quinta-feira, 17 de setembro de 2020

MINHA NOTA DE CORTE

Eu estava decidido a votar no Bruno Covas. O prefeito de São Paulo não é alguém que me entusiasme, e eu havia jurado nunca mais votar no PSDB. Mas gostei dos nomes que ele trouxe para a cultura, como Hugo Possolo e Alê Youssef. Também me parecia não haver ninguém melhor entre os candidatos, e a política é a arte do possível. Estava até torcendo para que Marta Suplicy fosse a vice, formando assim uma chapa imbatível. Só que o Doria já está armando a cama para 2022, e o vice acabou indo para Ricardo Nunes, um vereador do MDB de quem eu nunca tinha ouvido falar. Agora que ouvi, mudei de ideia. Mudei para Boulos e Erundina. Não vou votar num sujeito que combate a imaginária ideologia de gênero, nem para vice decorativo (e a gente sabe que talvez não seja). Para fazer alianças é preciso engolir sapos, mas eu também tenho nota de corte. Ricardo Nunes não passou. 

17 comentários:

  1. Acompanho, um tanto estupefato, seus últimos anos de histeria juvenil e, digo com sinceridade, não fico surpreso com o seu voto. Na verdade, é até bastante coerente: tal percurso te levaria inevitavelmente à extrema-esquerda. E levou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me levou à faute de mieux, minion.

      Excluir
    2. Se acompanhou a tanto tempo, é porque não teve o que fazer neh linda, ta decepcionada? Ownn, so sad
      Bex

      Excluir
    3. Também fico surpreso de ver quanta gente ainda acredita em políticos, especialmente os radicais.
      O passado recente e até o presente provam que essas crenças são longe de qualquer realidade.
      Uma dissonância cognitiva só explicável pela vontade da maioria dos eleitores de lavar as mãos e entregar o Estado a qualquer um que mostre que realmente deseja aquele poder.
      Boulos não quer o trabalho, ele quer o poder.
      Como Bolsonaro, como Lula, como Joyce...
      Procure um pouco mais Tony, e veja que há candidatos mais qualificados.
      Vc entregaria a administração do condomínio do seu prédio para Boulos? Em 6 meses ele iria perdoar as dívidas dos condôminos "menos privilegiados", iria criar um rombo nas contas do seu condomínio, e ele "resolveria" o problema fazendo dívidas em bancos ou aumentando taxas para os "mais ricos"... No fim do mandato dele, vc ficaria com o condomínio quebrado e os boletos da dívida pra pagar por muitos anos.
      Por que pretende entregar a administração da cidade inteira pra ele?

      Excluir
    4. "Em 6 meses ele iria perdoar as dívidas dos condôminos "menos privilegiados"...taxas para os "mais ricos"." Isso se chama taxação progressiva e existe a muito tempo na Europa, só dar uma lida!
      Nick

      Excluir
    5. HÁ* muito tempo antes que os normalistas de direita venham me atacar...

      Nick

      Excluir
    6. Só googlar Bruno: https://en.wikipedia.org/wiki/Taxation_in_Sweden
      Nick

      Excluir
  2. Acho que fará bem a cidade uma guinada à extrema esquerda. Até a administração Haddad parecerá burguesa (e foi, neah?) depois de Boulos. Esqueçam a recuperação do centro, uma solução para Cracolândia, e projetos como Parque Minhocão ou Boulevard Arouche. A população de rua ficará mais visível, pichação serão mais comuns (mas o grafite também) e ocupações irregulares vão aumentar, de prédios, calçadas, praças, debaixo de pontes, etc. Por outro lado, nada de flexibilizar a lei cidade limpa, parques como o Augusta vão finalmente sair do papel, e mais tolerância com consumo social de aditivos. A polícia militar entrará em embate com a administração da cidade. As comunidades terão menos intervenções, mas o efeito no combate ao crime pode ser ruim. Por outro lado, lideranças populares serão empoderadas tanto em favelas como em bairros. Na cultura, muda a direção voltada para a erudita e eventos comerciais de massa (carnaval, virada e etc), e voltará o direcionamento para a cultura popular e periférica. Funk continuará um fenômeno, mas veremos muita ciranda, muita sociedade alternativa, a volta das miçangas, folclore e artistas de rua. Vamos ver se a esquerda finalmente cumpre suas promessas com os LGBTQIA+. Realmente, a chance de sermos usados como moeda de troca irá diminuir, mas nunca se sabe. Se tudo correr certo, veremos a comunidade LGBTQIA+ forte como nunca foi. Será uma coisa muito mais Batekoo do que The Week, muito mais Linn da Quebrada do que Danilo Daro, muito mais lacração do que camarote VIP, muito mais poc do que padrão. Abaixo as crofiteiras, viva as balançadoras-de-raba. A gay cis branco padrão será hostilizada por existir. A parada gay será mais política e afrontosa. O tratamento especial de segurança e zeladoria de Higienópolis, dos Jardins e Vila Nova Conceição será retirado. A administração será voltada para transporte coletivo em vez do individual. Impostos para os ricos e para classe média alta (qualquer família com renda acima de R$ 6.000,00 é classe média alta no Brasil). Projeto sociais voltarão com força, mas OS, terceirizações e parcerias públicos-privadas vão acabar ou diminuir muito. Agora, o principal, e mais importante disso tudo: Alternância radical de poder. Novamente, nem Haddad terá ido tão longe. O lado positivo é que terão que rever as máfias que tomam contam da cidade, principalmente no lixo, transporte público e serviços de fiscalização. O lado negativo é que muitas políticas públicas que o paulistano tem aversão serão institucionalizadas. Será comitê disso e daquilo, debates infinitos para garantir a participação popular (não necessariamente democrática, se é que me entendem), baguncismos como expressão da liberdade, mas, veja lá, vamos sobreviver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha a cientista política, esse comentário já é um tcc, ta maior que o post do Tony lindo. Já tem Twitter mana, já pode ser pré candidatann

      Excluir
    2. Muito boa elucubração do Anônimo de 07:13.
      Levantou as características, e os lados positivos e negativos da esquerda no poder. Legal...

      Excluir
    3. A Direita entrou em desespero e repete a mesma cena apocalíptica que sempre Venceu aliás descreve uma cena que vivemos hoje.
      Todas as vezes que a esquerda ascendeu ao poder aconteceu exatamente isto que a Direita anuncia nehãn
      Veja Marta, Erundina, Hadad, Lula.
      Sem tempo e sem paciência para essa aflição e consciente de tudo o que nos trouxe até aqui.

      Excluir
    4. Calma pessoal a esquerda no Brasil é igual a violino. Segura com a Esquerda e Toca com Direita.
      G-

      Excluir
    5. Anônimo das 14h31? Onde você leu aldo de direita nesse texto. É uma visão quase marxista. De qualquer modo, direita e esquera tem lados positivos e negativos. Lula, Haddad, Erundina e Marta, todos tiveram acertos e falha. E as falhas deles nos custaram alto. Os governos Lula/Dilma privilegiaram banqueiros, não reformaram a educação básica (apesas do grande avanço universitário) e fizeram uma política voltada ao consumo em vez da cidadania. O que aconteceu? Bolsonaro.

      Excluir
    6. G-, rindo alto aqui! 🤣🤣🤣

      Excluir
  3. Segura o Rojão Tony aquela bicha que votou no Bolsonaro jamais te perdoará nem se voltar atrás!

    ResponderExcluir