segunda-feira, 15 de junho de 2020

POR QUEER NÃO?

Durante três décadas, o movimento pelos direitos igualitários teve um nome simplezinho: era só gay mesmo. Os primeiros ativistas se apossaram da palavra, que até a década de 60 tinha uma conotação pejorativa nos Estados Unidos, e a ressignificaram. Gay acabou penetrando em quase todas as línguas e foi por muito tempo um grande guarda-chuva, debaixo do qual cabia todo mundo. Aí as lésbicas sentiram que precisavam de mais visibilidade, acharam que gay havia virado sinônimo de viado e passaram a se destacar do grupo - surgiu o "gays e lésbicas", como se essas últimas também não fossem gays. No final da década de 90 apareceu o termo GLS aqui no Brasil, que eu acho muito simpático justamente por incluir os simpatizantes. Então foram os bissexuais, travestis e transexuais que clamaram por suas próprias letras, e consolidou-se a sigla LGBT. De uns anos para cá, como todo mundo sabe, ela não parou de crescer. Ontem aconteceu a primeira Parada do Orgulho LGBTQIA+ virtual, sem desfile na Paulista, e eu vi uns trechos pela TV. O som dessa fileira de letras é estranho: termina com um "QI a mais", como se fôssemos mais inteligentes que os HTs. Aí a atriz Bruna Linzmeyer sugeriu que se acrescentasse a letra P, para representar os pansexuais. Acho justo, acho digno, acho democrático e também acho muito pouco prático. Há duas semanas a Jup do Bairro me interpelou pelo Twitter porque a chamada da coluna Multitela daquele dia falava em "mês do orgulho gay". Expliquei para ela que eu havia tomado o maior cuidado, escrito todas as letrinhas na versão original, mas que agora a coluna está espremida ao lado dos quadrinhos e o diagramador - provavelmente hétero - achou que tudo bem substituir a sigla gigantesca por uma palavrinha de três letras. Não adiantou, pelo contrário. Abriram-se as portas do inferno, com um monte de militante me agredindo mesmo depois de eu ter pedido para corrigirem na versão online. Estava na hora de todos nós, L, G, B, T, etc., chegarmos num acordo e simplificarmos a vida de todo mundo, inclusive a nossa. Concordo que a palavra gay não serve mais como ônibus. Mas acho que há uma outra que poderia servir: queer. Queer também já foi pejorativo em inglês, e significa estranho, diferente, inclassificável. Já conheço gente que se identifica como queer. Acho que o termo podia ser expandido e abranger todas as milhares de letras que não param de brotar. Somos todos queer. Movimento queer. Parada queer. Por queer não?

40 comentários:

  1. A nomenclatura mais moderninha já está em LGBTQQICAPF2K+ (I’m NOT kidding). Que tal mudar pra sigla pra NHN (non-heteronormative), que já engloba todo mundo e não precisa decorar um alfabeto? N.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema de "não heteronormativo" é que foca afinal no hétero, e não nas minorias que se quer destacar. Não por outro motivo colocaram o L antes do G um tempo atrás.

      Excluir
    2. Parece nome de filho do Elon Musk

      Excluir
    3. essa sigla aí foi uma sugestão que nunca foi pra frente e não tem embasamento nenhum, algumas letras nem deviam estar aí. ninguém usa ela e é consenso que não deve ser usada. você deve ter visto o único post existente sobre essa sigla e tomado como verdade. pesquise mais antes de presumir essas coisas!

      Excluir
  2. Por isso a bandeira é um símbolo tão bonito: todos se sentem representados pelo arco-íris, sem precisar de qualquer letrinha específica.
    Fora que os héteros, que são a maioria da sociedade, nem vão parar pra ler essa sigla imensa e indecifrável... acaba sendo uma sigla que só fala para a própria comunidade Queer.
    Já queer, ainda que uma palavra legal, pode ser uma palavra de difícil pronúncia nos rincões mais afastados do eixo Rio-SP.
    Vamos mudar a sigla pelo emoticon do arco-íris.
    Parada do Orgulho 🌈

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, precisa ser algo que possa ser DITO.

      Excluir
    2. Acho simpático mas o problema do arco-íris é findarmos com o efeito Prince. “A parada anteriormente chamada de orgulho LGBTXYZ”. N.

      Excluir
  3. É pq essa troca de nomes movimenta o movimento gay e faz alguns militantes se sentirem melhor quando corrigem um gay Como eu por exemplo que luto ao meu modo e me posiciono porém não consigo e não quero ficar decorando códigos e legendas. Me julguem!

    ResponderExcluir
  4. A foto é da live a Aloka? N.

    ResponderExcluir
  5. Prebiscito já. Nem vivo no brasil mas quero me intrometer. Jajaja
    É democrático e acredito que realmente é uma necessidade colocar um limite nessa sigla que não para de crescer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq quais as chances de Hansa falar mais de 3 palavras sem lembrar que ñ mora aqui.

      Excluir
    2. Pelo menos ela não está falando do Depeche Mode. Aff.

      Excluir
    3. É normal para quem está fora. Não é esnobismo (em algumas pouquíssimas vezes) não!

      Excluir
    4. Esse Daniel sem foto, nem link, não sou eu. É fake paraguaio. Quando eu quero falar com o Tony, eu pego logo o telefone vermelho. Ou no mínimo boto link no meu nome (quando a conta do google não quer colaborar, como agora). Tava pra falar isso há semanas, mas até agora não tinha lido ninguém cair nessa de achar que eu sou pedante assim.

      Excluir
    5. Vendo ontem um vídeo do Fernando Grostein (LIVE com sua mãe), referindo-se à PARADA GAY, foi inevitável lembrar-me da publicação aqui no blog. Uma coisa é certa, sempre surgirá alguma nova designação que pretenderá ter uma letra na sigla, mas acho que falta humildade de vários segmentos da mesma para ceder e permitir que se designe um acrônimo facilitador para dar ainda mais força ao movimento. Parafraseando Karnal, esse narciso se voltou tão preponderante que só sentimos que realmente existimos quando vemos nossa LETRA na sigla. Eu sou gay cis e não tenho o menor problema se fizerem desaparecer o G, mas acho uma forma simples para designá-lo. Sobretudo, porque é uma palavra com um claro significado inclusive para os leigos no assunto. Ademais, é curta.
      Referente à minha identidade, não sou quem menciona DEPECHE MODE. Aliás, só comecei a postar comentários desde uns 3 meses, acho que devido à trágica situação politica do Brasil, mesmo sendo leitor há bem mais de 10 anos. Assinarei com meu nome e o primeiro sobrenome para procurar não ser confundido.

      Excluir
    6. Pra quem mora você está com um português péssimo. E não venha me falar que é porque inglês é tua segunda língua que será mentira. Falar bem a língua de onde nasceu é o mínimo pra se aprender outro idioma. Prebiscito? Fora o texto sem pontuação, desconexo.

      Excluir
    7. Te lo juro!! Acabo de darme cuenta del grotesco error en la palabra P L E B I S C I T O. Confieso que estaba centrado en la broma respecto a la intromisión y pasé por alto el error. Pero bueno, que me lo corrijas tragándote una palabra... ya es de risa.
      Jajajaja

      Excluir
    8. Ok, spanish boy. Dê um abraço nos atores da série Merli. Abraço fraterno.

      Excluir
  6. Pq é uma importação capenga do inglês e não estamos nesse tipo de mundo cópia e cola que um dia fomes. Pq para a maioria da população não faz nenhum sentido. Pq para a maioria dos LGBTs não faz nenhum sentido. Pq cada mudança de sigla não é um mudar de roupa. A antiga sigla GLBT teve a ordem invertida (no Brasil) na histórica Conferência Nacional em Brasília (que foi aberto por um presidente Lula que muito bicha ama críticar sem reconhecer fatos importantes como esse). Pq queer não é só uma palavra é tb um movimento, um conceito e sobretudo uma teoria (Inclusive seus principais expoentes são contra esse tipo de importação direta por acreditarem que cada país, língua tem sua peculiaridade). Pq movimento socialpolitico vai muito além de blog, YouTube e atriz global...

    ResponderExcluir
  7. É o tipo da discussão ridícula que só enfraquece qualquer movimento. Daqui a pouco aparece alguma outro grupo não representado com mais uma letra. Gls já estava mais que bom, representava de uma maneira geral, quem não se sentisse representado por uma letra a mais deveria pensar a respeito.

    ResponderExcluir
  8. Logicamente eu sempre me defini mais como Queer do que Gay. Sou Gay Queer ou Queer Gay.

    Todos aqui já me apontaram que não sou "normal". Até entre os gays não me encacho! Quando saiu o Brokeback Mountain lá tive maiores discussões sobre isso, pois eles usam o termo no filme.

    Sempre me encaixei mais como Queer.

    "Um Estranho No Ninho..."


























    MENTIRA!!!!!





















    SOU MESMO EXTRATERRESTRE!!!

    Um Queer EXTRAterrestre.

    Pode adicionar o "QE" na sigla s'il vous plait!

    ResponderExcluir
  9. Por isso quero distância desse povo. O cancelamento não poupa ninguém. A sanha de destruir reputações é um buraco negro que consome tudo a sua volta.

    O bom senso no meio gay terminou com o cancelamento do GLS.

    Vou, faço sexo e saio correndo desse hospício. A paz é indescritível.

    ResponderExcluir
  10. Eu, na minha infância ignorante, achava que queer vinha de queen (rainha) e por isso gostava de me definir assim...

    ResponderExcluir
  11. Sugiro algo melhor. Ao invés de vocês se preocuparem com siglas, vão se tratar (psicólogos, médicos e pais de santo, etc)e tentarem serem pessoas normais. Que tal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só tem um doente aqui, 21:42, e é você.

      Vontade de dar essa bunda, né, minha filha?

      Excluir
    2. Adorei. Ranço de gente idiota como esse 21:42.

      Excluir
    3. Não atiça não que ela vai querer dar a bunda pros bofes do pau de arara inteiro!

      Excluir
  12. Termo queer já foi bom, hoje em dia é sinônimo dessas baboseiras de gente chata genere fluide dili pra ili. Pra mim é LGBT e pronto. Os militantes que se fodam.

    ResponderExcluir
  13. O Mio Babbino Caro
    É algo natural as pessoas quererem se ver representadas. Vai chegar um momento, que pode estar próximo, aonde isso se esgote e se estabilize em algo de bom senso e consenso, que ainda não aconteceu.

    ResponderExcluir
  14. Quando ela cai no sofá, so far away...
    Poor queer não eu? N.

    ResponderExcluir
  15. Pra mim a palavra queer é aplicado somente as bichas afeminadas e purpurinadas. Como sou um gay cis másculo me recuso a ter essa denominação. Até viado soa melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “When I think about ‘queer,’ I just think ‘different,’” Wise says.


      https://www.cosmopolitan.com/sex-love/a25243218/queer-meaning-definition/

      Queer significa "estranho".

      Excluir
    2. Associo queer a afeminados estranhos que não trepam.

      Excluir
    3. Mas não quer dizer afeminado em inglês. Só estranho mesmo.

      Afeminado é mais "gay" que qualquer coisa. Ou "nelly".

      O significado de queer não é o que voce tem. Mas tudo bem. Cada um é cada um.

      Excluir
  16. Essa busca interminável por identitarismo da esquerda que dita os rumos das pautas LGBT leva a todos nós sermos vistos como chacota pelos héteros, até mesmo gays e lésbicas fazem chacota disso

    Basta abrir o Twitter pra ver como essa pauta de Queer-Não-Binário é coisa de adolescente sem emprego
    Fazer isso agrega alguém não agregado?

    essa mudança de sigla começou a dar errado quando saímos de GLS pra GLBT pra depois LGBT

    GLBT pra LGBT é o mais patético, o G primeiro designaria um machismo estrutural como homens gays como prioridade, então trocou pelo L como primeira letra

    Enquanto isso os héteros criam páginas no FB, Twitter e Instagram pra rir de como gays lésbicas e afins lutam entre si pra ter local de fala

    Outro dia vi um belo exemplo de uma Judia Feminista (ela se auto declara na Bio) brigando com uma TERF negra

    A Judia Feminista deu uma ideia de extinguir a palavra "mãe" por não ser agregadora com mulheres trans, a ideia dela é substituir isso pra mulheres que menstruam ou pra mulheres com útero

    Continuem assim, vai dar muito certo.

    ResponderExcluir