sábado, 24 de outubro de 2020

ERROU RUDY

O funeral da carreira política de Rudy Giuliani estreou ontem na Amazon Prime Video. O ex-prefeito de Nova York e atual advogado de Donald Trump enterra a si mesmo, numa sequëncia que precisa ser vista para ser acreditada. Aliás, o mistério de Borat continua: 14 anos depois do primeiro filme, Sacha Baron Cohen ainda consegue enganar suas vítimas, mesmo com um monte de câmeras em volta. Giuliani caiu feito um patinho, e vai ter dificuldade em arranjar clientes depois que o Bebê Laranja for expulso da Casa Branca em janeiro. Mas a ambição do quarto melhor repórter da gloriosa república do Cazaquistão é maior do que isso: com "Borat: Fita de Cinema Seguinte", Cohen quer nada menos do que influenciar as eleições de novembro. Duvido que ele consiga, porque muitos americanos já votaram e agora restam só uns poucos indecisos. Isso não tira a contundência da "fita", que dessa vez ainda se dá ao luxo de ter um arco dramático, coisa que não havia no primeiro longa. Cortesia de Tutar (corruptela de "daughter"?), a filha adolescente que Borat quer presentear a algum político dos EUA para que ela more numa jaula dourada feito a Melania. A búlgara Maria Bakalova está tão fenomenal no papel que já tem chance ao Oscar de atriz coadjuvante. Enfim, o mundo piorou muito desde 2006, com o desastroso governo Bush dando lugar a uma onda de extrema-direita que varre quase o mundo inteiro. Naquela época, o primeiro filme do Borat foi um sinal de que os tempos estavam prestes a mudar. Tomara que este novo, tão sarcástico quanto, signifique a mesma coisa.

9 comentários:

  1. Vi o trailer e fiquei morrendo de vontade de assistir. Isto posto, confesso que não consegui terminar o primeiro, coisa que evito ao máximo fazer com qualquer filme que me proponha a assistir. Começou a ficar cansativo. Ali pela altura em que ele começa a briga pelado com o gordinho, desliguei. Também não terminei Bruno. Não sei explicar bem. Eu gosto de como ele enfia o dedo na ferida e acho as sacadas geniais, mas os confrontos me causam desconforto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo perfeitamente. Assisti a ambos até o final, mas também com muito desconforto. E fiquei porque fui ver no cinema.

      Excluir
  2. Acho esse ator um gostoso, gostaria que ele mostra se o p .. de novo.

    ResponderExcluir
  3. E pensar que um dia achamos que o pior da direita fosse o governo Bush nos Estados Unidos e o tucanato no Brasil... Hahahaha

    ResponderExcluir
  4. Assisti ontem. Amei. Ainda mais o conto da Cinderella no Ipad da filha, tendo o Trump agarrando a xoxota da Melania.
    E a cena da dança da menstruação!
    ahuahuahua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O desenho “Disney” da Princesa Melania foi uma das coisas que mais gostei também!

      Excluir
  5. Finalmente assinei o Prime Video! Não sei por que não o fiz antes, já que pago muito mais caro na Netflix (não consigo abrir mão do 4K, que eles espertamente só oferecem no pacote de R$ 45,90) e mesmo na Globoplay (R$ 22,90). Diante disso, os R$ 9,90 da Amazon são trocado. De cara assisti o Borat novo (dessa vez consegui chegar ao fim! hehe) e maratonei um nostálgico guilty pleasure, The Nanny. Por enquanto estou gostando da interface, é muito superior à da GloboPlay, que é pesada pra rodar e bem limitada em recursos e acessibilidade. Também baixei rapidinho o app na TV, a interface também é ótima. So far, so good. Como não conseguirei dar conta de assistir tanta coisa, talvez eu acabe cancelando a GloboPlay: “Desalma” foi uma decepção e ando de saco cheio de lidar com os bugs do software. Em breve acho que esse monte de canais de TV a cabo que não me servem de nada vão voar também - o problema é conseguir se libertar dos malditos combos, que me obrigam até a manter uma linha de telefone fixa que nunca usei e que não sei nem o número.

    ResponderExcluir