segunda-feira, 20 de julho de 2020

PASTOR OU IMPOSTOR


Não nutro maiores simpatias pela Polônia. Sei que é injusto desmerecer um país inteiro, ainda mais um onde eu nunca estive. E claro que não faltam poloneses sensacionais, de Frederic Chopin a Roman Polanski. Mas tem algo no estereótipo da Polônia que me desagrada: parece uma terra atrasada e preconceituosa, e a reeleição do neofascista Andrzej Duda à presidência não ajudou em nada a desfazer essa impressão. O clichê polonês cabe direitinho em "Corpus Christi", que foi indicado ao Oscar de melhor filme internacional e estreou ao Brasil diretamente no sob demanda. A cidadezinha onde se passa quase toda a história deve ter votado em massa no partido Lei  e Justiça. É lá que chega Daniel, recém-saído do reformatório. Por causa de um crime cometido na adolescência, ele não pôde entrar para o seminário. Mas isto não o impede de se fingir de padre. Quando o velho cura da vila precisa ir pro rehab por causa do alcoolismo, Daniel assume a paróquia e logo faz sucesso. Seu estilo rock'n'roll seduz os fiéis, e não demora para ele tentar remendar uma ferida aberta na pequena comunidade. Esse argumento talvez rendesse uma boa novela, e já rendeu um filmaço. "Corpus Christi" tem um roteiro vigoroso, o incrível Bartosz Bielenia como protagonista  e um trabalho primoroso do diretor Jan Komasa (a câmera na mão na cena final é de arrepiar). É água benta para os olhos e hóstia para a cabeça.

21 comentários:

  1. Das vezes que fui à Polônia, sempre foi por via terrestre (carro ou a pé mesmo).
    Salta aos olhos como a estrada fica esburacada depois da fronteira a caminho de Stettin. Idem pra Swinemünde. Só andar pela praia em Ahlbeck até cruzar a fronteira. Aí tudo vira um camelódromo de dvds piratas e fogos de artifício. Stettin ainda tem o castelo e uma trilha inteira marcada no chão pra se seguir a pé com lugares pra ver e visitar (quase todos herança do passado como capital da Pomerania). Mas no geral cidade fronteiriça costuma ser trasheira mesmo.
    Mas quero conhecer Varsóvia, Cracóvia, Danzig e Posen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ir ao Paraná já me traumatizou o suficiente!
      G-

      Excluir
    2. Kkkkk seu demônio, eu sou do Paraná e somos todos limpinhos kkkkk minha mãe é descendente, a comida deles é Mara, mas o povo é atrasado.

      Excluir
    3. Daniel, eu tive essa exata impressão que você quando eu passei pela Polônia de carro indo para a Alemanha (meu deus, 10 anos atras). O preço de tudo era ridiculamente baixo (ainda mais comparado com a Alemanha, que jà é bem mais barata que tudo na Europa Ocidental), enchemos o tanque com gasolina que acabou fudendo o motor.

      Mas ano passado fui com amigos para um finde em Varsóvia e me impressionei bastante. By no means a cidade é linda - o urban sprawl consegue ser mais violento do que o de Berlim, a arquitetura da reconstrução é gélida, a historia da cidade é pesada. Mas a estrutura de transportes é nova em folha (obrigado UE), a cidade é bem cuidada, a diaspora polonesa começou à voltar e abrir bares, restaurantes e boates bem legais. Sinceramente longe dessa impressão de Paraguai da Alemanha que eu tive na primeira vez. E os poloneses que cruzamos (alguns dos nossos amigos tem origem) foram todos gentis, sofisticados, reservados naquele estilo eslavo no inicio mas todos simpáticos depois de alguns copos. E todos pareciam exasperados com o governo nas mãos de um Bolsonaro-like eleito pelas províncias.

      O foda é que é um país com uma história MUITO fudida. Você anda pelo Velho Centro e fica encantado pela beleza, triste porque você pensa que a cidade inteira deveria ser assim, admirado pela determinação de reconstrução e em choque quando entende a meticulosidade e o esforço dos alemães em aniquilar uma cultura e civilização. Uma amiga parisiense falou que era impossivel nao pensar no que os alemaes teriam feito com Paris se a liberação da França tivesse se prolongado. Isso não desaparece em 3 ou 4 gerações, ainda mais com a Guerra Fria.

      Enfim, historia pesada. Mas belo pais. (E os homens são gatos e adoram brasileiros. :D)

      Excluir
    4. Adorei esse relato do Fernando.

      Excluir
    5. “E os homens são gatos e adoram brasileiros” Tô na revista Capricho? Vão lá bees, todas empoderadas, paquerem certo, afinal eles adoram brasileiros, depois terminem como o Guilherme.

      Excluir
    6. O povo do mundo inteiro ADORAM brasileiros!

      QUEM TE CONHECEM QUE TE COMPREM!!! >:(

      Excluir
  2. Filmaço! Mas discordo sobre a Polônia. É um baita país. e esta completamente dividido 51 x 49 pro Duda. Varsóvia e todo o oeste votaram no progressista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ironicamente, no território que eram as terras alemães a leste do Oder pré-39 votaram no Trzaskowski. Os vizinhos alemães logo a oeste da fronteira pós-45 hoje em dia votam em partido de extrema direta.

      Excluir
    2. Ué, eu tinha lido que era o contrário. Quanto mais perto da Alemanha, mais pró-Trzakowski. Quanto mais perto de Belarus e da Hungria, mais pró-Duda.

      Excluir
    3. Eslováquia e Ucrânia, você quer dizer?

      Excluir
    4. Tem até um artigo na wikipedia sobre "Polônia A e B", uma sendo as terras que eram da Alemanha antes de 39 e foram cedidas e outra sendo a Polônia mais pró-Rússia.
      https://en.wikipedia.org/wiki/Poland_A_and_B

      Existem outros mapas como este de eleições presidenciais e parlamentares anteriores onde a diferença é mais marcante ainda.

      Excluir
  3. Estive em Varsóvia uma vez, eles têm um conservadorismo parecido com o russo. Entretanto, as 2 saunas locais são baphonicas, e passei um rodo maior do que em qualquer outra cidade europeia. Vai entender...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ia comentar isso, a descrição do Tony para a Polônia evoca a Rússia tb.

      Excluir
    2. E os homens são bonitos ? Bem dotados? E alguma peculiaridade?

      Excluir
    3. Bonitos, gostosos e safados...

      Excluir
    4. Mas fedem...Leve eles na ducha antes de ir para o quartinho. Sério, não é apenas um esterótipo do leste europeu...

      Excluir
    5. Têm todos aquela mesma cara de polaco, cara de pastel. E se nem os de Bel Ami são bem dotados... Leste Europeu é pau fino e cor de rosa.

      Excluir
  4. eu curti "Plagi Breslau", tem na netflix

    ResponderExcluir
  5. ADORO Polish sausage!!!

    Era a que eu mais comia em Toronto - fora das saunas! - naqueles carrinhos de hoti dogi!

    ResponderExcluir