sábado, 21 de novembro de 2020

FALAS NEGRAS IMPORTAM

O especial "Falas Negras" já tinha tudo para ser um marco na história da TV brasileira. A ideia de Manuela Dias, autora de "Amor de Mãe", é simples e genial: uma compilação de textos e depoimentos de grandes figuras negras, ao longo de cinco séculos de luta contra o racismo, a escravidão e a injustiça, transformada em monólogos dramáticos nas bocas de alguns dos maiores atores negros do Brasil. E aí, o que já era importante virou urgente. O assassinato de João Alberto Silveira Freitas por dois seguranças de um Carrefour de Porto Alegre transformou  o dia 20 de novembro de 2020 num ponto de inflexão: nada será como antes. Assim, o programa dirigido por Lázaro Ramos se transformou num manifesto político, num grito de revolta, num chamado às armas e numa catarse coletiva.

Senti falta de mais contextualização. Muitos dos vultos retratados são pouco conhecidos. Essas informações constavam dos e-mails que a divulgação da Globo mandou para a imprensa, mas precisavam ter aparecido na TV. Talvez no final, junto com a identificação de cada ator junto ao seu personagem. E que atores, hein? Eu não conhecia a metade. Como pode, tantos talentos enormes ainda serem tão pouco conhecidos? Ah, sim, tem o tal do racismo estrutural. O tom solene do início foi aos poucos dando espaço à mais pura emoção, e foi impossível segurar as lágrimas quando surgiram Silvio Guindane e Tatiana Tibúrcio, como, respectivamente, os pais de João Pedro e Miguel, crianças mortas pela violência e pelo descaso dos brancos. A fabulosa Tatiana, a quem eu nunca tinha visto, também foi a preparadora do elenco, e me deixou arrepiado até agora. "Falas Negras" é um programa para se rever, guardar e discutir. Já entrou para a história, mas só alcançará seus objetivos se também entrar para o dia-a-dia.

14 comentários:

  1. Da negrada todo mundo fala e tenta lucrar, mas dos coitados do AMAPÁ, estado pobre e afastado, nem o senhor e nenhum outro colunista fala ou se importa. No Amapá também deve ter negros, viu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo jeito você anda se informando só pelo WhatsApp, anônimo. A Globo, a Folha, o UOL, toda a grande mídia vem falando sem parar do Amapá. Saia da sua bolha e ligue a TV ou abra um jornal.

      Excluir
    2. Falam de rever a privatização desastrosa da companhia energética do Amapá? Não, né? Privatização é o remédio de tudo. Viva o Deus mercado. Quanto ao programa, foi muito bom. Poderia ter sido uma série de cinco capítulos para mostrar mais um pouco dos retratados.

      Excluir
  2. "E que atores, hein? Eu não conhecia a metade. Como pode, tantos talentos enormes ainda serem tão pouco conhecidos?" Isso foi o que mais me chamou atenção, nunca imaginei que haviam atores negros tão bons no Brasil. Sendo que a única que tem status de superstar é a Taís Araújo.

    E celebremos a Manuela Dias!!! É esperançoso aliados como esses...

    ResponderExcluir
  3. Parece que o nosso presidente não é somente tosco. Ele é burro mesmo. Mesmo detestando a Beth Carvalho, é recomendável que ele emita uma nota lamentando a morte dela pra fazer uma média . Ele fez isso quando o MC Reaça se matou após espancar a amante grávida. Agora era a chance dele surfar na onda anti racista, mesmo que ele não dê a mínima. Voltou a falar que não existe tensão racial no Brasil, que poderia ter acontecido com qualquer um , etc. Ele perde a chance de ficar calado,mesmo quando a sociedade, incluindo aqueles que nunca ligaram, pede por mudanças . Ele não se cala mesmo quando até o seu gado de estimação se indigna com o ocorrido no Sul e pode vir a desistir de dar o seu voto nas próximas eleições. Burro, portanto.

    ResponderExcluir
  4. Nos EUA este ano, sobre esse tópico, bombaram no Youtube os vídeos do Emmanuel Acho: Unconfortable Conversations with a black man.
    Ele é ex-atleta de elite no futebol, bonito, e um orador extremamente carismático:
    https://youtu.be/h8jUA7JBkF4

    ResponderExcluir
  5. Tony mas o que vc acha do primeiro soco que o João Alberto deu?Hj o globo.com mostrou o vídeo do começo da confusão,ocorreu uma discussão entre o João Alberto e os seguranças e ele deu o primeiro soco,claro se vc leva um soco,ainda mais sendo um segurança você não irá dar a outra face né?Mas eles poderiam ter imobilizado e chamado a Brigada Militar né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele deu o primeiro soco porque foi seguido ao sair da loja... O que acha disso? E o espancamento em reação?

      Nada justificável.

      Excluir
    2. Não justifiquei deixei claro que foi racismo e imensa brutalidade dos seguranças,eles devem ser presos e condenados,mas me parece que o João também gostava de uma briga,tinha histórico inclusive de ter batido em mulheres,há uma versão ainda não confirmada pelas câmeras,que ele teria dado um encontrão em uma mulher dentro do Carrefour e por isso teria sido seguido pelos seguranças e tinha outras passagens policiais por brigas,não me parece que ele era um bom sujeito,apesar de obviamente não ter merecido ter morrido dessa forma e essa indeferenca do presidente,sou a favor dos protestos de se condenar o racismo contra quem quer que seja,mas tbm não vamos elevar o João Alberto ao patamar de santo tendo esse histórico que ele tinha

      Excluir
  6. A polícia ainda está investigando as motivações da briga. Comentários incorretos deste e de outros colunistas não acrescentam nada. É melhor aguardar. O Presidente agiu correto em não se pronunciar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gado detectado. Muuuu. Não sabe nem usar advérbios (o correto seria "O presidente agiu corretamente". Mas nem presidente temos...)

      Excluir
    2. Tony, não acho que ele seja gado... talvez ele apenas tenha se identificado com sua amiga Pavinatto.

      Excluir
  7. "Não fica claro (o motivo pelo qual João Alberto deixa o supermercado, antes do início das agressões). Essa é a principal pergunta: o que originou esses desentendimentos " Delegada ROBERTA BERTOLDO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Afinal vidas negras...pouco importam e sim por que ele saiu...
      G-

      Excluir