segunda-feira, 14 de setembro de 2020

SUBVERSIVO E DESVIRILIZANTE

Caetano Veloso é um tesouro nacional. Acho que ele é, simplesmente, o músico popular mais importante da nossa história. Muito mais variado do que Tom Jobim ou João Gilberto, seus ídolos. Com letras ainda melhores e mais instigantes do que seu amigo Chico Buarque. Mais profundo que Milton Nascimento, e por aí vai. Além de tudo, acho Caetano um farol de lucidez. Sua vaidade embaçou seu discurso algumas vezes, mas agora, no esplendor dos 78 anos, acho que ele está acima do bem e do mal. Depois da live do mês passado, que me fez lembrar porque ser brasileiro também é motivo de orgulho, ele agora volta à carga com "Narciso em Férias". O filme de Renato Terra e Ricardo Calil chegou ao Globoplay no mesmo dia em que foi exibido no Festival de Veneza, mas só ontem eu consegui sentar para ver. Não é exatamente um prodígio técnico: tudo o que se vê, durante quase uma hora e vinte minutos, é Caetano falando para a câmera, sentado na mesma cadeira. Mas ele é um storyteller nato, e o assunto vem a calhar: os 54 dias que ele passou preso entre 1968 e 1969, sob a acusação falsa de ter satirizado o hino nacional durante um show. Claro que teve gente que passou muito mais tempo em cana durante a ditadura militar,  e vários foram torturados e até mortos. Caetano escapou disso, mas partiu para o exílio depois de libertado. Ficou mais de dois anos fora do Brasil. O período na cadeia já havia sido o principal assunto do livro "Verdade Tropical", lançado em 1997, e o longa não traz muitas novidades para quem o leu. Nem por isto o documentário deixa de emocionar, porque o próprio Caetano vai às lágrimas várias vezes. É aterrorizante que, mais de 50 anos depois desse episódio, o Brasil possa estar novamente à beira de um período de exceção. Mas a arte subversiva e desvirilizante de Caetano, como foi descrita pelos milicos, está aí para nos lembrar do perigo e nos dar força para resistir.

18 comentários:

  1. É impressionante, só a tchurma gosta do Caetano. O cara fez uma live fechada no GloboPlay, pois se aberta daria a exata dimensão de sua irrelevância. Se bem que construção de narrativa é assim mesmo: "o mais importante da história", seja lá de que campo for, é sempre o resultado de engenhosa propaganda. Vida que segue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, eu vi a live vários dias depois e estava aberta... 🤔 E tenho que concordar com o Tony: biscoito fino. Os porcos que comentam aqui não são capazes de entender a pérola que ela é.

      Excluir
    2. Imaginando aqui o que essa anonyma das 22:27 acho bom e relevante...Considerando o gosto do gado, deve ser sertanejo, nean? Essa gentalha não cansa de passar vergonha, volta lá pra live do Gustavo Lima, tua cara...

      Excluir
    3. O certo é "merdanejo" .....

      Excluir
  2. Kkk discordo de ambos (22:27 23:57).
    Caetano teve e tem uma importância imensa na cultura, passeando por vários ritmos consegue agradar em diferentes estilos.
    E tem sempre uma fala interessante e oportuna, eventualmente falando coisas que todos pensam mas não tem coragem de verbalizar.
    Só que eu o acho chatérrimo, já tive um disco dele apenas( de um bom gosto extremo, arranjos chiques), e também o vi uma única vez no circo voador: povo todo em êxtase cantando em coro e eu querendo ir embora, ouvido até doía. TV então, ele começa a cantar já me dá sono.
    Mas esse é meu gosto que independe das qualidades que ele possui.

    ResponderExcluir
  3. Ele é talentoso, mas é estremamente pedante, as duas vezes que estive com ele só observei o trato dele com as pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele mesmo já afirmou que é um Vampiro: "Eu sei que eu sou um Vampiro" (JM)
      Se tem algo a oferecer ele atende e suga se não tem sai andando.
      "Eu sei que eu sou um Vampiro"
      G-

      Excluir
  4. Caetano curtiu a subversão anticapitalista mas acabou nos braços da Globo, em versão fechada, claro e a peso de ouro. Ninguém vive com uma empresária impunemente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caettano nunca foi anticapitalista. E sempre apareceu na Globo, desde antes da Paula.

      Mas é verdade que Paula organizou a vida financeira dele. É ela quem cuida de cada passo da carreira.

      Excluir
  5. Chico nunca cometeu nada parecido com " Eta,eta, eta...."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, mas em compensação escreveu "Ui, ui / ui, ui / ui, ui / ui, ui (...) Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela / Morena, bichinha danada, minha camarada do MPLA”

      MPLA (pronunciado mepêla na música) é o Movimento pela Libertação de Angola, guerrilha comunista que lutou na guerra pela independência e depois governou o país como uma ditadura de parido único aé 1991.

      Excluir
    2. Entre essas e outras que fico com o Robertão mesmo hahahaha Porém não dá para comparar o mercurianismo de um Caetano com a solidez de um Chico.
      Essas criticas apontadas a Chico não se sustentam.
      Não é admissível não diferenciar uma luta de libertação Nacional anticolonial com um grupo que se perpetua no poder. Agostinho Neto não merece isso e "ui ui" é uma figura de linguagem da Kalimba já usada inclusive por Chico.
      Um Caetano só se defini que o "Haiti" é aqui quando os mínions o levam ao Trending Topics do Twiter de cruel lembranças.
      G-

      Excluir
  6. Cadê a Monotema? Com certeza teria alguma teoria da conspiração relacionada ao Caetano.

    ResponderExcluir
  7. O que pega para mim é esse "acima do bem e do mal", ninguém está nesse lugar, dos ilustres anônimos que acompanham esse blog rs a Caetano Veloso.

    ResponderExcluir
  8. Emprestei meu “Verdade Tropical” e nunca devolveram. Fica aqui meu singelo desabafo pra quem tem mania de não devolver livro.

    ResponderExcluir
  9. Postei minha review sobre o doc, mas pelo visto se perdeu. Damn it!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui. Assisti essa madrugada e escrevi o que achei, mas às vezes meus posts não chegam na caixa postal do Tony. Acho que a Mono intercepta ;P

      Excluir