terça-feira, 6 de outubro de 2020

LUIZA LACRADORA

Assim como só a sua avó usa a palavra "broto" ou só o seu pai fala que você "puxa fumo", só a extrema-direita é adepta do termo "lacração". As bichas que inventaram a gíria já estão em outra há muito tempo, mas os minions acham que é, aham, lacrador dizer bobagens feito "quem lacra não lucra" (o que nem verdade é). Hoje a Defensoria Pública da União entrou com um processo contra o Magazine Luiza, pedindo 10 milhões de reais como indenização por um suposto "marketing de lacração". Não sou jurista nem aqdvogado, mas duvido que um processo desses vá muito longe. O trainee só para negros do Magalu é uma ação afirmativa, algo reconhecido pela lei. Mas o que o defensor Jovino Bento Junior quer é, aham, lacrar. Quer agradar ao gado birolista e, quem sabe, se candidatar à próxima vaga que abrir no STF. Lacrado mesmo continua o mercado de trabalho para os negros, mas não por muito tempo. Os pretos e os pardos já descobriram que são maioria.

11 comentários:

  1. Inacreditável o que esse gado bozista está tentando no Brasil. Calar todo mundo que não anda na linha deles. Que povo patético.

    ResponderExcluir
  2. O defender lacrou, pisou, fechou, sambou e calcitrificou a toba das inimigas comunistas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, claro, e agora estão todas tremendo de medo.

      Não são bem os comunistas que não aguentam um tranquinho...

      Excluir
    2. Acho que o anônimo não anda ou não segue comunistas de verdade... O tanto de crítica que vi sobre a mulher em perfis comunistas, começando que ela é muito rica e é contra direitos trabalhistas.
      Nick

      Excluir
    3. Gado bozista? Querido o Bolsonaro é um nada. Foram 400 anos de escravidão a elite que ainda nos governa quer esconder quem realmente são evitar pagar devidas indenizações e fazer a classe média branca pensar que eles ficaram ricos porque são mais espertos inteligentes e não porque escravizaram e roubaram

      Excluir
  3. O tal defensor citou ninguém menos que Sergio Camargo em sua peça. Sergio Camargo. E não foi sequer alguma obra acadêmica do dito cujo, mas um TUÍTE (e o que mais seria? a produção literária bolsonarista é composta basicamente de posts em redes sociais...).

    Importante apontar que a iniciativa dele, que se valeu da independência funcional pra parir essa ação vergonhosa, não encontra amparo nos posicionamentos históricos da Defensoria Pública da União. Não só a DPU não endossou a querela como um coletivo de defensoras públicas já soltou nota contrária denunciando sua falta de perspectiva antirracista e seu descompromisso com a defesa dos direitos humanos e a proteção de população em situação de vulnerabilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só consigo pensar, pq esse cidadão escolheu o cargo de defensor público?

      Brasil, o país dos alucinados!

      Excluir
    2. Anônimo 20h43: Obviamente nenhum defensor vai admitir isso, todos vão jurar que sonham em ser defensores desde criancinha, tampouco estou afirmando que é o caso desse defensor - todavia te garanto que muitas vezes a pessoa não escolhe o cargo, mas sim o salário. Concurseiros costumam tentar aprovação em qualquer certame disponível, visando a estabilidade e os vencimentos, sem que necessariamente tenham vocação para o cargo em disputa (ou sequer para o serviço público). Tenho amigos defensores (estaduais e federais) que ingressaram assim: sonhavam em ser juízes e/ou promotores de justiça, mas acabaram logrando êxito apenas no concurso para defensor. Não estou desmerecendo a difícil aprovação, mas é fato que as defensorias costumavam oferecer salários menores, menos penduricalhos, estrutura de trabalho inferior e, claro, menor status na comunidade (tudo isso vem mudando rapidamente, mas ainda há um abismo injusto em comparação às carreiras jurídicas mais privilegiadas). O resultado é um corpo muitas vezes composto por aprovados que tecnicamente demonstraram o domínio jurídico necessário pra exercer o cargo, mas nem de longe tinham o perfil que se imagina/espera/deseja de um defensor público. Às vezes acabam mudando suas visões de mundo e se encontram no exercício da profissão, às vezes não. Alguns sequer recebem diretamente os assistidos, por ojeriza ao contato, delegando essa função a técnicos ou estagiários e lidando apenas com o trâmite legal.

      Excluir
  4. Gente que absurdo, em qualquer País civilizado essa empresária seria aplaudida, e no Brasil é processada e ainda por cima pela União.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como um cara desses passou num concurso pra DEFENSOR?
      DPU é um cargo super em falta pra um país de gente que não pode pagar advogado na Justiça Federal. E o cara ainda joga contra?

      Excluir
  5. O Mio Babbino Caro
    Isso aqui é um hospício!

    ResponderExcluir