terça-feira, 13 de outubro de 2020

ATAQUE UNIVERSAL

Em 2007, reagindo a uma matéria da Folha, bispos e fiéis da Igreja Universal encheram de processos a jornalista Elvira Lobato, da Folha. Ela e seus advogados precisaram se deslocar por rincões remotos do país até o STF acabar com a farra e julgar tudo improcedente. Mesmo com esse fracasso anterior, a IURD está usando a mesma tática contra o escritor J. P. Cuenca. que parafraseou Voltaire (ou Jean Meslier - a autoria da citação original é incerta) e tuitou que o Brasil "só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último bispo da Universal". Cuenca foi imediatamente desligado do site brasileiro da Deutsche Welle, onde assinava uma coluna. Agora é alvo de uma violenta tentativa de intimidação, semelhante à que vem sofrendo a jogadora de vôlei Carol Solberg. A ironia é que a extrema-direita abusa das postagens de teor violento nas redes sociais - quando não parte para ameaças diretas e até violência física. Vamos ver como esses dois casos se desenrolam. Seus desfechos indicarão até que ponto estamos atolados no esgoto.

26 comentários:

  1. “Não tenho medo do que virá depois da Dilma” Tony Goes parabéns! Valeu a pena?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

      Excluir
    2. Heis o Tony no espírito da Comunidade Cinemões de São Paulo.
      G-

      Excluir
    3. Anônimo 14 de outubro de 2020 13:47: Pois é, estão todos pianinho na Cinemões de São Paulo. Só faltam dizer que votaram em Amoedo no 1° turno e anularam o voto no 2°.

      Excluir
  2. Pelos comentários nas redes sobre a - branda - punição à Carol, o esgoto tá bem fundo. Minions chamam a tudo e a todos de comunistas, mas querem uma liberdade de expressão nível Coréia do Norte. Gentalha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que mais me causa perplexidade é perceber que o argumento reinante é “todo mundo sabe que não pode falar mal do patrão, ingrata”, como se Bolsonaro fosse o dono do Banco do Brasil. E eles estão conseguindo calar muitas vozes. Incluindo a minha, que sou servidor público concursado e tenho me censurado e postado anonimamente nas redes sociais pois meus antigos chefes já foram trocados por comissionados alinhados com o governo e estamos sendo fiscalizados. Não se enganem, a máquina invisível está em ação.

      Excluir
  3. Falavam que o Brasil ia virar a Venezuela. Tá é virando a Coréia do Norte

    ResponderExcluir
  4. O Mio Babbino Caro
    Nada é pior do que tudo. Lá dentro do templo, anjos te falarão mas na entrada demônios o revistarão.
    Mas na vastidão dos desertos da terra se não buraco negro, sobreviverão zz

    ResponderExcluir
  5. Você escolheu uma foto em que ele parece bem mais bonito do que realmente é. Eu sempre achei ele meio overrated. Ele tem uma ideias boas que ele não desenvolve bem.
    Mas liberdades de expressão inclui defender até autor que a gente não gosta (ok, tem autores muito piores que tb merecem a mesma liberdade).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora que eu vi que é a foto do perfil dele no Twitter. E o caso foi em junho. Achei umas notícias que a DW foi bem criticada por isso.
      Eu lia as colunas dele, mas nem senti a falta quando saiu d’O Globo e já tem anos isso.
      Não foi uma saída barulhenta como a do Antonio Kibeloco Tabet (esse sim eu nem lia).
      Daniel

      Excluir
    2. Puro despeito, ele é gatinho em várias fotos.

      Excluir
  6. Se a jogadora de vôlei falasse "Viva Bolsonaro " estaria sendo massacrada, mas estão passando um paninho pra ela . Esse tipo de palanque é péssimo, cada um pode falar e expressar o que quiser, mas tudo tem hora e lugar .Daqui a pouco tem atleta pegando o microfone e falando para votarem alguém, ou o médico antes da consulta dando o seu desabafo ou o garçom nos brindando com o seu ponto de vista antes de anotar o pedido, já que como a jogadora, ele também pode se expressar quando quiser sobre qualquer assunto. O Lewis Hamilton subiu ao pódio com uma camiseta de teor político. Imaginemos que tivesse um piloto da Armênia e outro do Azerbaijão, cada um com uma camiseta defendendo o seu lado, outro defendendo o aborto e mais um pela legalização das armas de fogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Negativo. O narrador da TV Brasil mandou “abraços especiais para nosso presidente Bolsonaro” durante todo o jogo da seleção e ninguém disse nada. 2 pesos e 2 medidas.

      Excluir
  7. Minion, em 2018 vários jogadores de futebol e vôlei fizeram arminha com a mão e 17 com os dedos. Ninguém reclamou. Atletas negros fazem o símbolo do black power com as mais desde 1968. Você só está se queixando agora porque é gado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem votei nesse cara, gado é você que aplaude qualquer patuscada como a dessa jogadora decadente. Caso vc não tenha entendido, eu também não concordo com arminha ou coisa que o valha. Atletas como os da NBA, da NFL e da Fórmula 1, atuaram em conjunto representando a categoria e mesmo assim vários deles não se sentiram a vontade em participar. A questão é o uso do microfone e do pódio para expressões políticas particulares, de esquerda ou de direita, sendo que as pessoas podem se expressar por várias plataformas adequadas. Isso já está sendo combatido por todas as instituições esportivas. A F1 proibiu que qualquer piloto suba ao pódio sem o uniforme completo mostrando os patrocinadores que pagam os salários dos pilotos. Saindo de lá pode falar o que quiser. Entendeu, gênio?

      Excluir
    2. Na história das Olimpíadas, somente em 1968,dois atletas fizeram o símbolo do black power e foram punidos. E não desde 1968, isso foi um caso isolado. Cite outro caso.

      Excluir
    3. Pois eu discordo totalmente. QUALQUER lugar é lugar para manifestação política. Ainda mais se tiver muita gente e câmera em volta. E mais ainda se for por uma causa justa, como FORA BOLSONARO.

      Excluir
    4. E eu não falei que era nas Olimpíadas. Falei que atletas negros se manifestam DESDE 1968. Se você considerar as vitórias de Jesse Owens como um gesto político, desde 1936.

      Mas nada disso te interessa. Você só quer arrumar argumentos furados para defender o Biroliro. Vai pastar, bezerrinho.

      Excluir
  8. A vitória, ou melhor , a simples participação de um cara ferrado socialmente em um evento desses já é um ato político, isso é óbvio. Queria ver se vc fosse um patrocinador que investe milhões e na hora do seu atleta subir no pódio , o cara mete uma camiseta por cima do macacão. Nada tem a ver com a besta do Bolsonaro ou do Putin, ou do gordinho da Coréia do Norte. Essa jogadora de volei sempre foi conhecida como uma das filhas gostosas da Isabel, sempre ali no máximo pelo terceiro lugar. Agora estamos falando dela!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, sim, sim, o interesse do patrocinador acima de tudo.

      Excluir
    2. Toma vergonha na cara e some daqui gado. Viado que se preza não defende essas suas pautas de homem branco heterossexual cis tonto. O Trump tá te chamando!
      Muuuuuuu

      Excluir
  9. Acima de tudo não. Apesar de. Já ouviu falar de dress code, cartilha, lei , estatuto, etc.? Nem tudo pode, é a vida. Na Folha o Xico Sá foi demitido por infringir o código de conduta do jornal. Quer apostar que antes de cada contrato de patrocínio, torneio, vai ter uma traulitada de cláusulas que simplesmente vai impedir esse tipo de manifestação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PSC: a Folha mudou este policy. Agora os colunistas podem manifestar apoio político. O Hélio Beltrão declarou que vai votar no Mamãe Falei.

      Excluir
    2. Minion falando de dress code. Bozo e suas camisetas falsificadas de time de futebol que mal seguram sua pança cada dia maior, parece que vai explodir aquilo ali. Tem que ser muito jeca ou terrivelmente evangélico mesmo pra curtir tanta cafonice. E mudando de assunto mas ficando no mesmo (vergonha alheia), como é que uma pessoa não se encabula de publicar que vai votar EM MAMÃE FALEI?

      Excluir
  10. 23;20 deixa eu ser um pouco esse cara ferrado socialmente bezerrinho!

    ResponderExcluir