terça-feira, 14 de julho de 2020

EM BURCA DO TEMPO PERDIDO


Osama bin Laden morou na Suécia quando era adolescente, e dizia que nunca atacaria o país porque ele não ameaçava o Islã. Os suecos discordam, tanto que fizeram uma série sobre um grande atentado em Estocolmo sendo preparado pelo Estado Islâmico. Esse ataque nunca ocorreu, mas tudo o que acontece em "Califado" é baseado em fatos reais. A ação se passa em 2015, o ano de maior extensão do EI no Oriente Médio. Tem um casal que se arrepende de ter migrado para Raqqa, a capital do EI, e agora não sabe como fugir dali. Tem meninas idiotas que aderem aos radicais como se estes fossem uma banda de k-pop. E tem delinquentes recém-convertidos que acham que vão para o paraíso logo depois de se detonarem. Todas essas tramas se entrelaçam numa única investigação, e o suspense é tão grande que às vezes eu tinha que dar pause para respirar. Levei alguns meses para encarar "Califado", e estou arrependido de não ter visto logo: é uma das melhores séries do ano. E me fez ter saudade dos bons tempos em que o grande problema da humanidade eram os terroristas.

5 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Oh Senhor Grande Pai tende Piedade de Nós Pobres Humanos.

    ResponderExcluir
  2. O problema ainda são os terroristas! Os terroristas políticos que vão explodindo pouca a pouco a democracia e a sociedade de direito e de livre pensamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você quer saber, eu acho que o radicalismo islâmico e a extrema-direita têm muito em comum. Ambos são reações aos avanços dos direitos das minorias, principalmente das mulheres

      Excluir
  3. Domesticamente temos extrema direita e evangélicos juntos.
    G-

    ResponderExcluir
  4. Saudades dos ataques terroristas.

    ResponderExcluir