defesa, do julgamento de André de Camargo Aranha, acusado de estuprar a youtuber Mariana Ferrer. Já o defensor do réu, Cláudio  Gastão da Rosa Filho - que tem Olavo de Carvalho e Sara Winter em sua fina clientela - humilhou a vítima e levou-a às lágrimas. Um comportamento que já era inaceitável 50 anos atrás, o que dirá agora. E o juiz Rudson Marcos não só não interferiu como aceitou os argumentos, inocentando o estuprador. O lado bom dessa história tenebrosa é que uma onda de indignação se levantou nas redes sociais. Mari Ferrer provavelmente terá advogados melhores e gratuitos, e até Gilmar Mendes já manifestou seu espanto com tamanha arbitrariedade. É importante divulgar os nomes de todos os homens envolvidos, para que eles sofram todas as consequências de seus atos. Os tempos mudaram, até mesmo em Santa Catarina. 

ATUALIZAÇÃO: A expressão "estupro culposo" foi criada pelo site The Intercept Brasil. Não foi dita pelo promotor Thiago Carriço, nem consta da sentença emitida pelo juiz Rudson Marcos. MAS o promotor disse, sim, que não houve dolo por parte de André de Camargo Aranha - o que, sim, equivale a dizer que o estupro foi culposo, não doloso. E nada disso altera o fato de que o advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho usou os termos mais baixos para desqualificar Mariana Ferrer, que implorou em vão por respeito. Agora ele diz que suas palavras foram tiradas de contexto, mas o vídeo acima não deixa qualquer margem de dúvida.

17 comentários:

  1. É vergonhoso. Aula de machismo estrutural. Ela podia ter posado NUA que isso não daria a ninguém o direito de estuprá-la - uma obviedade que infelizmente acaba precisando ser lembrada. O advogado tentou constrangê-la por ter foto com dedinho na boca. Vou dar uma de Olavo: o dedinho dela podia estar enfiado NO CU. O corpo é dela. DELA, não do estuprador, não de seu advogado, não dos membros do Judiciário. O exame de corpo delito comprovou que ela era virgem e que foi cometido ato de violência. Logo após o estupro a menina chegou em casa com a roupa toda ensaguentada e com esperma no vestido - que, advinhem, bateu com o DNA do acusado. Querem mais o que? O malfadado advogado ainda tenta desmoralizá-la por estar com o aluguel atrasado. Acaba entrando em contradição no seu próprio preconceito: se ela fosse a vagabunda que ele está tentando pintar (o que, repito, não dá salvo-conduto pra estupro), bonita que é e ainda virgem, garanto que não estaria com o aluguel 7 meses atrasado.

    ResponderExcluir
  2. O Mio Banbino Caro
    Os homens brancos absolvem homens brancos:
    Mônica
    Ângela
    "Aida Curi era Rock
    Aracelli Balão Mágico
    Claudia Lessin a Geração de Reich"
    MARIANA FERRER Catarinas
    Quem estupra menina 'ainda não se dá' mal.

    ResponderExcluir
  3. Santa Catarina é um antro de atrasos. O estado cheio de nazipardos foi o que nos deu contribuições como o Veio da Havan, a governazista, e agora essa asneira de estupro culposo. Vergonha demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sdd do Esperidião Amim.
      Nada é tão ruim que não possa piorar.
      G-

      Excluir
    2. O Amin não tem nada a ver com isso,cara.

      Excluir
  4. Mais uma fake news.
    Ninguém leu a sentença, ninguém assistiu à audiência completa, ninguém leu a manifestação do Ministério Público.
    Leram só a manchete.
    Simplesmente indignaram-se com a matéria manipulada pelo The Intercept, que fez um recorte ultra tendencioso dos fatos em busca de cliques.
    Funcionou. Sempre funciona.
    E quando esses "cliques" equivocados e desinformados são na urna eleitoral, vcs reclamam...
    Mesmo assim, concordo que a vítima foi destratada pelo Advogado de forma inadmissível. Inadmissível mas perfeitamente dentro do que é a lei no Brasil: para os bandidos, tudo. Para as vítimas, nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua definição de fake news é bizarra. O Intercept nunca disse que o promotor falou em "estupro culposo". Foram os leitores e os internautas (eu inclusive) que entenderam errado. O próprio site já esclareceu o que fez.

      Nada disso alivia o comportamento vexaminoso do advogado Claudio Gastão. É por causa de sacripantas como ele que tantas mulheres não denunciam as violências que sofrem. Para não serem transformadas em rés.

      Excluir
    2. “Estupro por merecimento” foi a tese que imperou, e que ainda impera no julgamento da maioria das pessoas, incluindo no Judiciário. Isso não é dito com todas as letras na sentença por
      motivos óbvios, mas a passividade de todos os presentes na audiência enquanto assistiam o advogado do réu se comportar daquela maneira abjeta é prova mais do que suficiente.

      Excluir
    3. Esse Bruno deve ser hetero infiltrado. tô pra ver comentários mais preocupado em aliviar para inimigos de oprimidos do que esse fulano.

      Excluir
    4. Bruno,

      Vc leu a sentença toda? Vc assistiu a audiência completa? Vc leu a manifestação do MP?

      Pronto. Manifeste-se.

      P.S. cara, como vc é covardemente escroto!

      Excluir
  5. "Elas não ficam satisfeitas e querem levar o assunto de forma provocativa. Então, penso que [bater] é absolutamente correto".

    Esta frase quem disse foi Sean Connery, que morreu no último fim de semana sob a insígnia do cavalheiro em extinção. Aqui no Brasil todo morto vira anjo, mas em tempos de escancaramento do machismo estrutural com a audiência de Mariana Ferrer, convém não nos esquecermos disso.

    ResponderExcluir
  6. Nada anônimo, sou super do bem ;)
    Internet é sobre o debate em si, não sobre dominação(a menos que vc seja político profissional- e eu não sou).
    É no desconforto do questionamento que a sociedade avança.

    ResponderExcluir
  7. Via de regra, todos os crimes no código penal são dolosos por default. Os crimes culposos vêm descritos especialmente como tal. O que pode existir é no máximo erro de tipo e erro de proibição. Mas pro MP defender isso é porque o mundo virou de patas pro ar.

    ResponderExcluir
  8. E o Constantino que foi demitido da Jovem Pan depois do comentário escroto (no surprises) sobre o caso? Bem feito, acho é pouco. Dureza é NENHUMA MULHER no STF ter comentado o caso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentar pra quê?Pra aparecer na midia?

      Excluir
  9. "MAS o promotor disse, sim, que não houve dolo por parte de André de Camargo Aranha - o que, sim, equivale a dizer que o estupro foi culposo, não doloso. "

    Tony, essa conclusão não procede. Ele quis dizer que não ficou provada a intenção de estuprar. O intercept deu uma gigantesca bola fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da próxima vez, leia o post até o fim antes de mandar seu comentário.

      Eu fiz uma atualização.

      Excluir