terça-feira, 12 de maio de 2020

BRAZIL, I'M DEVASTATED

De-vas-ta-dor. A palavra tem um quê de mulher-bicha, como se só pudesse ser dita por Carmen Verônica. Mas nesta terça ela foi repetida à larga, por fontes - adoro - que assistiram ao vídeo em que o governo imola a si mesmo. O que acontece agora? O Joel Pinheiro manda a gente segurar os fogos: Michel Temer também foi alvo de um áudio de-vas-ta-dor, e conseguiu concluir seu mandato. Vai depender muito do Augusto Aras. Terá o PGR o culhão necessário para denunciar seu chefe? Se ele o fizer e Edaír sobreviver, adeus vaguinha no Supremo. Se ele não o fizer, mesmo com todos os canos fumegantes apontando para o Edaír, Aras perde a credibilidade entre seus comandados e as condições de permanecer no cargo. Também vai depender, é óbvio, do povo. Já tem pesquisa assinalando o derretimento da popularidade do Edaír, e a curva da pandemia está longe de se achatar. Sinal de que vem aí uma tempestade perfeita? Pode ser de-vas-ta-do-ra.

6 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Que horrível, não merecíamos passar por tudo isso...Porém Bolsonaro está preservado pois atende aos grandes interesses empresariais, foi eleito para isso. Chato né! Mas é assim que funciona e nós vos continuar aqui no caderno b achando que vamos influir em alguma coisa.E aínda sem expectativas de nenhuma estreia nas artes.

    ResponderExcluir
  2. E o Aras se importa com credibilidade? Ele só quer lamber as botas do Jair.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Muito pelo contrário. É mais provável que ele proteja o chefe (tristes tempos de PGR "chefiada" pelo executivo) e ainda descole uma recondução. No momento, ninguém deveria estar pensando em "bilhete premiado do Supremo" porque "è mobile qual piuma al vento".

      Excluir
  3. Bolsonaro se livrou do efeito "povo" por causa da pandemia, que impede pessoas pensantes de irem às ruas protestar, pelo menos nos próximos muitos meses. Pesquisa de aprovação não tem impacto nenhum comparado com o povo nas ruas.
    E a história mostra claramente: Presidente só cai se não tiver apoio mínimo no Congresso. E Bolsonaro tá fazendo a lição de casa: o centrão anda muito satisfeito.
    E acho extremo otimismo imaginar que o STF vai assumir protagonismo contra um Presidente da República em exercício. No máximo vão fazer o Inquérito e processo andarem a passos lentos, sem qualquer efeito no mundo real.
    Acho que teremos que suportar ele até 2022. E lá, se o segundo turno for contra o PT, teremos que aguentar Bolsonaro até 2026.

    ResponderExcluir
  4. DIas atrás Mijair elogiou Aras e disse que está cogitando indicá-lo para o supremo no final do ano. Talkey?

    ResponderExcluir
  5. o PGR não tem bolas!

    ResponderExcluir