segunda-feira, 1 de junho de 2020

A RUA NÃO TEM DONO

Foi um fim de semana de perdas para o bozoarismo. As notinhas de repúdio estão ficando para trás, sendo substituídas por ações concretas da sociedade. Começam a pipocar manifestações contra o governo, apesar da pandemia e da má vontade das polícias. Houve abusos flagrantes da PM no Rio e em SP, haja vista o tapinha nas costas que levou a amiga da Carla Zambelli, que carregava um taco de beisebol onde se lia "Rivotril". Mas também houve vexames históricos, como a passeata "dos 300" da cretina da Sara Winter, que reuniu menos de um décimo disto e ainda evocou a Ku Klux Klan - no exato fim de semana em que protestos antirracistas explodiram nos Estados Unidos. Aliás, não é coincidência que Brasil e EUA estejam reagindo ao mesmo tempo a seus desastrosos presidentes. Tanto Trump como Edaír menosprezaram o coronavírus, defenderam os neofascistas e incitaram a violência. O primeiro deve cair em novembro, o que vai enfraquecer ainda mais o segundo. Sim, há o risco da violência se exacerbar e fornecer os pretextos que esses crápulas tanto querem. Mas esse risco não pode ofuscar o dado novo: as ruas não são deles. A imensa maioria está de saco cheio da inépcia, da retórica agressiva, das mentiras deslavadas. A reação já começou e vai se intensificar, mas temos que tomar todo o cuidado possível. Vamos de máscara e vamos manter o distanciamento social, mas vamos para as ruas.

3 comentários:

  1. O Mio Babbino CarO

    LAROYÊ EXU

    ResponderExcluir
  2. Acho que ainda não é hora de ir pra rua. Pensando bem, muito bem mesmo, seria bom que o Bozo desse um golpe de estado depois de amanhã. Isso so apressaria a sua queda.

    ResponderExcluir
  3. Tony, para você que gosta do cinema francês: http://festivalvariluxemcasa.com.br

    ResponderExcluir