terça-feira, 13 de outubro de 2020

CLEÓPATRA MARAVILHA

No começo da década de 90, ao mesmo tempo em que se cunhou o termo "politicamente correto", também surgiu nas universidades americanas um movimento que pretendia resgatar a negritude dos antigos egípcios. A onda pegou a ponto de Michael Jackson fazer o (ótimo) clipe de "Remember the Time" com Eddie Murphy como um faraó e Iman como sua mulher. Era uma reação ao fato de Hollywood ter, historicamente, escalado atores brancos e até louros para personagens como Ramsés, Nefertiti ou mesmo Jesus Cristo. Mas a ideia não tem respaldo na realidade. Houve, sim, dinastias negras vindas do que hoje é o Sudão, mas os antigos egípcios eram parecidos com os atuais - pele e cabelos morenos, típicos do Oriente Médio. Esta semana rolou uma treta nas redes por causa da escolha da isralense Gal Gadot pela diretora Patty Jenkins - as duas fizeram juntas "Mulher Maravilha" - para o papel de Cleópatra. Ninguém ligou para a notícia de que a história da mais célebre rainha da Antiguidade finalmente será contada de um ponto de vista feminino. A lacrosfera preferiu reclamar de Gadot não ser negra. Melhor seria se reclamassem que não é grega. Cleópatra era 100% helênica, da dinastia ptolemaica, descendente de generais de Alexandre, o Grande. Temos bustos e moedas que mostram sua real aparência física. Ela também era uma mulher culta, que falava várias línguas. E, como era costume em sua família, aderia à religião e aos costumes egípcios - tanto que se casou com seu próprio irmão. Mas o escândalo para por aí. Cleópatra foi vítima da fábrica de fake news do imperador romano Augusto, que derrotou a ela e a Marco Antonio, e depois pintou ambos com o o suprassumo da depravação. Vamos ver se o filme trata disso.

26 comentários:

  1. Quanta bobagem! Parece que todo mundo que não é branco, é negro agora. A realidade é bem mais complexa dia eu essas dicotomias tentam fazer soar. Às vezes, sinto que muitas pessoas só querem o litígio pelo litigio. É muito ressentimento armazenado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.instagram.com/p/CGVL8nEneGc/?igshid=tng6dhnzscm2

      G-

      Excluir
  2. Pior foi a serie Troia, Netflix, em que parte do elenco era composta por negros...Algo como contar a história de Gengis Khan com atores suecos...

    ResponderExcluir
  3. Ai ai tudo bem. Deixa o povo reclamar. Só isso que sobrou pra 2020

    ResponderExcluir
  4. A ascendência grega da Cléo vem sendo amplamente divulgada, graças a essa polêmica da escolha da atriz...

    Porém, é necessário tomar cuidado com alguns paradigmas físicos nessa treta. Por exemplo, o busto da Nefertiti evoca uma mulher negra sob o prisma do colorismo, ou seja, seu aspecto físico se aproxima da Camila Pitanga e Taís Araujo, e não da Elizabeth Taylor.

    Ps. Teve gente que outro dia falou que o termo lacração só é utilizado por minion. Observo...

    ResponderExcluir
  5. Lembro de “Remember the time” sendo lançado no Fantástico, estou oficialmente vivido. Não tem como não amar a atração da Rainha por um Michael mais maquiado que ela, de cabelão, bustiê e até saia (!) - Wacko Jacko falhou mais uma vez em tentar pagar de macho e involuntariamente nos presenteou com um belo queer crush do início dos anos 90. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para de falar do MJ ele era artista genial! A Cleópatra não era 100% grega sua mãe era de origem desconhecida provavelmente egípcia ou você acha que em 200 anos de ptolomeus não rolou uma miscigenação;)

      Excluir
    2. Durante a antiguidade principalmente no Egito homens usavam tanto ou mais maquiagem que as mulheres, joias também. Aqui no pindorama e no império Inca também era comum o macho se adornar e você reclama do MJ de maquiagem? Deixa de ser careta! Quando falo que o mundo vai mal pra caralho tambem falo disso mas o que esperar de uma geração que cresceu assistindo tv principalmente a rede globo

      Excluir
    3. a coruja fez uma joke com a figura unlikely do MJ e aí já aparecem as viúvas, impressionante a horda que surge pra passar pano pra um pedófilo, enrustido, dublador de playback e que tinha vergonha da própria raça, deal with it.

      Excluir
    4. Sou fã da música dele e era excelente dançarino. Que ele tinha problemas com a própria raça sem dúvida! Mas esse não é o ponto, o ponto é porque homem não pode usar maquiagem? Ou brinco? Ou colar? Ou se vestir bem? A ideia que o homem deve se vestir de maneira desleixada deixar a barriga crescer usar calça (uma invenção dos galeses) e não se arrumar é um patriarcado babaca onde o homem acumulou tanto poder sob a mulher que pode se dar ao luxo de ligar o fodase pra aparência e onde o medo da homossexualidade é tanto que qualquer vontade de brincar de se vestir vira coisa de viado.

      Excluir
  6. Os três comentários: 19:29, 19:30 E 19:35, têm o mesmo aspecto. Reduzem discussões de pauta antirracista a rancor, ressentimento e raiva!

    Durante toda a história contemporânea (para nos atermos aos nossos tempos) a cultura popular foi contada por uma visão física eurocentrica, portanto, é legítima a discussão sobre a representatividade do povo não branco, a qual em momento algum o movimento negro no mundo declarou se tratar de uma dicotomia (não sejamos desonestos), ao contrário, o próprio citado no post, Michael Jackson, brincou em diversos clipes dele sobre a diversidade dos povos.

    Que pena que essa nova versão de Tróia fora contada com atores negros, né!?! Mas as histórias de Hollywood sempre foram contadas com atores brancos (arianos em pleno deserto árabe! Hitler e sua turma da propaganda se orgulhariam) e nunca houve reclamação. Ao contrário, em nenhum outro filme Elizabeth Taylor foi filmada tão diáfana quanto no chatérrimo Cléopatra, cravando a imagem física desta rainha no imaginário mundial, e tudo bem!

    É óbvio que também existem excessos em algumas reivindicações, mas definitivamente não seria esse o caso em comento.

    Falar que discussões como essa são fruto de rancor, ressentimento e raiva, quando vêm da turma de Trump e Bolsonaro é esperado, porém quando vêm do grupo auto-declarado prodigioso em virtude, é de uma escrotidao sem tamanho, pq mostra que no fundo essa discussão sobre "antifascismo" é só sobre luta pelo poder entre brancos. E sob esse prisma a turma de Trump e Bolsonaro levam estrondosa vantagem, afinal, não gritam aos quatro ventos um antirracismo que eles não possuem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK... Então porque Hollywood fez distoções históricas décadas atrás, tudo bem continuar fazendo, desde que seja com o sinal trocado...E se não me revoltei com a Liz Taylor de cleópatra quando eu sequer tinha nascido não posso criticar o elenco de Troia agora...Putz, essa esquerda radical se esforça para se igualar em imbecilidade com a essa direita xucra que tomou o poder...

      Excluir
    2. Você obviamente não conhece história, na antiguidade rolava muito mais miscigenação do que hoje, não existia conceito de raça que aliás é um conceito super moderno. Mas quem visitou Alhambra sabe que os mouros deixavam cristãos judeus e árabes viver lado a lado aí chegou a rainha Isabella e...enfim você entende, nossa história foi reescrita apagada para que a dominição se perpetuasse. Trump e Bolsonaro não tem nenhum poder são apenas idiotas úteis de outros alguéns, esse seu post tão longo e complexo é apenas um mimimi de quem cresceu assistindo Xuxa Gisele Bundchen aprendeu que ser germânico é bom e que preto é bandido e se incomoda vendo os descendentes dos escravizados ganhando espaço. Como eles ousam?

      Excluir
    3. Cara Bicha Branca (?),

      Não sou esquerda radical, e assim como Glória Maria rs, me dou o direito de ser livre!

      Fiquei estarrecido foi em ver comentários que associam discussões sobre representatividade a ressentimento, igualzinhos aos feitos pela direita xucra que tomou o poder, Sérgio Camargo e cia se orgulhariam. Seriam os gays brancos figuras raivosas e ressentidas sob os olhares dos heteros brancos?

      O povo negro não é raiva, ressentimento e rancor! Definitivamente não é sobre isso!

      PS. Profundamente irritado com a escolha de Gal Gadot para Cleópatra, minha preferida sempre foi Angelina Jolie, aliás como foi aventado alguns anos atrás. Rsrsrs
      Ah, e recomendo Tróia com Brad Pitt, aquele grego loiro de olhos azuis!!!
      😉🙃😘

      Ass. Bicha Negra (É o que dá acumular lugar de falar rsrsrs Dá vontade de desistir dessa merda toda).

      Excluir
    4. Existem gregos loiros de de olhos azuis. Assim como em todos os países mediterrâneos também.

      Excluir
  7. Ih, não vc mesmo que disse que, hoje em dia, só a extrema direita usa o termo lacração? Troucou de lado é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que a dinastia Ptolomaica é de origem grega todos sabem, mas em 200 anos até chegar a Cleopatra houve muita miscigenação racial e sincretismo cultural. Não é certo chamar Cleópatra de negra, nem tampouco de grega.
      E lacracao é uma palavra simplória da extrema direita para calar antagonistas. Aprendeu direitinho.

      Excluir
    2. Qual a sua prova que houve miscigenação racial? Vai estudar história e ver que para se manterem faraós os Ptolomaicos segiram com o costume de casamentos consanguíneos. E eles eram bem afastados do povo. Cleópatra foi a primeira e última da dinastia a falar a língua egípcia. Todos os seus antecessores usavam o grego como língua franca.

      Excluir
  8. O Augusto foi simplesmente o pai do serviço secreto moderno imitado por todos países uma máquina de repressão grande responsável pelo desastre de direitos civis que vivemos hoje, um idiota! Mas ganhou apoio dos Romanos contra Marco Antônio dizendo que ele queria fazer o filho da Cleópatra uma estrangeira rei de Roma.

    ResponderExcluir
  9. Tony há controvérsias quanto a fato de Cleópatra ser 100% helênica,o pai dela de fato tinha origem grega,era descendente de um general aliado de Alexandre O Grande,mas já ouvi versões de que a mãe seria egípcia étnica e Cleópatra seria mestiça,podendo ter a pele morena

    ResponderExcluir
  10. Acho a Gal Gadot a coisa mais fofa do mundo. Se ela for escalada para ser o novo Willy Wonka, eu apoio!

    ResponderExcluir
  11. O Mio Babbino Caro
    Seis mil anos de Civilização dissecada na manhã de Quinta-feita, yeah. Enquanto danço com Cheikh Anta Diop e outros, afirmo: Hollywood não tem respaldo na realidade. AS filhas de Luiz de Queitoz resmungam. tão pouco pergunto "Qual será o Egito que responde e se esconde no futuro?".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje é quarta, amor.

      Excluir
    2. 14:55 Fiat Lux infeliz reveladora se corte.
      CB, yeah.

      Excluir
    3. 14:55 Na incapacidade de dar alguma contribuição substancial ao debate algumas se apegam à poeira das estrelas.
      G-

      Excluir