sábado, 4 de janeiro de 2020

AGORA VOCÊ VEM DIZENDO ADEUS

Vi "Nos Tempos da Jovem Guarda" pela primeira vez lá por volta de 1987, quando o espetáculo já estava consagrado. Nascido uns dois anos antes como um show de boate, o revival criado por Renato Krämer fez tanto sucesso que conseguiu lotar o Maria Della Costa, um dos maiores teatros de S. Paulo. Na entrada, um amigo me avisou: "você verá de novo". Dito e feito. Perdi a conta de quantas vezes eu repeti a experiência. Para quem não sabe do que se trata: Renato encarnava sua grande "ídala" de infância, Wanderléa, no comando de uma edição do programa "Jovem Guarda" enquanto Roberto Carlos, atrasado, não aparecia. Um elenco quase só de homens se revezava em cena, evocando Martinha, Valdirene e outras musas dos anos 60. Tinha até o Trio Ternura com blackface, algo impensável para os dias de hoje, e alguns dos textos mais afiados de todos os tempos. Rolei de rir todas as vezes. Uma das 10 melhores peças da minha vida, fácil. Só fui conhecer Renato Krämer muitos anos mais tarde, quando ambos nos tornamos colunistas do F5. Estive com ele umas quatro ou cinco vezes, sempre em ocasiões sociais com muita gente em volta, e só agora me dei conta de que nunca lhe contei do impacto que sua Wandeca me causou. Renato morreu ontem, depois de duas semanas hospitalizado por causa de um acidente doméstico. Lição para mim: elogie as pessoas enquanto elas ainda estão vivas.

12 comentários:

  1. Nos últimos anos a maior convivência que Kramer tinha era com seus dois amados cachorrinhos. E o q vem a acontecer? Ele escorregou no xixi dos "seus meninos", caiu, teve traumatismo craniano. Levado à Santa Casa, operado , teve alta(inexplicavelmente) de uma cirurgia na cabeça em dois dias. Em casa, voltou a passar mal e foi novamente operado no Oswaldo Cruz. Rapidamente o quadro evoluiu para falência múltipla de órgãos e, infelizmente, veio a falecer. Sim, chegou sua hora. Mas vir a sofrer um acidente doméstico nas circunstâncias ocorridas choca e entristece demais. Que Deus o receba de braços abertos.

    ResponderExcluir
  2. O problema de elogiar artistas é que os mesmo tem um ego gigante e em geral fazem uma cara de nojo ou te olham como se vc fosse um ser inferior ou boboca ou as duas coisas.Entao hoje em dia tenho minhas reservas quanto a isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu tenho conhecido muita gente famosa nos últimos tempos. E com alguns eu não me contenho: digo o quanto gosto deles, como tal disco ou tal filme foram importantes para mim. Adivinha? Todos ADORAM. Ficam felicíssimos. Artista é que nem o resto de nós: pocinhos de insegurança. Precisamos de elogios o tempo todo.

      Excluir
    2. Mas vc escreve para um jornal, tem um blog, o sogro foi/ é importante para a história da industria, entao a recepcao é diferente.

      Excluir
    3. Tem algo de verdade nisso, para o artista o elogio do anônimo é algo banal...

      E imagino, que vc não se apresenta na maioria das vezes como uma mera tiete, Tony!

      Excluir
    4. Famoso gosta de ser elogiado, acreditem.

      O que alguns famosos não gostam é de tirar selfie (alguns não se incomodam).

      E o que NENHUM famoso gosta é de ser importunado enquanto está comendo. Jamais aborde um famoso durante uma refeição.

      Excluir
    5. Muitos famosos já olharam para mim com muito INTERESSE!!!

      Lá no Canadá! Foi sempre muito bom!!! ;)

      Achava que era por ser brasileiro sexy, mas hoje acho que é por ser "extraterrestre"!!

      Excluir
    6. E só importunei mesmo de babar ovo um: David Cronemberg.

      Pois foi por causa dele - meu amigo aqui adorava ele - que escolhi ir para Toronto! Aí então TIVE que contar para ele tudo isso né???

      Mas esperei ele parar de comer para "importunar". MUITO LEGAL!!!! NUNCA IMAGINEI QUE IA CONHECE-LO!!!

      Excluir
    7. Tony, obrigado pelo guia “Como lidar com os famosos” !!!! ADOREI!!!
      Agora, faz uma enquete: “quem gosta de ser importunado enquanto está comendo?” E faz um post. Famosos não entram!!!

      Excluir
  3. O Mio Babbino Caro
    Bom momento para essa reflexão...Eu também já perdi, não perco mais, boas chances de externar meu sentimento e admiração. Sim, "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" aprendi a duras penas.

    ResponderExcluir
  4. Igual à vc nos anos 80, esse show foi simplesmente sensacional!!!!! Assisti várias vezes, levando os amigos do interior e riamos como nunca!!!! Inesquecível!!!! Que elenco fabuloso!!!! Quanto talento!!! O Lolo (Lourival Prudencio) que fazia a Giane era coisa do outro mundo!!! Nunca ri tanto na minha vida!!! Que saudades daqueles tempos....

    ResponderExcluir