quinta-feira, 30 de julho de 2020

EMMA. EMMA. EMMA.

No final da década de 90, houve uma onda de filmes baseados em livros de Jane Austen. Um dos mais vistosos foi "Emma", de 1996, que deslanchou a carreira de Gwyneth Paltrow. Talvez a história se repita agora com a ótima Anya Taylor-Joy, que protagoniza a nova versão da história. "Emma." (com ponto final no título, como era o costume no começo do século 19) é o longa de estreia de uma diretora cujo nome caberia numa drag queen intelectualizada, Autumn de Wilde, e seu visual parece inspirado numa caixa de macarons. Tudo é rosinha, verdinho, azulzinho, e alguns enquadramentos são tão lindos que dão vontade, ao mesmo tempo, de comer e pendurar na parede. Além da própria Anya, brilham duas coadjuvantes: Mia Goth e Miranda Hart, aquela atriz grandalhona que quem viu a série "Call the Midwife" aprendeu a amar. Já a trama continua a mesma, leve feito algodão doce: Emma Woodhouse, "bonita, inteligente e rica" como diz o poster, acha que controla todo mundo à sua volta. Faz e desfaz casamentos, sem perceber seus próprios sentimentos.  Não é nada muito profundo, mas os gringos tratam Jane Austen como se fosse Machado de Assis - e o fato é que os romances da autora costumam render bom cinema. "Emma." é um dos primeiros filmes importantes do ano a estrear diretamente no sob demanda, e merece que o próximo Oscar lembre dele em várias categorias. Quer dizer, se houver Oscar.

8 comentários:

  1. Teve até "Patricinhas de Beverly Hills" também baseado em Emma. Eu nem vi a adaptação de Orgulho e Preconceito dos anos 2000, mas adorei conhecer Chatsworth House, que apesar do nome, é um baita palácio/castelo.

    ResponderExcluir
  2. A Mia Goth tem sangue brasileiro: é neta da atriz Maria Gladys.

    ResponderExcluir
  3. Mia Goth é a neta da Maria Gladys?

    Esse romance da Jane Austen foi hype nos anos 90, essas reeleituras terminam tornando clássico, algo pueril.

    ResponderExcluir
  4. Não entendi... Machado de Assis...?

    ResponderExcluir
  5. As Quatro Estações rendendo trilhas de filmes forever and ever.

    ResponderExcluir
  6. Miranda Hart era especialmente boa na série "Miranda" mesmo, da BBC.

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro esses filmes ingleses campesinos, mesmo sabendo que a realidade era mais dura e crua aliás muito mais, mas me transporto. Não sei porque o espanto. Nós sempre tivemos os nossos temas bobinhos ligados à cultura interiorana local.

    ResponderExcluir
  8. Eu não SUPORTO - nem nunca suportei muito meso - esses filmes ingleses que cheiram a MOFO (tipo os pubs deles)!

    PAPO FURADO - CHEIIIIOOOOO DE MENTIRAS HISTÓRICAS - QUE JÁ DEU!

    QUERO A REALIDADE DOS EXTRATERRESTRES DIVULGADAS AO MUNDO INTEIRO!

    Essa piranha da "rainha" da maçonaria mundial é a RESPONSÁVEL pelo acoberdamento - e ridicularização - dessa REALIDADE IMPORTANTÍSSIMA PARA A HUMANIDADE!

    Filminho chinfrim de época autoabsorvido DOES NOT CUT IT!

    DISCLOSURE JÁ!!!!

    ResponderExcluir