segunda-feira, 26 de outubro de 2020

CHECHÊNIA À MOSTRA

Sou rato da Mostra de São Paulo desde 1983, mas duvido que eu veja muitos filmes nesta 44a. edição. A razão é simples: detesto cinema no computador. Não consigo espelhar na TV, não encontro posição confortável e me distraio com qualquer coisinha. Além do mais, a seleção deste ano não me empolgou muito. Um excesso de títulos obscuros, alguns longuíssimos e de temáticas deprimentes. Fora que eu perdi o que eu mais queria ver, o mexicano "Novo Mundo". O filme de abertura esteve disponível por apenas 24 horas e só mil ingressos seriam vendidos. Quando dei por mim, 40 minutos depois da abertura da bilheteria, já estava esgotado. Pensei em boicotar o resto do evento, mas me senti culpado. Hoje finalmente aluguei "Welcome to Chechnya", de que eu já tinha falado aqui no blog, do diretor americano David France. O documentário sobre a perseguição a gays e lésbicas na república russa da Chechênia alterna momentos onde pouco acontece com outros de tortura, estupro e assassinato que são de sair gritando pela rua. O trabalho dos voluntários que retiram pessoas LGBT da Chechênia é admirável, e não sei como eles vão poder voltar para lá depois de se exporem no filme. Já as vítimas que eles conseguem levar para Moscou tem suas identidades protegidas por deep fakes. seus verdadeiros rostos são substituídos pelas caras de ativistas. Quando um deles finalmente vem a público e dá uma entrevista coletiva denunciando o governo de Ramzan Kadyrov, um efeito descortina sua face real, num momento emocionante. Infelizmente, mesmo com tantas provas, o regime ditatorial checheno continua firme, e teme-se que a violência estatal anti-gay se espalhe por toda a Rússia. Ela também pode chegar por aqui. Não falta gente nesse desgoverno que acha que viado tem que morrer.

7 comentários:

  1. Seu computador não tem saída para cabo HDMI? Se tiver, pode ligar um cabo entre a TV e o computador como se esse fosse um DVD ou conversor de TV a cabo.

    ResponderExcluir
  2. Na realidade, seria mais usar a TV como um monitor.

    ResponderExcluir
  3. Eu sou um ignorante digital, mas para espelhar na TV não basta um cabo de HDMI?

    ResponderExcluir
  4. A Rússia é a cara da viadagem com aquele opulência toda.

    ResponderExcluir
  5. Claro que não sabe espelhar a imagem na tv. Desde quando iSheep entende alguma coisa de tecnologia? Só vai saber quando a apple lançar um similar ao chromecast por módicos US$ 250, aí vai dizer que é a maior inovação da década. (ps. bateria vendida separadamente)

    ResponderExcluir