quinta-feira, 9 de julho de 2020

NÃO SE REPRIMA


Muito antes do k-pop, Porto Rico já adestrava garotinhos para se tornarem membros de boy bands e ídolos das garotinhas. O exemplo mais conhecido no Brasil desse fenômeno  foi o Menudo, mas existiram - e ainda existem - dezenas de popstars pré-fabricados cantando em espanhol. Claro que o custo humano era altíssimo, e é este o ponto de partida do filme chileno "Ninguém Sabe que Estou Aqui", disponível na Netflix. Quando adolescente, o protagonista - vivido pelo imenso Jorge Garcia, o Hurley da série "Lost" - emprestava a voz a um desses cantorzinhos de araque, que só entrava com o visual. No entanto, algo de grave aconteceu, o que fez com que ele saísse de cena e, 25 anos depois, viva às margens de um lago no sul do Chile, sem que ninguém saiba sua verdadeira identidade. O longa de estreia de Gaspar Antillo tem um ritmo lento e contemplativo até os 20 minutos finais, quando a ação se desloca para um estúdio de TV e a porca torce o rabo. Com enquadramentos elegantes, ótima edição e uma atuação contida de Garcia, não duvido nada que este seja o representante do Chile no próximo Oscar.

4 comentários:

  1. Adorei a música tema desse filme, mas não consegui achã-la em lugar nenhum...

    ResponderExcluir
  2. Gosto de Tony, mas esse danado é gordofóbico... 🤣🤣🤣

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou nada. Aprecio um cheinho, e eu mesmo não posso me gabar de magreza.

      Excluir
  3. "Eterno" Hurley. Até que ele escapou do typecast e manteve-se fofinho, mas o papel marcou a carreira dele de um jeito... Virou até nome de álbum do Weezer (?!?!?)
    Ahora me quede con ganas de ver esa película. Tú sabes muy bien como me encanta Chile.

    ResponderExcluir