segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

DESPEDIDA MISTERIOSA

Hoje saíram as indicações para o Globo de Ouro. Nenhuma grande surpresa: a omissão mais vistosa é "Game of Thrones", que só recebeu uma indicação, melhor ator de série dramática para Kit Harington (e injusta, ao meu ver - acho ele um canastrão). Mas uma curiosidade entre os finalistas de melhor filme em língua estrangeira" The Farewell", uma produção americana. O Oscar não permite esse tipo de inscrição, mas os Globos são outra história. Como o longa tem grande parte de seus diálogos em chinês, então tá valendo. A história da jovem americana que vai à China se despedir de sua avó fez uma bela bilheteria em meados do ano, e está bem cotada para melhor filme e melhor atriz (Awkwafina, de "Podres de Ricos") no prêmio da Academia. Só que, mesmo com tanta grana e tantos prêmios, não há sinal de "A Despedida" (já traduzi o título, de nada) aportar por aqui. Nem mesmo na TV a cabo ou no streaming. É comum que alguns filmes descartados pelos nossos distribuidores sejam lançados às pressas quando são indicados a Oscars, mas suspeito que algo mais grave esteja se passando. "Podres de Ricos", um megasucesso no mundo inteiro, passou quase despercebido no Brasil. Um sinal de que o espectador médio brasileiro não gosta de filmes estrelados por orientais? Bom, "Parasita" está indo bem no circuito nacional,  o que talvez desminta a minha teoria. Tomara que eu esteja errado.

11 comentários:

  1. Hummm pelo menos esteticamente acho que não, no Grindr é corriqueiro o “Não curto negros e orientais”

    Eu amo os orientais, Japão e Inglaterra (ocidente, óbvio) são as duas grandes nações do mundo...

    Mas esse filme Podres de Ricos parecia chato...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de orientais traço todos que posso :p

      Excluir
  2. Esse filme é daqueles que buscam evidenciar que só a cultura da sociedade dominante norte de americana é capaz de resolver os problemas de outras culturas estrangeiras e das minorias??

    ResponderExcluir
  3. Se eu continuar frequentando este covil, perigas eu voltar a ser cinéfilo. Toda hora um call. A fita - perdoem a nostalgia VHS - não tem na Netifríquis, mas já tem na Amazon:

    https://www.amazon.com/Farewell-Awkwafina/dp/B07V2PG98H

    Paguei via PayPal, baixei e vou assistir hoje. Parece bem legal. Depois eu volto aqui pra contar e cotar, spoilers garantidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho uma indicação de filme pra vc!

      Assista "O Estranho Que Nós Amamos" (The Beguiled) [1971]
      É tão legal ver mulheres malvadas e opressoras se unindo contra um homem bonzinho e honrado, né?!

      Tenho certeza que é o tipo de filme que vc gosta, mascuzinho!

      Excluir
  4. Killing Eve e Fleabag indicados é o que importa. Acho que não gostamos de orientais pois todos tem a mesma cara e fica confuso.

    ResponderExcluir
  5. Tony... Crazy Rich Asians não foi nenhum box office miracle na Europa não. Aqui na França não entrou nem na lista dos 1 milhão de espectadores. BEM ao contrario de Parasita, que ainda esta em cartaz em alguns cinemas desde Cannes.

    Sendo bem sincero, Crazy Rich Asians é importante pela representatividade bla bla bla mas é uma bosta de historia. Ainda bem que serviu para dar à Constance Wu a exposição que ela merecia. Os livros são aquele tipo de guilty pleasure mas que pensando bem são bem preconceituosinhos com os chineses "Mainlanders". Enfim, acho que no contexto socio-econômico atual brasileiro, ficar vendo um bando de asiático "doing rich things" não deve ter muito apelo para o publico brasileiro mesmo não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é sensacional, escrito por um insider daquele universo e cheio de detalhes deliciosos.

      Nos EUA, o filme bateu 100 milhões de dólares na bilheteria, o que o qualifica como blockbuster.

      Excluir
  6. Oups, postei como anônimo sem querer. :)

    Eu li os 3 livros nas ultimas férias de Maio antes de ver o filme porque... férias. O primeiro também achei sensacional, o segundo tem um plot twist que me revolta até agora (olha, os roteiristas vão ter que fazer milagre para tornar a merda que o autor fez em algo palatavel) e o terceiro foi feito claramente no estilo "editora pressionou por um livro na mesma formula". O tom "insider acido" do primeiro livro começa a incomodar mais nos outros e meio que expõe o preconceito dos chineses de Hong Kong e Cingapura com os que vem da RPC.

    Sim, nos EUA foi blockbuster porque né estudio divulgando horrores. O meu ponto é que na Europa meio que passou batido, acho que li que na China não foi nenhum box office. Enfim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na China foi mal mesmo - e também no Japão, um país que não gosta de chineses.

      Excluir
    2. Japoneses não gostam nem de sis mesmo.

      Excluir