sábado, 28 de dezembro de 2019

MINHAS MÚSICAS DE 2019

Esse foi o post mais difícil de fazer. Antigamente era mais fácil: só listar os 10 melhores álbuns (que eu teimo em chamar ainda de "discos") e pronto. Acontece que eu não ouço mais álbuns. O único que eu toquei bastante foi o "Madame X" da Madonna, o meu favorito de 2019. Mas isto não quer dizer que eu ouça menos música, pelo contrário. Ouço faixas soltas, faço as minhas playlists, tenho os meus queridinhos. Aqui vão os 10 mais representativos, em ordem alfabética:
BILLIE EILISH
A jovem diva-depressão cometeu a que eu acho a melhor música do ano, "Bad Guy". Billie, na verdade, é uma dupla: ela não seria nada sem as composições e a produção do irmão Finneas O'Connell, um gênio. Em novembro eles voltaram à carga com a maravilhosa "Everything I Wanted", que eu não consigo ouvir sem lembrar do meu cachorro - morto seis meses antes. Vai entender.


DAVI
O ex-integrante da Banda Uó embarcou na carreira-solo com um trabalho bem diferente do de seu antigo trio. O álbum "Ritual", com a dengosa "Coisas da Bahia", traz um sonzinho  que faltava no Brasil, misturando ingredientes locais com uma eletrônica suave. Eu já tinha me rendido ao rapaz quando me dei conta de que ele integra a nova MPBicha. Ponto-bônus!


DINO D'SANTIAGO
O guia de Madonna em Portugal também é um músico completo. Por causa de seus pitacos em "Madame X", fui atrás do álbum "Mundu Nôbu", lançado no ano passado. Aí evoluí para o EP com remixes, de onde garimpei a pérola "Nova Lisboa (Moullinex Remix)" e, no finzinho do ano, me regalei com o EP de inéditas "Sotavento". Filho de caboverdeanos nascido no Algarve, o cara já é uma das principais vozes da lusofonia.


EMICIDA 
Eu não sou nada ligado ao rap, mas não posso negar: Emicida é um baita artista sério, cuja importância só cresceu nesses tempos escuros em que vivemos. A essa altura, todo mundo já ouviu "AmarElo", a reciclagem de uma canção do Belchior que virou hino da resistência gay com os vocais de Majur e Pabllo Vittar. Minha sugestão então é "Ismália", um feat. com Larissa Luz e ninguém menos do que Fernanda Montenegro.
JOHAN PAPACONSTANTINO
Como sói acontecer, minha lista dos melhores do ano tem nomes que mais ninguém conhece, só eueueu. Um deles é esse belo rapaz francês de origem grega, cuja música ensolarada carrega muitos elementos do país de seus antepassados. Recomendo vivamente o EP "Contre-Jour" e o single "Pourquoi Tu Cries??", lançado há dois anos mas incluído no álbum. Para facilitar a vida do ilustre leitorado, posto abaixo o clipe dessa faixa. 

LIL NAS X
Quem diria que a música mais tocada no planeta em 2019 seria uma mistura de rap com country, cantada por um rapaz sem medo de se assumir gay aos 19 anos de idade? "Old Country Road" ganhou ainda mais legitimidade quando Billy Ray Cyrus, o pai da Miley, gravou com Lil Nas X uma nova versão. No entanto, mesmo indicado a vários Grammys, tenho dúvidas se esse boy-magia tem uma longa carreira pela frente. Tomara.

LIZZO
Outra queridinha do Grammy é essa gorducha de voz possante e toneladas de carisma. Numa época em que a gordofobia virou pecado capital, é ótimo existir uma diva acima do peso e absolutamente segura de seu sex-appeal (a ponto de fazer uma das strippers de "As Golpistas"). Preciso me conter para não sair pulando feito doido cada vez que ouço "Juice".


MADONNA 
Ah, Madonna. Minha companheira de jornada, desde o longínquo ano de 1983. E em 2019 ela não me desapontou, muito pelo contrário. Madge recuperou o frescor com "Madame X", sem fingir que ainda é uma adolescente. Incorporando fado, batuque, funk carioca, disco, balé e mensagens políticas, foi mesmo o álbum do ano. Mas cadê o clipe de "Faz Gostoso"?

MARRÓN
Outro desconhecido pelas massas que entrou para a minha lista é este cantor e produtor mexicano radicado em Nova York, que eu comecei a escutar no final do ano passado. Este ano ele lançou o belo EP "Futur", com destaque para o single "4am". Como quero ajudar a divulgar essa musiquinha sofisticada, aqui vai seu clipe, talvez o mais barato de todos os tempos:



ROSALÍA 
A Anitta espanhola não lançou álbum novo em 2019 ("Malamente" é do ano passado), mas não teve mês em que essa catalã não aprontasse alguma. Teve feat. para todo lado, indicações ao Grammy e até uma certa polêmica em seu país natal: ela estaria autorizada a bulir com o flamenco, que não é originário de sua região? Não importa. Só importa La Rosalía. La Rosalía.

Claro que eu ouvi muito mais do que só esses 10. Minha playlist da melhores de 2019 ainda tem "Boy with Luv" (BTS feat. Halsey), um tsunami inescapável; a sexy "Mortel" (Fishbach), incluída na trilha sonora da primeira temporada da série "You" da Netflix; a versão de Juliette Armanet para uma música do Queen, "Cool Cat"; a estranha "Festa Tocandira", da misteriosa Flèche Negre; a viciante "Padê e Cachaça", da minha nova amiga Cristianny Ketchy; "Departamentos", dos argentinos Bandalos Chinos feat. Adan Jodorowsky; e toda a trilha do filme "Dear Ex", o representante de Taiwan no Oscar (disponível na Netflix). E tanto mais...

16 comentários:

  1. O Mio Babbino Caro
    Valeu a pena o esforço e vencer a dificuldade para fazer esse post pois está uma maravilha querido. Inclusive uma ótima oportunidade para os sábios perceberem quem de fato é você, antes de sair acusando-o de extremista à direita ou à esquerda.
    É fácil compreender os ASNOS que emporcalharam esse blog por um tempo, pois é impossível vê-los capazes de se aproximarem de um Emicida ou perceberem Lil Nas X, além de aparentemente só se interessarem por uma "Madonna Pirotecnia" e bugarem com Madame X.
    Agora legitimidade mesmo foi dada pelo meu netinho cantando Old Country Road rsss. A coisa mais linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menos... Lil Nas X ficou MESES no topo da Billboard. Quem te vê falando parece que você descobriu um artista marginal, alternativo e inacessível...

      Excluir
    2. 16:38 Não vou discutir com ASNO na passagem de ano rs

      Excluir
    3. Se sentiu melhor agora que xingou um perfeito desconhecido?

      Excluir
    4. Noossa como se o nosso "fakeado" presidente fosse um santo! Um "mito"!!!!

      Excluir
    5. Porque agora é "Montemática", com um O a menos?

      Foram os Illuminatti que mandaram?

      Excluir
    6. Não sou o seu tipo.

      Eu assumo meus erros.

      CONTINUE falando o MESMO de sempre.

      Os "fodões" SOZINHOS no UNIVERSO!!!

      CENSURA-ME TIS!!!

      Excluir
    7. CONTINUE lambendo o dedão do meu pé me avisando quando o seu MESTRE errou, ESCRAVA!!!

      Os ILLUMINATI ME ACOBERTAM!!!

      Excluir
    8. Ela está (mais) descontrolada.

      Excluir
  2. Impressionante como cancelaram Madge. Meus incômodos mais recentes: parece se levar a sério demais e as bizarrices feias de ver, como o leilão de polaroids. De resto, triste ver Madame X ter passado tão batido pro público geral.

    ResponderExcluir
  3. “Juice” tem o mesmo efeito em mim. Afinal, if I’m shining, everybody’s gotta shine!

    ResponderExcluir
  4. eu parado no bailao - e ela mexendo o popozao! ARRASOU TONYAH

    ResponderExcluir
  5. Para fechar o ano, a briga da Mono com o Tony!! Meninos,acalmem-se.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez nem foi erro! Talvez foi um golpe muito bem planejado e executado dos Illuminati, e a Tonyah é cúmplice e protagonista como a bicha má e manipuladora!!!

      Isso sim seria um roteiro digno de Pedro Almodóvar!

      Excluir
  6. Falta Luna Diamante, do mais recente cd de Mina,Mina Fossati. Integra tb a trilha de La Dea Fortuna, recém lancado ( e maravilhoso) filme de Ferzan Ozpetek.

    ResponderExcluir