quarta-feira, 12 de agosto de 2020

VIVA A GORDA

Qual é a sua personagem favorita de "This Is Us", e por que é a Kate? A resposta é fácil: porque ela é enorme de gorda. Aliás, acho que nunca vi ninguém tão gorda quanto a atriz Chrissy Metz, que parece aumentar de tamanho a cada nova cena. Ontem eu e meu marido terminamos a quarta temporada da série, e um detalhe nos chamou a atenção. Pare por aqui se você não quer spoilers. Parte do último episódio se passa no futuro, com todo mundo uns 20 anos mais velho. Mas cadê a Kate? O filho dela aparece adulto, há novos netos e genros, mas a gorda favorita de todo mundo não dá as caras. Lembro de ter lido que o contrato de Chrissy tem uma cláusula que a obriga a emagrecer na vida real, porque Kate também emagrece na ficção. Mas nenhuma das duas perdeu uma grama até o momento, muito pelo contrário, e eu começo a suspeitar que os porodutores estão sem saco para o inferno que fatalmente se abrirá nas redes sociais se uma obesa mórbida ousar perder peso. Mas, se Kate não emagreceu, temo então que ela esteja morta. Fulminada por um infarto. Só que não é ainda mais politicamente incorreto matar uma obesa?

11 comentários:

  1. UmA grama da pra aparar mas não perder. :*

    ResponderExcluir
  2. A quarta temporada foi bem melhor que a terceira, não?
    e desde a segunda temporada eu já torcia pra que a atriz emagrecesse! Deve ser muito difícil ter um corpo naquelas proporções.
    Fora que os roteiristas saberiam explorar lindamente a situação....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não entendo essa agenda assassina. Uma coisa é proteger as pessoas de bullying, é rever padrões de beleza. Outra coisa é fazer de conta que não tem nada demais obrigar o corpo a carregar um peso para o qual ele não foi projetado. Pois tem sim! Tem que chamar à real. Eu ontem na fila da farmácia (uma farmácia!) e uma menina de seus 7 anos queria pirulito, menthos, tic tac, aqueles suquinhos Kapo, a lista não terminava. Já era uma criança obesa A mãe com uma aspirina e um cebion na mão, não conseguiu esperar uma fila, abriu um chocolate daqueles que ficam no balcão, como a bunda gigantesca dela já não fosse resultado de décadas de chocolate demais. Obesidade é uma doença, e séria. É caso multidisciplinar, geralmente traz junto questões de saúde mental, às vezes incapacita a pessoa pra vida (em casos extremos leva a família junto). E tudo isso começa porque sicrano se dá ao direito de não caminhar e se gaba de não comer frutas e verduras. Parabéns aos envolvidos. Não é pra chamar a mulher de gorda na fila da farmácia não. Mas hoje em dia ela tem que ser festejada e aclamada, essa corajosa vítima e seus kit kats.

      Excluir
    2. Eles me chamam de Kit Kat pagando de machão mas quer dar um kat

      Excluir
    3. Sou SUPER corpo livre! Muitos homens a maioria gosta das meninas mais chubbies! E não tem nada a ver em ser saudável ou não é a liberdade da mulher e essa violência simbólica que a mulher sofre pra poderem controlá-la mais facilmente...você que é um ressentido na fila da farmácia provavelmente não tem filhos e queria ter essa é a verdade subconsciente

      Excluir
    4. Tá Serto. Parabéns então pra gorda por ter aberto as pernas e parido, esse fenômeno raro. Merece uma estátua. Haja material. Eu realmente tô morrendo de inveja vestindo P e 38 e sem ter posto uma leitoa de bigodinho no mundo.

      Excluir
  3. Esse Tony é gordofóbico, viu!!! 🤣🤣🤣

    Pena, não consegui viajar nessa série, acho melodramática demais...

    ResponderExcluir
  4. Como vc consegue? Esse seriado é muito chapa-branca , água com açúcar....chato demais (achaque vc assiste pq faz parte do seu trabalho)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto! Acho que "This Is Us" é meio que uma novela ideal: são só 18 capítulos por ano, sem barriga nem enrolação. Claro que a qualidade varia de um episódio para outro, mas no geral é bom.

      Excluir
  5. Matar um obeso mórbido de infarto é como fazer o personagem gay viciado em sexo com estranhos pegar ou ter HIV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seja, a realidade mais provável, não importa o quão barulhente seja a agenda unicorniana.

      Excluir